' '

9 de mai de 2018

Suspensão de títulos Disney

A suspensão de títulos Disney que estavam em pré-venda em outras livrarias (LENDAS DISNEY #2 GASTÃO, BIBLIOTECA DON ROSA #6 e KINGDOM HEARTS COLEÇÃO DEFINITIVA #2), a não divulgação de novos volumes de outras coleções (COLEÇÃO CARL BARKS DEFINITIVA, OS ANOS DE OURO DE MICKEY, DISNEY SAGA e O MELHOR DA DISNEY — BRASIL) e a interrupção de vendas de assinaturas têm sido abordadas, há dias, nos comentários do Planeta Gibi, sobretudo no Checklist Disney, e na página de Facebook da Abril Jovem.

O assunto ganhou destaque ontem na página de entrada do portal UOL e do Universo HQ, provocando novos questionamentos de leitores à editora e até ao Planeta Gibi — temos recebido muitos e-mails perguntando-nos sobre isso.

Em sua página do Facebook, a Abril Jovem, basicamente, responde aos leitores dessa forma: as coleções estão suspensas, os formatinhos de banca continuam e em breve serão dadas mais informações.

O Planeta Gibi não têm informações além dessas. Como nosso leitor sabe, colaboramos com a produção de alguns títulos Disney (exceto Don Rosa, Barks, Anos de Ouro e Kingdom Hearts, no caso). Trabalhamos sob contrato individual para cada obra encomendada (PENINHA LUXO #1 e LENDAS DISNEY #2 GASTÃO foram as mais recentes), traduzimos histórias para as publicações de banca (há poucos dias foram finalizados os textos das HQs que estarão nos gibis de junho e julho, por exemplo), e fornecemos material de nosso acervo, quando solicitado, para algumas produções (Manuais Disney, ZÉ CARIOCA, publicações diversas).

Tais colaborações, também como sabe boa parte de nossos leitores e clientes, começaram em decorrência de nosso enorme apreço pelos quadrinhos Disney (e não só), que vem de décadas, literalmente, e dos consequentes acervos pessoais de revistas nacionais e estrangeiras acumulados em todos esses anos, que muito possibilitam esse trabalho.

Aguardamos, pois, como todos os muitos leitores e entusiastas das HQs, o desenlace dessa situação atual, esperando que ele seja o melhor possível. E que, naturalmente, será então divulgado aqui.

Edenilson Rodrigues.
Equipe Planeta Gibi.

★ Publicado originalmente em 9/mai/2018.
★ Atualizado pela última vez em 9/mai/2018.

72 comentários:

  1. Nada como o bom e velho planejamento comercial/editorial do mercadinho de quadrinhos da República de Banânia...
    Enfim, menos mal que as três coleções (Carl Barks, Don Rosa e Anos de Ouro do Mickey) não tem numeração na lombada, nem histórias com continuação e tal.
    No mais, grato pelas informações, equipe do Planeta Gibi.
    E vâmo que vâmo, pessoal!

    ResponderExcluir
  2. Caso o pior se confirme, ficarei órfão de Anos de Ouro do Mickey.
    Barks e Rosa pela tradução e tb por já possuir "As Obras Completas de Carl Barks" estou fazendo nos boxes da Fantagraphics. Obra do Mickey caminhava muito bem junto dos volumes P&B importados.

    Álias, falando em tradução, espero que quem pegue as publicações Disney, melhore muito especificamente nessa área. Patinhas "Mac Patinhas" e cia Ltda (P.A. Tinhas, Nicolau Patusco, CHICO MAC, TOMAS RECO!), pelo amor de deus, já deu! Além de todo personagem que aparece é Patoso, Patildo, Patonildo, Pataquoso, Patazilda... pelo amor. A "Saga do Tio Patinhas" é pavorosa comparada com a original, incluindo, mas não se limitando a isso, o nome escolhido para a história.

    ResponderExcluir
  3. Muito triste. Espero que isso seja revertido e as publicações voltem à sua normalidade.

    ResponderExcluir
  4. É triste isso, mas não é uma surpresa. Os valores são altíssimos e não existe um intervalo para ajudar o consumidor a se preparar/recuperar financeiramente. As edições do Don Rosa, por exemplo, são lindíssimas, mas o preço é absurdo. Não consegui comprar nenhuma.

    A Abril é uma editora experiente, mas na minha cabeça uma conta não fecha. Como q vc coloca no mercado um caminhão de coisas, com uma concorrência acirrada, com preços altos e especialmente com um conteúdo q é voltado p um público específico, e espera q isso venda loucamente?

    Posso estar enganado, mas o público q consome esses encadernados Don Rosa/Carl Barks/manuais/especiais é um público q conhece quadrinhos e os consome regularmente. E esse mesmo público é o q consome Marvel/DC. Isso fica totalmente evidente nas fotos em Face/Instagram de aquisições do mês.

    Se vc é um consumidor assíduo e tem um valor X pra gastar, e vc tiver de escolher entre Don Rosa e Desafio Infinito, o q vc escolhe? Entre Hulk Contra o Mundo (q será lançado esse ano) e Carl Barks?

    Eu sei q tem gente q prefere Disney, por favor, é só um raciocínio. Quero dizer q muita gente compra pela emoção, pelo momento. São poucos os q não se deixam levar pela emoção e conseguem direcionar o dinheiro p uma coleção tipo Disney e deixam os "encadernados do momento" de fora. O medo de que a edição esgote põe o leitor à prova.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entre disney e marvel? Disney!!!!

      Excluir
    2. Marvel ou Disney? Disney!

      Excluir
    3. Marvel ou Disney? Diney!!

      Excluir
    4. Hahahahaha, sabia q viria esse tipo de resposta :D É meus amigos, Disney ta encrustado em mim desde minha infância e tbem olho com mto carinho p essas coleções. Mas tentei abordar de uma forma mais abrangente, p pensarmos num ponto de vista de consumidor de quadrinhos, não de fã da Disney apenas.

      Excluir
    5. Legal, os preços dos capas duras Disney são altos, concordo, mas Desafio Infinito tem 370 pgs. e custa R$ 113. Um capa dura Disney especial de luxo tem 400 pgs. e custa R$ 70. Reclamam q tem muitos títulos Disney simultaneamente? OK, mas Marvel e DC sai uma enxurrada e ainda reclamam q querem mais, incluindo reimpressões. São dois mercados diferentes, e mesmo a preço absurdo, após muitas ameaças frívolas de boicote, nas primeiras promoções, Desafio Infinito esgotou ou ficou entre os mais vendidos. Eu não comprei e nem vou comprar, pq se as pessoas levassem o tal "boicote" a sério, eu queria ver se não encalhava e passaria a ser vendido por 1/3 do preço como aconteceu com os capas duras Disney. Eu leio os dois, mas entre Marvel e Disney eu prefiro Disney. E por favor, é só um raciocínio!

      Excluir
    6. Prefiro Disney, mas não sou referência, super-heróis me interessam muito pouco, da Marvel ainda menos.

      Quanto a Don Rosa, comprei até a 3 (já tinha o encadernado da Saga e não compro repetido) e não paguei mais que 50,00 em cada. Na verdade, agora mesmo você encontra cada um dos 5 abaixo desse valor. O primeiro volume está a 31,90 em loja online.

      Excluir
    7. Marvel e DC tem apelo mair.

      Excluir
    8. Marvel ou Disney? DISNEY!

      Excluir
  5. Lamentável. Se é para não terminar, que nem comece. Agachou, tem que sentar.

    ResponderExcluir
  6. Não há motivo para tristeza ou desespero...
    Observem bem que a Abril falou em SUSPENSÃO,não em cancelamento.Devemos supor que estas coleções retornarão,porém,com nova periodicidade,de modo que os colecionadores possam comprar os títulos sem tropeços;Neste meio tempo,tudo o que já foi publicado será,com toda a certeza,relançado com preços reduzidos. Já no caso das assinaturas,se o que alguns rumores espalhados pela internet forem verdadeiros(e,neste caso,acredito que sejam),haverá uma pequenina REORGANIZAÇÃO: aos títulos já existentes no sistema de assinaturas,serão adicionados três títulos novos,que surgiram nos últimos meses,a saber: Almanaque Disney,Duck Tales - Os Caçadores De Aventuras e... DISNEY ESPECIAL,que passa a ser publicação mensal.
    É esperar para ver...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ducktales já entrou na assinatura, no lugar do gibi da Minnie, há 3 meses.

      Excluir
    2. Com os Disney Mega e Jumbo tbm foi falado que seria suspenso temporariamente e até hoje não voltou mais, somente muito tempo depois que a editora assumiu o cancelamento definitivo

      Excluir
  7. Só pode ser zoeira, os caras querem comparar Don Rosa e o glorioso Barks com... Marvel???? Não sei como aguentam Marvel, já deu, saturou, encheu o saco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Juliano! Caso esteja se referindo ao meu comentário, espero q tenha entendido q falei do consumidor em geral, de uma nova geração q está chegando para consumir esses materiais. Eu e vc sabemos o q é a moedinha número 1, mas um leitor de 12, 15, 20 anos sabe? O q é mais fácil, a nova geração saber os nomes dos sobrinhos do Donald ou o nome das jóias do infinito?

      Excluir
    2. Nem sei o que são as jóias do infinito (e nem sei se quero saber, para falar a verdade). Mas reitero. Marvel está saturado. Pode vender e tudo o mais, mas não deixa de ser ruim por conta disso. Enfim, poderiam pelo menos lançar as coleções em períodos mais alongados.

      Excluir
  8. Eu comprei todas as edições até agora. Em isso se confirmando, colocarei um processo contra a editora abril...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não que eu esteja defendendo a Abril, longe disso, mas baseado em qual direito do consumidor ou lei? Pergunta sincera. Ninguém assinou contrato com a Abril garantindo publicação até o final dessas séries, por isso, não creio que eles tem obrigação legal de continuá-las.

      Se tem alguém especializado em direitos do consumidor, por favor, opine.

      Excluir
    2. Ao comprar um volume de uma coleção, o colecionador não está adquirindo um único produto. Está adquirindo uma parte de um todo. A Editora Abril, ao anunciar que lançará uma coleção, e não fazê-lo, viola uma série de princípios do consumidor, entre eles, a boa-fé das relações de consumo, a publicidade justa, causa danos patrimoniais e morais... e isso sem sair dos direitos básicos.

      Excluir
    3. É uma violação e uma má-fé gigante por parte de uma empresa começar a lançar uma coleção e não terminá-la, violando uma série de direitos básicos das relações de consumo e que enseja sim, reparação material e moral. Se essa editora cancelar as publicações, não só processarei como advogarei para qualquer colecionador que me procurar.

      Excluir
    4. Não precisa ter contrato, existe vários anúncios inclusive nas próprias revistas falando que seria em tantos volumes, inclusive na do Don Rosa foi feito até a assinatura para os 10 volumes.
      Eu tenho certeza que qualquer advogado consegue arrumar alguma maneira de ajuizar uma ação quanto a isso.

      Excluir
    5. A oferta faz parte do contrato, se clara e precisa.
      Artigo 30 do Código de Defesa do Consumidor: "Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado".
      Portanto, se foi veiculado, pela imprensa, internet ou qualquer outra forma de publicidade, que a coleção X teve início, com número Y de edições, sendo a informação precisa o bastante, a interrupção da publicação configura quebra da boa-fé objetiva e descumprimento contratual. Não cumprido pela editora, resolve-se em perdas e danos em favor do consumidor lesado.
      Antes que alguém pergunte, sim, sou formado em Direito. O que expus acima é apenas minha opinião pessoal sobre a solução jurídica da questão.

      Excluir
    6. Quando alguém ganhar alguma coisa, por favor, me avise!

      Excluir
  9. Dyel, se as coisas fossem assim tão belas, a Abril jia teria se pronunciado...

    ResponderExcluir
  10. É realmente uma pena. Questão do preço à parte, assim como questão da diminuição de vendas (já que a nova geração não se interessa, aparentemente, tanto por quadrinhos como a geração "anterior"), eu coleciono os Anos de Ouro do Mickey e a Biblioteca Don Rosa, artista que muito admiro, pela complexidade do traço e pela profundidade absurda das tramas. E ficar "órfão" dessas coleções vai doer muito na alma!
    Salvo engano, não há no mundo editora que publique Disney há tanto tempo, ininterruptamente, como aqui no Brasil a Abril fez. Espero que a Abril não jogue fora sua história no nosso país e tenha a sensibilidade de permitir que nós, colecionadores, possamos, com dignidade, terminar nossas coleções já iniciadas, evitando que fiquem pela metade - ainda que seja necessário dar maior espaço temporal entre uma edição e outra.

    ResponderExcluir
  11. Paciência. Pelo menos, em relação ao Barks, consegui completar a histórica coleção "O Melhor da Disney". Compraria a nova até o fim, sem dúvidas. De qualquer forma, prefiro os textos do Marcelo Alencar. Já no que toca ao Don Rosa, a saída é importar, quando possível, os volumes faltantes, em inglês. Novamente, uma lástima.

    ResponderExcluir
  12. Não entendo!
    E os 3 novos títulos trimestrais. Como não tiveram venda se você quase não os vê em bancas ou livrarias?
    Isso é muito estranho!!!

    ResponderExcluir
  13. Até a coleção de histórias antigas vai pro vinagre? Nem é capa dura, nem nada...

    ResponderExcluir
  14. Obrigado pela transparência.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  15. "O Melhor da Disney - Brasil" parece ter vendido muito bem. Acho que o cancelamento de todas as coleções passa por algo mais sério do que vendas reduzidas.

    ResponderExcluir
  16. A Abril infelizmente anda mal há tempos... Quem acompanha notícias econômicas sabe disso. O balanço dacempresa relata prejuízo de US$ 331 milhões e incerteza sobre a continuidade operacional.

    ResponderExcluir
  17. Em meus quase 40 anos comprando quadrinhos Disney, nunca vi tantos lançamentos e com qualidade como agora. Na minha opinião exageraram na quantidade e periodicidade desses lançamentos. Mas, se começaram, não podem simplismente suspenderem pela metade. Não quero ter coleções pela metade e o código de defesa do consumidor nos ampara. A Editora Abril corre o risco de levar dezenas de processos. Não sei de fato o que ocorreu mas, se jogarem a responsabilidade na crise do Brasil, isso não será admitido como desculpa.

    ResponderExcluir
  18. Efetivamente as notícias são de que a Editora Abril está à beira da falência à um bom tempo, inclusive com patrimônio líquido negativo. Revistas em geral, não só da Abril, nem só da Disney, tem vendido cada vez menos. Algumas já se foram (como a Playboy, que era um enorme sucesso antigamente) e as que tem restado estão cada vez mais magrinhas, cada vez mais sem publicidade e cada vez vendendo menos...
    Eu tinha esperança de que essas edições luxuosas estivessem vendendo pouco, mas dando lucro, por serem razoavelmente caras... Parece que não. Ou talvez até estejam dando lucro, mas um lucro tão pequeno que a nova geração de dirigentes da editora, que assumiu quando Roberto Civita morreu e não tem ligação afetiva com as revistas em quadrinhos, tenha achado que é um negócio muito pequeno para justificar continuar investindo nele.
    Infelizmente é bem possível que, em breve, não tenhamos mais qualquer revista em quadrinhos sendo publicada pela Editora Abril.

    ResponderExcluir
  19. Espero que repensem esta atitude, mas há tempos esta editora está em decadência!
    Já passou da hora de entregarem a licença Disney para outra editora, que seja responsável, competente e faça uma distribuição decente!!!
    Só espero que tenham a dignidade de encontrar meios para prosseguir com as coleções, nem que seja com tiragem garantida a partir de assinaturas para quem vinha comprando!!!
    São coleções caras e é inadmissível a sua descontinuidade!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só que nos dias de hoje creio que não tenha nenhuma outra editora operando no brasil com condições de publicar a Disney.
      A Panini ja está sobrecarregada e mal dá conta dos lançamentos, sendo constantes os longos atrasos das publicações.
      Ideal seria a Abril continuar com a Disney como sempre foi, talvez apenas se adequando a cruel realidade de nossa economia atual.
      Diminuindo a quantidade de lançamentos simultâneos dos capas duras, para ver se conseguem fazer caber nos bolsos dos combalidos consumidores brasileiros.
      Nos EUA os quadrinhos Disney ja passaram por inúmeras editoras.
      Abraços a todos.

      Excluir
  20. É muito triste tudo isso, principalmente se tratando de coleções que são pedidas já a bastante tempo, e que sempre aparecem nos mais vendidos a amazon, pelo menos. Só coleciono Barks e Don Rosa, além dos capa dura normais, e, apesar de não ter condições de comprar pelo preço de capa, sempre busquei as promoções e com isso consegui comprar todos que saíram até agora. De fato, foram muitos lançamentos pra pouco tempo, deveriam ter feito um planejamento melhor e com lançamentos mais espaçados, mas eu espero sinceramente que eles não cancelem em definitivo essas coleções, e sim lancem elas com um maior espaço de tempo entre as edições.

    ResponderExcluir
  21. Já estou até vendo... Esses especiais já se foram, infelizmente. A verdade é que houve uma enxurrada deles, a preços altos para um público muito específico em que a grande maioria não pode se dar ao luxo de adquirir a todo momento tanta coisa assim. Muitos de nós somos adultos que guardam essa paixão de infância pelos quadrinhos, mas temos nossas responsabilidades como maridos, pais, avôs, temos contas a pagar, empregos, estudos. Se por um lado isso nos dá hoje o poder aquisitivo e a liberdade de ter esses quadrinhos que não tínhamos quando crianças ou que custávamos para ter, por outro lado não dá pra desviar todo nosso ganho pra gastar com essas coleções.
    E os mais jovens que gostam, estão tendo, guardadas as devidas proporções, mais ou menos os mesmos problemas que eu tive na minha época: os pais não vão comprar porque vê que é caro e não é prioridade; tem a concorrência dos superheróis, outras mídias atraentes, enfim... Na melhor das hipóteses, parte dessas hqs vão daqui há algum tempo aparecer em edições das revistas de linha ou no Almanaque Disney, Disney Big ou em especiais menores nos moldes do Sagas Disney, por exemplo. O restante ficará esquecido nos arquivos da Editora até que algum dia alguém tenha a brilhante ideia de ouvir nosso choro na internet novamente e de gastar uma grana pra colocar tudo em papel bonitinho, capa bonitinha e cobrar o triplo do que gastou pra nos vender, crescer o olho quando ver os primeiros bons resultados, mandar fazer mais a toque de caixa e então ver tudo encalhar nas bancas enquanto nós de novo não teremos condições financeiras, físicas e de logística de absorver isso tudo.

    ResponderExcluir
  22. Aprendi a ler através dos gibis Disney, lá, nos longínquos anos 60. Tive a grata satisfação de ter, novamente, a oportunidade de ler os grandes clássicos de Barks e Gottfredson, ainda mais empolgantes por estarem inseridos em edições de luxo; algo impensável nos meus tempos de infância. Lamentavelmente, o castelo de sonhos ruiu e fiquei a ver navios. Triste!!!

    ResponderExcluir
  23. Sei lá...A Impressão que eu tenho, posso estar errado, é que esses encadernados venderem bem, porém atualmente tem saido tantos encadernados que um deve afetar a venda do outro. Acho que tendência é a Abril parar com os encadernados ou pelo menos ser mais seletivos e lançar eles com um intervalo maior.
    Vamos ver.

    ResponderExcluir
  24. DECEPÇÃO TOTAL... QUER MORDER TODAS AS FATIAS DE UMA VEZ SÓ, DÁ NISSO.
    ABRIL QUER EXPLORAR OS FÃS AO MÁXIMO E TIRAR CADA MOEDINHA DELES.
    QUEM PERDE É O FÃ.
    DECEPÇÃO...
    OBRIGADO POR ME DEIXAREM NA MÃO.

    ResponderExcluir
  25. Decepcionante situação! Após um longo jejum, tivemos a oportunidade de rever ou conhecer histórias de ótima qualidade, em edições primorosas. Infelizmente, como todos aqui perceberam, ocorreu o lançamento simultâneo de diversos volumes imperdíveis, o que certamente sobrecarregou o orçamento de muita gente, obrigando-os a optar por determinadas coleções em detrimento de outras, pessoas que gostariam de adquirir todas as coleções se fossem lançadas sequencialmente. Bem, o estrago está feito. Agora é procurar corrigir o problema: ao que parece, a solução que salta aos olhos é esperar que a Editora Abril tenha o bom senso de não cancelar essas coleções, mas sim lançar os volumes faltantes não de maneira simultânea, mas em sequência (por exemplo, em um mês a Coleção Carl Barks; daí a dois meses, o Anos de Ouro do Mickey, e assim por diante). Deve ser observado que os volumes da Coleção Carl Barks foram lançados com periodicidade semestral (!) nos USA. Então é no mínimo temerário querer publicar essa coleção com periodicidade bimestral no Brasil, ainda mais concorrendo com outras publicações de alta qualidade. Creio que se a Editora adotar esse escalonamento, todos os interessados poderiam completar todas as coleções em andamento, sem prejuízos para qualquer das partes. Ficamos na torcida! Espero que o pessoal do Planeta Gibi consiga transmitir a expectativa de todos nós aos responsáveis da Abril!

    ResponderExcluir
  26. Parece que a Abril não vai mais publicar nenhuma HQ Disney... A bola deve ser passada para a Panini, que já publica esses quadrinhos na Itália.

    ResponderExcluir
  27. Não acredito de forma alguma que a Panini irá assumir a Disney no Brasil. Na Itália, a editora publica Topolino e outros poucos títulos (e muitas edições especiais). Esse formato não daria certo no Brasil. O fato é que a Editora Abril está em franca decadência suas publicações vendem cada vez menos. Veja, por exemplo, o carro chefe, tem pouquíssimas páginas de publicidade. Surpreende-me que a editora tenha conseguido lançar tantas edições de luxo Disney em tão pouco tempo. Acho que essas edições eram uma aposta da empresa em um nicho já explorado por outras editoras, mas que não parece ter dado certo (muito encalhe nas bancas). Uma pena realmente. A maioria das edições de luxo eram ótimas.

    Em breve, com sorte, voltaremos à época das "vacas magras", nenhum
    lançamento, revistas de um real, etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na vdd creio que deu certo, pois a primeira aposta foi aquela coleção com “mistério dos signos, dragonlords, saga do Rio patinhas, era uma vez na América e 80 anos donald”. As vendas foram tão boas que precisarão fazer novas remessas e deram início a novas coleções.
      O problema é essa grande quantidade de títulos qua estavam sendo lançados simultaneamente.

      Excluir
  28. Se a Panini de fato assumisse as publicações por aqui elas não seriam como na Itália... Seriam as mensais, talvez com a numeração continuada, etc.

    ResponderExcluir
  29. Rapaz... que decepção. A Abril não vê meu dinheiro nunca mais... boicote total. E pior (ou melhor) que depois disso revi uma tendência minha em relação a coleções de médio ou longo prazo. Não arrisco mais mesmo, seja que editora for. Só one shots ou séries bem curtas.

    ResponderExcluir
  30. Público, tem. Publicar os especiais em periodicidade maior e tiragens mais razoavera...

    ResponderExcluir
  31. Afinal, quando a Editora Abril lançará um comunicado definitivo sobre o assunto?

    ResponderExcluir
  32. Eu acompanhei o ápice e o ocaso da Ebal, que em seus estertores chegou a publicar a revista Cinemin com uma foto de Madonna de Topless na capa (jan/93), algo inimaginável se Adolfo Aizen estivesse vivo. Faliu em 95.
    A Abril teve um dos melhores estúdios de criação de quadrinhos, desmantelado com a crise do final dos anos 90. Chegou a ter até mesmo um serviço de informações para leitores Disney por meio de um DDG (0800), e que funcionava - meu filho fez muito uso à época.
    Entretanto, em plena era de inovação e celeridade nos contatos digitais, ela parou no tempo. Desistiu de sua loja virtual, mesmo tendo a vantagem de possuir um empresa de logística própria.
    Não mantém um site com informações sobre os quadrinhos, recorrendo ao Planeta Gibi (que faz um ótimo trabalho, mas como já citado por eles mesmos, são um colaborador eventual, não o canal oficial da empresa).
    Não possui sequer um canal de divulgação no Youtube.
    A página do Facebook se tornou um mero reprodutor de capas e datas de lançamento. Quem quiser ler matérias deve procurar em blogues e sites de fãs, pois muito de sua divulgação vem de canais de apaixonados e fãs dos quadrinhos.
    Falta algo institucional.
    Não fez nada disso enquanto surfava em seu auge. Não fará agora, momento em que ocorrem centenas de demissões na editora, mudança de endereço para reduzir custos de aluguel, terceirização de impressão - para quem já teve o maior parque gráfico do Brasil.
    Foram com muita sede ao pote, mas um pouco tarde. Alguns capas duras são ruins de doer.
    A Base de leitores não se renova na quantidade necessária para manter o mercado em um tamanho mínimo. É só constatar o número de bancas que fecharam nos últimos anos. E nem todo o público migrou para as lojas onliens, as tiragens de revistas e jornais auditados pelo IVC mostram este declínio.
    E também não é justo comparar nosso mercado com o modelo europeu. Primeiro pela diferença de poder aquisitivo. Segundo porque, infelizmente, a leitura por aqui não é devidamente incentivada em todos os lares, em parte pela inovação tecnológica, em parte pelo fator custo. Quantas crianças/adolescentes tem R$ 59,90 para comprar um capa dura do Barks?
    Como fã desde os anos 60, lamento. Resta, como dito, aguardar o desenlace.

    ResponderExcluir
  33. Quadrinhos Disney e Editora Abril são indissociáveis para aqueles que, como eu, aprendeu a ler em meados dos anos 60. É triste demais observar o ocaso de uma editora. Acompanhei, com tristeza, o fim da Ebal, do qual era fã desde a distribuição de gibis dos Super-Heróis Marvel nos Postos Shell e jamais poderia imaginar ver a história se repetir com a Editora Abril.
    Ficaremos órfãos de Barks, Gottfredson, Rosa, Taliaferro, Murry e outros inúmeros mestres Disney? Espero, sinceramente, que isso não aconteça.

    ResponderExcluir
  34. Não tem como isso NÃO acontecer com a editora relançando livros de 60 reais depois de meros 8 meses por míseros 20 reais. Temos que aceitar que foi ótimo enquanto durou, mas ACABOU.

    ResponderExcluir
  35. Alguém tem noticias das mensais de maio?
    Ainda não as vi em bancas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em São Paulo Capital estão nas bancas.

      Abs.

      Edenilson

      Excluir
  36. A dona da banca me disse que os leitores Disney que pagaram 59,90 e agora estão vendo os mesmos gibis por 19,90 estão furiosos. Parece liquidação pra fechar mesmo. E se não for ainda assim e péssimo. Pra que comprar agora se logo o preco vai cair?

    ResponderExcluir
  37. Esses encadernados são MUITO CAROS, era óbvio que ia dar merda. Eu sou fã e acho um absurdo pagar 70 reais neles. Sempre espero por promoções. Tenho 15 edições dos encadernados e nenhuma delas paguei mais de 30 reais.

    Isso que está acontecendo só reflete o atual momento da editora Abril de uns anos pra ca: derrocada

    ResponderExcluir
  38. Sera que o Planeta Gibi comprou os direitos da Abril???!!!

    ResponderExcluir
  39. Uma leitora perguntou na página da Abril Jovem sobre o tal comunicado e a resposta que a própria editora foi dizer que o tal comunicado é que as publicações estão suspensas por tempo indeterminado e só... Ou seja, não vai ter explicação nenhuma e pronto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou seja, ficamos a ver navios. Ao que tudo parece, não mais teremos as edições de luxo. Foi bom enquanto durou.

      Excluir
  40. Vamos torcer pra quem assumir a Disney, dar continuidade!

    ResponderExcluir
  41. Realmente uma pena... Meu sonho era ter as obras completas do Don Rosa. Essa coleção da Biblioteca do Don Rosa estava finalmente realizando meu sonho, e ainda por cima num formato de luxo com acabamento impecável e vários extras legais. Realmente uma pena...

    ResponderExcluir
  42. Praticamente um mês se passou e nenhuma satisfação oficial da editora para com os leitores-consumidores. Tomara que as coleções da Fantagraphics possam ser comercializadas com outra editora do Brasil!

    ResponderExcluir
  43. Haverá necessidade de acordo comercial para a reprodução dessas coleções da Fantagraphics.

    ResponderExcluir
  44. Eu acho que a Editora Abril precisava acordar, as coleções são maravilhosas mas lançadas a preços muito caros e com periodicidade muito dificil de acompanhar, 3 coleções ao mesmo tempo com uma edição atrás da outra, não tem bolso de colecionador que aguente, não dá tempo de curtir uma edição e já tem outra e outra e outra ! Na minha opinião, poderiam ser editadas 2 coleções, sendo um exemplar novo da cada uma por mês, revezando a cada 15 dias, depois que toda a coleção estivesse passado pela banca, relançaria desde o primeiro exemplar novamente para quem pulou algum numero pudesse completar a coleção. O preço é outro problema, mais de R$ 50,00 num exemplar desses impossibilitá completar a coleção, uma coleção com 20 exemplares irá custar mil reais!! Na situação financeira do brasileiro gastar mil reais em "gibis de luxo", e complicado. Pode acontecer da Editora Abril perder a licença de Walt disney e outra editora assumir e editar coleções mais atrativas em preço e periodicidade, e o que eu torço, porque estou cansado por não conseguir acompanhar os lançamentos por culpa da ganancia da editora.

    ResponderExcluir

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem a opinião do Planeta Gibi.

O comentário NÃO SERÁ publicado quando incluir:

• Quaisquer ofensas, agressões ou termos pejorativos;
• Quaisquer links ou e-mails;
• Qualquer menção a outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
Assunto alheio ao tema da postagem em questão.