' '

7 de jun de 2018

Fim de uma era: PATO DONALD de julho será o último lançado pela Editora Abril

EXCLUSIVO. Após 68 anos ininterruptos, os quadrinhos Disney estão fora da Editora Abril. As últimas edições que chegarão às bancas serão dos seis títulos de linha referentes ao mês de julho. A Abril não confirma essa informação, deve-se ressaltar aqui.

Nesse longo tempo, a Abril lançou mais de 9 mil edições de 423 títulos* com HQs disneyanas — cerca de 6 mil dessas histórias foram produzidas em seus estúdios, além de uma enormidade de gags e capas. 


Acima, as edições de estreia dos títulos que construíram a sólida base de tudo o que se publicou de quadrinhos Disney no Brasil: apenas EDIÇÃO EXTRA (ago/1972-dez/1993, 160 edições) não estava mais em circulação

◼ AS LINHAS EDITORIAIS

A editora vinha trabalhando em três linhas: 

• As revistas tradicionais, de preço de capa menor e comumente associadas à porta de entrada de leitores (como PATO DONALD e TIO PATINHAS);

• A recém-criada linha intermediária, com edições de excelente acabamento gráfico, capa cartão e preço compatível (O MELHOR DA DISNEY — BRASILDISNEY SAGA e LENDAS DISNEY);

• E a linha luxo, com encadernados em capa dura para coleções fechadas (como Carl Barks, Don Rosa e Gottfredson) e especiais avulsos (comemorativos de aniversários de personagens e coletâneas temáticas, como Ducktales).

Em comum, tais publicações apresentavam uma variedade de personagens, artistas e países de origem algo incomum às linhas de quadrinhos Disney de outros lugares. Os gibis tradicionais, por exemplo, podiam ir da mais recente HQ italiana do Mickey a uma criação brasileira dos anos 1970, passando pelos clássicos americanos e produções dinamarquesas e holandesas. E tal característica, quando cabível, repetia-se nas demais linhas.

◼ JULHO DE 2018: FIM DE UMA ERA

As últimas edições e a longevidade dos gibis clássicos Disney-Abril:

PATO DONALD #2481, edição 1845 — 68 anos de circulação ininterrupta.
ZÉ CARIOCA #2446, edição 1332 — mais de 57 anos.
MICKEY #911 — mais de 65 anos.
TIO PATINHAS #637 — mais de 54 anos.
ALMANAQUE DISNEY #385 — desde dez/1970 (circulação intermitente).
DISNEY ESPECIAL #207 — desde jul/1972 (circulação intermitente).


  

  

Acima, as capas das edições derradeiras dos títulos clássicos Disney pela Abril: com exceção de DISNEY ESPECIAL (lançado em maio), publicações referentes a jul/2018, quando PATO DONALD completa 68 anos de publicação ininterrupta no Brasil. Por acaso, sua HQ de destaque, com Urtigão, Donald e Peninha, foi traduzida pelo Planeta Gibi

◼ OUTROS TÍTULOS E SUAS ÚLTIMAS EDIÇÕES

Da linha de fac-símiles dos Manuais Disney, apenas o 14º volume, Jogos Olímpicos, ficou pendente de publicação — que, a bem da verdade, não estava confirmada, já que a edição precisaria incluir uma espécie de caderno de atualizações, como ocorreu com o fac-símile do Manual do Zé Carioca, lançado em abril último. 

Além dos clássicos, listamos a seguir os outros títulos periódicos e coleções de quadrinhos agora descontinuados.

PATETA (#87, jul/2018, publicação mensal).
DUCKTALES OS CAÇADORES DE AVENTURAS (#6, jul/2018, publicação mensal).
DISNEY BIG (#51, jun/2018, publicação bimestral).

LENDAS DISNEY, DISNEY SAGA e O MELHOR DA DISNEY — BRASIL (criados como trimestrais, tiveram apenas seus #1 publicados, entre janeiro e março deste ano).

KINGDOM HEARTS — COLEÇÃO DEFINITIVA (#1, de 10, presumidamente).

COLEÇÃO CARL BARKS DEFINITIVA (10 volumes publicados; em publicação nos EUA).
OS ANOS DE OURO DE MICKEY (#14, de 37).
BIBLIOTECA DON ROSA (#5, de 10).
DISNEY DE LUXO (20 volumes publicados; coleção de títulos avulsos).
PENINHA — EDIÇÃO DE LUXO (#1, de 2 — para essa fase).

Assim como nos EUA, a COLEÇÃO CARL BARKS DEFINITIVA recebia numeração apenas no expediente. Os demais volumes em capa dura não eram numerados, com exceção de PENINHA

DISNEY DE LUXO é um título atribuído pelo Planeta Gibi (assim como a numeração de seus volumes) apenas para fins referenciais. A editora sempre tratou esses especiais como publicações avulsas. 


  

As capas das últimas edições dos outros três títulos de banca, de jul/2018 (com exceção da bimestral DISNEY BIG, de junho)


  

A chamada "linha intermediária", de revezamento trimestral de lançamento: tamanho similar ao dos especiais em capa dura, lombada quadrada, encadernação perfeita, mas com capa cartão, miolo em offset e preço bem menor. Todos produzidos com a colaboração do Planeta Gibi, sobretudo O MELHOR DA DISNEY — BRASIL, que fez a seleção de HQs, a concepção de artigos e curiosidades, além de fornecer todas as imagens adicionais

◼ GASTÃO 70 ANOS


LENDAS DISNEY #2 comemoraria os 70 anos do Gastão com uma seleção de HQs feita para apresentar ao leitor as mais variadas nuances da personalidade do ganso. 

A edição viria recheada de curiosidades e imagens interessantes, como a mostrada abaixo, além de um artigo ilustrado sobre o personagem e uma galeria das capas dos gibis estrelados por ele. 

A seleção de histórias havia sido feita por Paulo Maffia e pelo Planeta Gibi — que forneceu os textos, as curiosidades, uma ficha ilustrada para cada HQ e todas as imagens do volume. 

Praticamente pronto para ser lançado em abr/2018, nunca foi à gráfica.


Umas das imagens que estaria na página 151, "Sorte Animada", de LENDAS DISNEY #2 GASTÃO 70 ANOS, que também seria abordada no artigo que fechava a edição: "(...) A participação de Gastão acabou sendo deletada da versão final do cartoon [Louco por Futebol, maio de 1987], mas o personagem pode ser visto rapidamente na arquibancada do estádio, na fileira à frente de um coelho que pode muito bem ser considerada a primeira aparição de Roger Rabbit — o notável longa-metragem Uma Cilada para Roger Rabbit só chegaria aos cinemas no ano seguinte, mas decerto estava em produção havia tempos (...)"


◼ AS COLABORAÇÕES DO PLANETA GIBI

O Planeta Gibi começou a colaborar mais efetivamente com a Abril na virada de 2010 para 2011, escrevendo curiosidades para os 50 anos da revista ZÉ CARIOCA. Em seguida, viriam os artigos das coleções semanais PATETA FAZ HISTÓRIA e ESSENCIAL DISNEY. Durante esses anos, muitos exemplares de nosso acervo foram disponibilizados para a produção do gibi do papagaio, dos almanaques e de outros, como os fac-símiles dos Manuais Disney.

Nossas últimas colaborações foram para LENDAS DISNEY #2 GASTÃO e a tradução de histórias para as derradeiras edições de banca, inclusive a HQ de capa da última edição de PATO DONALD, o gibi com maior tempo de circulação ininterrupta do país e, até prova contrária, a revista brasileira de qualquer segmento há mais tempo ainda em circulação — de julho de 1950 até julho de 2018, quando completa 68 anos de lançamento, sendo a primeira revista publicada pela Abril.

Por fim, cabe-nos agradecer à Redação por ter nos confiado grandes missões — que, esperamos, tenham atendido às expectativas dos leitores, como HUGUINHO, ZEZINHO E LUISINHO 80 ANOS, PATETA FAZ HISTÓRIA #5, TIO PATINHAS 70 ANOSO MELHOR DA DISNEY — BRASIL #1... E desejar vida longa às publicações Disney no Brasil e no mundo.






* SOBRE OS NÚMEROS DO SEGUNDO PARÁGRAFO:

423 títulos, incluindo:

• as edições de DISNEY TEMÁTICO DISNEY DE LUXO tratados como títulos avulsos, tais como formalmente considerados pela editora (sendo que AS MUITAS VIDAS DO PATO DONALDZÉ CARIOCA 70 ANOS e TIO PATINHAS 50 ANOS DA REVISTA, com mais de um volume, são títulos únicos com mais de uma edição).

• títulos não-exclusivos Disney, mas com HQs disneyanas (como MISTO QUENTE, DESTAQUE E BRINQUE, RECREIO etc.);

• títulos promocionais (como PRESENTE DE RINSO, ZÉ CARIOCA LIONS CLUBE, REVISTINHA DO TARZAN etc.) e experimentais (como PATO DONALD e ZÉ CARIOCA EDIÇÃO EXTRA formato americano; SÉRIE EXPERIMENTAL FORMATINHO 36 PÁGINAS etc.)

...E excluindo:

• títulos de encadernados de encalhe (como DISNEY ESPECIALÍSSIMO, SHOW DISNEY, O GRANDE LIVRO DISNEY etc.);

• títulos que não apresentaram nenhuma HQ em quaisquer de suas edições (como Manuais Disney, Coleção Grandes Duelos etc. e revistas oficiais de filmes como Viva A Vida É uma Festa, Frozen Febre Congelante, A Família do Futuro etc.);

• títulos sem copyright específico Disney (como ROGER RABBIT, da Touchstone; STAR WARS, da Lucasfilm; POWER RANGERS, da Saban).

(Além dos 423 títulos, o Acervo Planeta Gibi registra outros 71 com HQs Disney, como encadernados de encalhe da Abril e títulos de editoras diversas, sem contar tabloides, jornais e produções com copyright Lucasfilm, Touchstone e Saban.)

Mais de 9 mil edições com HQs:

• A quantidade é estimada pois alguns títulos (como PRINCESAS, ATIVIDADES DISNEY, HIGH SCHOOL MUSICAL etc.) trouxeram quadrinhos apenas esporadicamente.

◼ A SEGUIR...

Planeta Gibi desconhece quem assumirá os títulos de banca. Há rumores quanto à Panini. Mas eles partem, aparentemente, de leitores. E uma outra editora estrangeira teria formalizado há tempos uma proposta para publicar Barks. Só voltaremos ao assunto com dados concretos ou posições oficiais de editoras, abstendo-nos de especulações.

Nosso objetivo primeiro com este artigo é informar, enfim, nossos leitores e clientes que havia tempos ansiavam por respostas, por piores que fossem. Afinal, estamos tratando aqui dos Quadrinhos Disney. Que, além do forte componente afetivo que o liga aos leitores, têm no Brasil uma história imbricada com a história de nossa própria imprensa.

◼ OUTRO LADO

Procurada pelo Planeta Gibi, a Editora Abril se posicionou negando o cancelamento dos títulos Disney e reafirmando que, em relação às edições de luxo, continua em tratativas com seus parceiros comerciais, como já havia informado aos leitores que a abordaram sobre o assunto nas redes sociais da Abril Jovem

Procurada pelo Planeta Gibi, a Panini não se pronunciou a respeito até o momento da publicação. 

Havendo novidades, atualizaremos a notícia.

ATUALIZAÇÃO:

◼ NA TARDE DO DIA 8 DE MAIO, A EDITORA ENVIOU E-MAIL AOS ASSINANTES:

Assunto: Informação importante sobre a sua assinatura.


ABRIL E DISNEY ANUNCIAM MUDANÇA EM SUA PARCERIA

Caro assinante,

Como você está acostumado, sempre agimos com transparência em relação à sua assinatura de revistas e, desta vez, não é diferente.

Após revisão estratégica do Grupo Abril, a partir de junho de 2018, os Quadrinhos Disney, não serão mais publicados por nós.

Esta notícia começou a circular em alguns veículos de comunicação na última semana e, em respeito ao relacionamento que temos com você, optamos por formalizá-la. Nós também estamos chateados com isso e tomando todas as providências para você não sofrer nenhum tipo de prejuízo.

Nas próximas semanas, você receberá uma carta com todos os detalhes e orientações.

Contando com a sua compreensão, agradecemos a confiança e esperamos continuar com sua importante presença entre os assinantes Abril.

Um grande abraço,

Ricardo Perez
Diretor de Assinaturas


 Por Edenilson Rodrigues & Rivaldo Ribeiro.
 Fotos: Edenilson Rodrigues/Planeta Gibi.
 Publicado originalmente em 7/jun/2018.
 Atualizado pela última vez em 8/jun/2018: incluída a reprodução integral do e-mail que o setor de assinaturas da editora enviou a seus clientes, confirmando o fim das publicações.

92 comentários:

  1. Putz, acabou uma era mesmo. Espero que o Maffia e outros consigam um bom emprego.
    Fico órfão apenas de Peninha Vol. 2 e infelizmente da coleção do Mickey do Floyd Gottfredson. Inclusive, duplamente, já que pela Fanta, é impossível comprar a caixa dos Color Sundays (quem quiser vender, manda a oferta :) )

    De qualquer forma, entre todos os poréns, fica o agradecimento à Abril, especialmente por essa última fase de luxo, que me fez ler Disney novamente após anos - Pateta Reporter foi, citando apenas ele, maravilhoso. E obrigado também a vocês do planeta gibi, que espero que saibam logo que editora tocará o bonde para conseguir entrar na folha de pegamentos, já que tem muito o conhecimento (e a manha de escrever sobre) Disney!

    ResponderExcluir
  2. Que tristeza, parabéns ao Planeta Gibi por fazer parte desta história.
    Ficam duas dúvidas:
    Todas as histórias de Fantomius foram publicadas?
    A Panini publica Disney em algum lugar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fantomius: a série não acabou. Depois atualizaremos a lista, ok?

      Disney pela Panini: sim. A Disney Itália, há alguns anos, entregou a impressão e distribuição para a Panini naquele país.

      Abs.

      Edenilson

      Excluir
    2. Há muito tempo, eu já sabia que isso iria acontecer, mas como queria estar errado, uma pena.
      Enfim que não fiquemos sem quadrinhos Disney no Brasil.

      Excluir
    3. Fantomius integral começou agora mesmo a ser publicado em Portugal pela Goody em 5 edições de formato Comic americano.

      http://www.naopercas.com/online/2572/ve-uma-preview-da-nova-e-empolgante-minisserie-fantomius/

      Excluir
  3. Infelizmente uma era acabou e espero que a próxima seja melhor ou no mesmo nível da Editora Abril.
    Vou sentir falta, pois foram anos com publicaçoes que tiveram influência em minha vida como leitor de quadrinhos e que colaboraram para que tivésse a alegria,com grandes aventuras e entretenimento ao longo desses anos.

    ResponderExcluir
  4. Pô, notícia muito triste pra quem tem acompanhado o trabalho fantástico da editora em todas as linhas Disney... Parabéns Edenilson e Rivaldo por fazer parte dessa fase inesquecível dos quadrinhos Disney no Brasil. Será muito bacana se vocês, assim como toda a equipe envolvida na produção (penso no grande Paulo Maffia, que fez um trabalho sensacional não só nas publicações como na interação com o público, com transparência e atenção rara de se ver em outras editoras), puderem continuar trabalhando com quadrinhos Disney em uma nova casa! Independente disso, fica o agradecimento mais uma vez pelo excelente trabalho!

    ResponderExcluir
  5. Essa é uma daquelas notícias que nos deixarão tristes por muito tempo. E estranha, dada a quantidade de coisas recém-lançadas. Foi com os gibis disney da Abril que aprendi a ler, escrever e gostar de cultura. Sei que muitos criticam a maneira como a linha foi tocada, mas os acertos, nos últimos anos, são infinitamente superiores aos erros. Mesmo que outra editora pegue não será a mesma coisa. Caso outra pegue, eu faria questão de Barks e rosa completos, mas Mickey só até determinado volume, não acho que precise os 38. Porém, o que eu queria mesmo que continuasse e acho que a chance é mínima, seriam os trimestrais intermediários. Acho que ali viria muita coisa boa!!!

    Só um detalhe, se a informação desse artigo não partiu de editora, partiu de onde? rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A informação não partiu da editora.

      Abs.

      Edenilson

      Excluir
  6. os quadrinhos DISNEY, e a própria EDITORA ABRIL, fez parte da minha infância na década de 80, e começo dos anos 90, e agora no final desde o ano passado em que colecionava as edições de luxo, é com grande pesar que recebo esta notícia, imaginem uma EDITORA fazer parte de momentos marcantes na minha vida com os quadrinhos que tanto lia e que fez da minha pacata vivência horas de diversão, fico no aguardo que alguma editora pegue logo este legado.

    ResponderExcluir
  7. Só por curiosidade, quais serão o gibi e a revista mais antigos do Brasil após "a morte" do Pato Donald?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A revista talvez seja a Veja (1968), mas quanto aos quadrinhos se for por uma editora é difícil dizer, talvez algum da Marvel/DC a partir da Panini, mas pela numeração deve-se considerar que a Panini andou renumerando toda coleção dela desde o número 1 como ocorreram com a turma da Mônica...

      Excluir
    2. O gibi da Mônica estreou em maio de 1970 e nunca ficou um único mês sem ir às bancas, seja pela Abril, Globo ou Panini. Deverá assumir mesmo o posto de mais longevo ainda em publicação (ignorando mudanças de editora e renumerações, obviamente).

      Excluir
    3. Revista tem a Quatro Rodas que é de 1960, acho que é a mais velha. Quadrinhos... não ignorando mudanças de editoras, com certeza é Tex, não?

      Excluir
    4. Reader's Digest - Brasil é a mais antiga, considerando que estão sempre na ativa desde 1942

      Excluir
    5. Tex extreou em fevereiro de 1971, pela Vecchi.

      Excluir
  8. Nossa, o fim de uma era... mesmo
    Valeu, Planete Gibi, vcs sempre fazendo um trabalho de qualidade e respeito com a gente

    ResponderExcluir
  9. E faltou o último volume do manuais Disney... sinto tristeza pois aos 50 anos, cresci e aprendi a ler graças ao quadrinho Disney e vinha lendo com regularidade, mas não deu...

    ResponderExcluir
  10. Triste!!! Muito triste!!! É quase igual como a perda de um ente querido. A Editora Abril, assim como a EBAL, são partes indissociáveis da minha existência. Personagens Disney então, nem se fala!!! Espero que, com a maior brevidade possível, eu possa ver nas bancas os personagens Disney de volta, tratados com o carinho que os seus milhares de fãs, pelo Brasil, merecem.

    ResponderExcluir
  11. O fim da Disney na Abril me lembra o fim da MTV Brasil em sua primeira edição: após um tempo perdendo a relevância entre o público, se recuperou nos últimos anos e vinha em uma ótima fase. Mas a recuperação veio tarde demais.

    ResponderExcluir
  12. Muito triste,espero que realmente existam estas tais tratativas ditas pela Abril e que possam reverter esta questão, mas por esta informação dada pelos amigos do PG ser muita delicada e causar certa comoção, parece ser inevitável, realmente nos deixa muito tristes. O PG sabe o que acontecerá com o álbum figurinhas Ducktales, terá sua venda normal ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Abril informou que o lançamento oficial do álbum foi ontem. O reflexo da greve dos caminhoneiros pode estar atrasando a distribuição em algumas praças.

      Abs.

      Edenilson

      Excluir
  13. Olha, fazia um tempinho que eu não acompanhava os gibis Disney, mas é fato que a notícia me abalou. A Abril fez um excelente trabalho, sobretudo nos últimos 10 anos. Lembro até hoje da empolgação com o lançamento de Aventuras Disney, que marcou uma renovação dos quadrinhos Disney na editora. Fico triste em saber do fim e na torcida para que ocorra o melhor com a equipe da Abril Jovem e especialmente com os gibis Disney no Brasil.

    ResponderExcluir
  14. Melhor notícia que eu li hoje! Finalmente temos chances de o conteúdo Disney ser publicado por uma editora que saiba ouvir e interagir com os leitores. Tomara que a próxima editora saiba usar as redes sociais a seu favor (e não para dar respostas ríspidas aos seus leitores) e que, principalmente, saiba vender os seus produtos, através de uma divulgação eficaz de seus produtos em diversas plataformas, e não apenas em blogs de quadrinhos.

    ResponderExcluir
  15. SIM! Que uma nova fase em uma nova casa tire toda a ferrugem, teias de aranha e poeira da linha Disney!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem disse que vai haver uma nova casa? Quadrinhos no mundo inteiro vendem cada vez menos, inclusive os Disney. Viu a notícia aqui no Planeta Gibi mesmo de que a Egmont parou de produzir material Disney?
      Aliás, as publicações de bancaem geral vendem cada vez menos... Essa semana fui almoçar num restaurante badalado novo de Brasília, que está tendo muito movimento e com pessoas de poder aquisito, e que tem uma banca do lado. Saido do restaurante, entrei na banca e o dono comentou comigo que, nos vários meses em que o restaurante existia, só 2 pessoas tinham entrado na banca dele antes de mim!
      Será que alguma outr

      Excluir
  16. Só peço uma coisa: que a editora que pegue Pato Donald e Zé Carioca mantenham a numeração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe perguntar, amigo, mas que relevância tem a numeração?

      Excluir
    2. A Editora Abril não foi a primeira a publicar Disney no Brasil. Espero que não seja a última, e que quem assumir as publicações faça mais jus ao legado.

      Excluir
    3. Seria bem interessante manter a numeração, se o interessado, por ventura, querer manter a 'aura' da continuidade e do histórico das revistas. Afinal se funciona nos EUA, a ponto do Action Comics número 1000, de 80 anos do Superman, ter 80 páginas e ter a estimativa de mais de ter tido 400 mil cópias vendidas em abril... (Bom, e se o publico também comprar a ideia. Se não, da mesma forma que tem gente que não se importa com numeração, nem todo mundo dá trela para reiniciar do zero, só quer saber de comprar "a edição desse mês")

      Excluir
    4. A numeração mantida tem grande importância para o colecionador e admirador, seja por estética, status ou referência de busca (o que facilita muito a tarefa da busca).

      O"

      Excluir
  17. Lamento pela edição do Peninha ter ficado com o volume 1 definido na capa. Desnecessário!!!
    Mas ansioso por saber como será o trabalho numa nova editora!!!
    Espero que deem continuidade às coleções de luxo e ao Melhor da Disney Brasil!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se iam ser 2 volumes, não vejo problema nisso.

      O"

      Excluir
  18. Muito triste. Mas as coisas tem mudado radicalmente em todo mundo. Muitas empresas não tem sobrevivido aos novos tempos. Sinceramente não sei se isso é bom ou ruim. Pode ser que uma nova editora melhore as coisas. Cabe sim, agradecer a ABRIL por tantos anos de alegria. Ficará sempre em meu coração.

    ResponderExcluir
  19. Conhecendo a seriedade com que o Planeta Gibi sempre apresentou, seja pelas variadas e profundas matérias aqui disponibilizadas, seja pelas colaborações com a Abril que tanto enriqueceu o acervo dos amantes dos quadrinhos, é de se lamentar.
    Assim como a EBAL tem a minha saudade, parece que a ela a ABRIL irá se somar.
    E como o João Carlos comentou acima, nem todas as empresas e ramos de negócios conseguem se adaptar a este novos, velozes e ferozes tempos.
    Sinceramente, lamento, primeiro pelas HQs que já fazem falta. Segundo e em especial pelas pessoas que ficarão sem trabalho, e toda uma cadeia que destas edições dependem.
    Agradeço ao Planeta Gibi pela informação.

    ResponderExcluir
  20. Genial. Lançam o Peninha Volume 1 de 2 e... fica por isso mesmo. Pataquada histórica da Abril, que pisa em cima do maior legado que tinha e que nunca levou a séria, com poucas exceções, como o trabalho excelente do Paulo Maffia. Distribuição sempre foi péssima. Quando parecia que tava engrenando, param com tudo, sem dar satisfação. Vão vender Caras, deve ser mais interessante mesmo, afinal, o fascínio pela futilidade ainda vende muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a Caras não é mais da Abril há um bom tempo.

      Excluir
    2. Nunca foi inteiramente da Abril. A Abril era sócia da editora argentina que é a dona da Caras.

      Excluir
    3. Tem algum rolo entre as duas editoras, acho que são da mesma família. Veja que a Placar, por exemplo, estava saindo pela Caras e agora, em época de Copa, voltou para a Abril.

      Excluir
    4. A Placar tá saindo pela Abril? Boa notícia! Abraços a todos.

      Excluir
    5. Na verdade, a revista Placar voltou a ser publicada pela Abril no final de 2016.

      Excluir
    6. É proibido postar links aqui, mas procurem no google. Uns 4 anos atrás, a Editora Abril vendeu para a Editora Caras, controlada pelo argentino Jorge Fontevecchia, uma série de revistas. Agora em 2018, a Editora Caras vendeu de volta para a Abril algumas das que tinha comprado antes, ficando com algumas (Contigo, por exemplo, ficou com ela).

      Excluir
  21. Só uma palavra ao ler essa notícia: tristeza.

    Fiquei órfão de uma coleção que esperei 15 anos para ter: Biblioteca do Don Rosa.

    Quando a Abril lançou, em 2003, a Saga do Tio Patinhas (em dois encadernados formatinho), foi o meu primeiro contato com algo de Don Rosa e... foi paixão à primeira vista!

    Até então não me interessava por Disney, mas passei a acompanhar Tio Patinhas a partir daí. Comprava todas as mensais do Tio Patinhas, depois saiu o Aventuras Disney que peguei também. Depois os Disney Temáticos, os Disney de Luxo. Então minha esperança começou a surgir... pensava: "agora o Don Rosa sai!". E... saiu! Mas como alegria de pobre dura pouco... Ficou pela metade...

    Espero um dia ter as obras completas do Don Rosa. Por sorte, consegui comprar as obras completas de Carl Barks quando a Abril lançou entre 2004-2008, pois se fosse depender dessa que estavam lançando, iria ficar pela metade também (ou melhor, menos da metade).

    Quero acrescentar ainda meu repúdio a falta de consideração para o cliente com o lançamento do Peninha vol. 1. Se sabiam que iria fechar as portas por que não lançaram sem o "volume 1 de 2" na capa? Devia ter saído como um Disney de Luxo e pronto, sem isso de "volume 1". Algo como "grandes histórias do peninha", ou outra coisa parecida ficaria bem mais legal.,

    Enfim... nos resta torcer para que a próxima editora que assumir a Disney possa um dia republicar essas coleções tão lindas, das quais ficamos órfãos. Uma coisa tenho certeza: O Brasil não pode ficar sem quadrinhos Disney!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque a redação certamente não sabia. Você acha que o Sérgio Figueiredo e o Paulo Maffia foram consultados ou avisados antecipadamente pelo alto escalão da Abril sobre a decisão?

      Excluir
  22. eu acho que a culpa foi da guerra politica que a editora abril travou contra determinadas correntes políticas que exauriu seus recursos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É parte do motivo, (quando se pensa no dinheiro que se gasta com processos judiciais - e a editora perdeu dois processos, recentemente), mas temos que considerar também que as dívidas com coisas que não deram certo e/ou terminaram na Abril - TVA, Listel, Abril Music, MTV Brasil, Abril Educação... - só fizeram aumentar os problemas da empresa. E pra fechar "com chave de lodo", os problemas com ações trabalhistas recentes (pois estavam rescindido contratos de pessoas com mais tempo de empresa. É, a tentativa do barato que saiu caro)

      Excluir
    2. A Abril perdeu o bonde da internet. Chegou a ter uma parceria com o UOL, através do BOL, mas desistiu não sei por qual motivo. Nos dias atuais é impossível se manter só com produtos editoriais.

      Excluir
  23. Fiquei realmente chateado e triste com essa noticia, pois sou leitor dos quadrinhos Disney desde criança, antes de aprender a ler minha mãe ja lia pra mim os gibis Disney e eu alem de ter muitos volumes antigos ainda estava comprando todos os fantásticos capa dura que a Editora Abril lançou nos últimos 3 anos ! O Pato Donald era simplesmente a mais antiga revista em circulação ininterrupta no Brasil, desde 1950 ! Espero que outra Editora continue o grande legado dos quadrinhos Disney !

    ResponderExcluir
  24. Parece que o Diretor de Assinaturas da Abril confirmou o fim da linha Disney pela Abril.

    ResponderExcluir
  25. Eu também aprendi a ler com os gibis da Disney, mais especificamente, com os clássicos do Barks publicados nos primeiros Tio Patinhas. É nítido que um grupo, dentro da Abril, lutou até o fim, criando novas coleções, propondo mudanças de rumo, mas, por fim, a precária situação da editora falou mais alto. É triste, mas será ainda pior se nenhuma editora se propuser a levar o trabalho adiante. Todos nós, verdadeiros fãs dos quadrinhos Disney, ficaríamos definitivamente órfãos. Vamos torcer para que isso não aconteça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica a sugestão, comprar as edições Lusitanas. As americanas da Idw tenho todas. E vamos sorrindo...afinal, somos todos brasileiros...
      Abraços a todos.

      Excluir
    2. Já pensou se acontece o caminho inverso do que sempre aconteceu? As revistas saindo primeiro em Portugal e nós aqui comprando os encalhes de lá.

      Excluir
    3. Mas pelo que sei Portugal também está sem edições Disney, não? A Editora Goody suspendeu no final de 2017 a publicação das revistas que tinha (Pato Donald, Tio Patinhas e Mickey) que recentemente tinham substituido a Disney Comix. O mercado está difícil lá também.

      Excluir
    4. Pelo que li por aqui mesmo, a Disney Comix será retomada.

      O"

      Excluir
  26. A Abril podia acabar com a Veja ao invés de acabar com os gibis Disney...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas aí, como acabar com a revista da Abril que é a que recebe mais verba publicitária? É a "dependência" da qual a empresa não vive sem!

      Excluir
  27. em novembro assinei por 2 anos os quadrinhos disney e até agora só tive problemas para receber minhas revistas a abril é uma péssima empresa já estou a dois meses sem receber meus gibis nem o acordo feito pelo procon eles respeitam, esse email que enviaram para os assinantes também é mentira pois sou assinante e não recebi nada, o jeito é ir para a justiça atrás de meus direitos

    ResponderExcluir
  28. Não acho que a Panini irá assumir os quadrinhos Disney no Brasil porque não há nenhum rumor na internet a respeito. De qualquer forma, quadrinhos Disney vendem cada vez menos, no mundo inteiro. A Panini já tem a Turma da Monica, que realmente faz sucesso com a criançada.

    Enfim, foram 68 anos de muita diversão, com certeza sentiremos falta de ver Pato Donald e Tio Patinhas nas bancas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De qualquer forma caro Fabiano está muito cedo para termos alguma notícia positiva quanto a publicação por outra editora. Por agora ainda tem revistas Abril/Disney nas bancas. Não acredito tambem em Disney na Panini brasil. Já tem inumeros problemas em colocar as Marvel/Dc em dia nas bancas.
      Vamos aguardar.
      Abraços a todos.

      Excluir
    2. Torço muito para que isso não aconteça. Gosto muito dos quadrinhos Disney. Seria uma pena nunca mais poder comprá-los... =/

      Excluir
    3. Quadrinhos Disney são uma fatia do mercado, menor que seja. Não acredito que ninguém vá se interessar em pegar essa fonte de renda... até porque seus leitores são quem pagam os próprios gibis que compram. Excelente oportunidade da Panini Brasil, que assumiu as publicações Marvel e DC que eram da Abril.
      Muita gente reclama de como as publicações são lançadas, mas sem sombra de dúvida o trabalho deles foi 300% melhor que o da Abril, que por sua vez foi melhor do que suas antecessoras.
      Panini pra mim significa melhoras significativas nos lançamentos. Espero muito que inclusive respeitem a numeração clássica, como a Mythos fez com Tex; isso caso assumam o legado.

      O"

      Excluir
  29. Caso realmente aconteça isso, vale buscar os de Portugal. Os americanos da Idw tenho todos, porem estão já diminuindo os títulos...daqui a pouco acho que até podem parar por lá. Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  30. Qual a data que vai lançar a ultima edição do pato donald? tem algum lugar para acompanhar?

    ResponderExcluir
  31. primeiro minha mãe li para mim. Depois fui aprendendo a ler com afinco e muito desejo para ler as revistinhas da abril. Lembro do Manual do Escoteiro Mirim do primeiro almanaque disney.. do lançamento de Os Bandidos e por aí vai. Só de pois quando adolescentes passei a ler Marvel e a D.C. A Disney faz parte da minha história pessoal.

    ResponderExcluir
  32. As informações estão se contradizendo. Vai ter as mensais em julho ou acabou agora em junho? O Planeta Gibi diz julho, mas a carta dos assinantes diz que acabou em junho.

    E agora?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Planeta Gibi mantém todas as informações que publicou, desde o início.

      As capas que estão exibidas acima, desde o dia 7 de junho, em primeira mão, são das edições que nós, colecionadores, consideramos serem as de julho (os gibis, há tempos, não trazem impressos seus meses de referência). Tais edições, no entanto, devem ter distribuição no fim deste mês (levando-se em consideração o e-mail do diretor de assinaturas da Abril). Isso ocorrendo, em junho de 2018 haverá, portanto, a excepcional distribuição de duas edições de cada título mensal.

      Abs.

      Edenilson.

      Excluir
  33. Existe a possibilidade de mandarem essas edições de julho para apara?
    No caso de não haver tempo para comercialização até o fim do contrato?

    No fim da Turma da Mônica na Editora Globo, também comercializaram duas edições de cada título no último mês. Era praxe lançar treze edições por ano, mas acho que no último ano lançaram 14.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, em 2006, no fim do contrato da MSP com a Globo, MN 245 e 246, pelo menos em São Paulo, chegaram juntas às bancas (naquele ano, por acaso, foram lançadas 12 edições de cada mensal tradicional). Quanto à possibilidade que vc pergunta: acho que não, né? Abs. Edenilson

      Excluir
    2. Não seria a primeira vez que quadrinhos seriam destruídos por questões contratuais. Lembra das edições coloridas de Bone da Devir qwe já estavam impressas?

      Excluir
    3. E se é que o cancelamento é por causa de vencimento do contrato com a Disney. O cancelamento pode ter sido motivado simplesmente por baixas vendas combinadas com a necessidade de liberar espaço, já que a Editora Abril recentemente mudou de prédio, de um muito maior para outro muito menor. Talvez estivesse faltando espaço e a cúpula (Giancarlo Civita, Victor Civita Neto e cia) tenha achado que, se precisavam sacrificar uma redação, era a de quadrinhos, que estava dando pouco lucro ou mesmo prejuízo.

      Excluir
  34. Acho que o mais triste de tudo isso é perdermos o acesso às histórias produzidas no Brasil, que imagino serem de propriedade da Editora Abril. Mesmo que uma nova editora assuma os quadrinhos Disney por aqui, com certeza vão focar nas histórias produzidas em solo estrangeiro. Vai ser parecido com o que aconteceu quando Luluzinha e Bolinha começaram a ser republicados pela Pixel. Só vimos as clássicas histórias americanas, mas nenhuma daquelas produzidas pela Abril.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Pixel só tinha acesso aos arquivos que a Dark Horse havia recuperado. Quando o contrato da Abril com a Western Publishing venceu e a Abril decidiu que não publicaria mais Lulu e Bolinha, a Western determinou que os arquivos das HQs produzidas nos Estúdios Abril fossem destruídos. Nada menos que isso. Chocante, não?

      Edenilson

      Excluir
    2. Ahhhh esses americanos.....
      Abraços a todos

      Excluir
    3. Se a eventual nova editora que assumir a Disney no Brasil só publicar os clássicos americanos já será uma maravilha! O que, na minha modesta opinião de quem lê HQs há 40 anos, afundou os títulos Disney da Abril foi a publicação excessiva de quadrinhos italianos, cada um pior que o outro! Só para citar um exemplo, para quem curtiu Almanaque Disney e os demais títulos na virada dos anos 70 para os 80, dá um misto de pena e aflição ver os traços da Nova História e Glória da Dinastia Pato...

      Excluir
  35. Espero que quem pegar a licença consiga acesso às histórias produzidas no Brasil, que são de especial interesse dos leitores e colecionadores!!! Se for só história italiana, dispenso continuar comprando!!!

    ResponderExcluir
  36. Mas é o que vai restar.agora que parece que as dinamarquesas pararam....Tambem não gosto das italianas. Longas demais e no meu entender, mal desenhadas. Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  37. Eu odeio as história italianas. Terríveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se criarmos um grupo na Internet com certeza serão milhares que tem o mesmo pensamento que nós. "EU ODEIO OS QUADRINHOS ITALIANOS DA DISNEY!" Abraços a todos.

      Excluir
    2. E milhares que gostam, como eu.

      Abraços.

      O"

      Excluir
  38. Quadrinhos Disney italianos são um horror. Ruins, mal desenhados, personagens desfigurados. Incrível a ruindade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que você considera bem desenhado?
      Pode ser simplesmente uma questão de estilo. Os brasileiros, os estadunidenses eram diferentes dos italianos e dinamarqueses. Estilo, não má qualidade.

      O"

      Excluir
  39. Com raríssimas exceções, eu tb não gosto dos quadrinhos Disney italianos. Na verdade, sou "fundamentalista"; gosto mesmo de Gottfredson, Barks, Taliaferro, Murry e Moores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou da mesma linha. Não gosto da imensa maioria dos quadrinhos Disney italianos, mas têm uns poucos que eu gosto. Por exemplo, as primeiras histórias do Super Pato ou a História e Glória da Dinastia Pato.

      Além dos clássicos, sempre gostei da maioria da produção dinamarquesa. Vicar e Daniel Branca eram sensacionais.

      Excluir
  40. Ironicamente, o Lendas Disney Gastão não teve a sorte de ser lançado antes do fim...

    O"

    ResponderExcluir
  41. A redação do e-mail enviado para os assinantes deve ter partido de algum analfabeto que acha que vírgulas são como confete, joga-se para cima e deixe on de caiu. Fico impressionado que uma empresa como a Abril, que tem braços em todo segmento de mídia, tenha profissionais na redação que sequer conheçam a própria língua. Isso explica muita coisa. Bye, bye Abril.

    ResponderExcluir
  42. Estou estarrecido como uma Editira como a abril inyerrompe varias coleções pela
    Metade, sem dar a menor explicação aos consumidores...
    É inaceitável isso! Eu estava fazendo 3 coleções especiais de luxo em capa dura: Mickey Mouse, Carl Barks e Don Rosa. As coleções foram oferecidas ao público com o argumento de serem COMPLETAS!
    Espero que a Abril resolva isso em breve, pois pode ser processsda por “propaganda enganosa. Assim como eu, varios outros leitores devem estar na mesma situação e vale a pena nos unirmoa


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente com o Sr. Jorge Caetano. Infelizmente no Brasil tudo acontece quando se trata de assuntos relacionados ao consumidor. Triste mesmo essa situação!

      Excluir
  43. Alguma novidade sobre quem vai ficar com a Disney?? Achei que teriamoz novidades logo..mas estão segurando as noticias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já pensou que simplesmente pode não haver novidades?

      Excluir

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem a opinião do Planeta Gibi.

O comentário NÃO SERÁ publicado quando incluir:

• Quaisquer ofensas, agressões ou termos pejorativos;
• Quaisquer links ou e-mails;
• Qualquer menção a outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
Assunto alheio ao tema da postagem em questão.