' '

1 de mar de 2016

MICKEY MYSTERY: O DETETIVE DAS TREVAS: capa e primeiras imagens

Veja a seguir a capa final, a contracapa e alguns quadros em destaque de MICKEY MYSTERY: O DETETIVE DAS TREVAS, o primeiro volume de DISNEY DE LUXO de 2016, que a Editora Abril lança no final deste mês. A obra, toda inédita no Brasil, também tem aqui seu preço divulgado. A coleção terá muitos volumes neste ano. O editor Paulo Maffia fará uma palestra dando detalhes no Festival Guia dos Quadrinhos, em abril, em São Paulo.


[DISNEY DE LUXO #10]
MICKEY MYSTERY: O DETETIVE DAS TREVAS [#1]
Publicação avulsa, formato 15,6 x 23 cm, 384+4 páginas cor, lombada quadrada, capa dura, miolo couché, R$ 59,90, distribuição em bancas e livrarias. Dia 30.
A fim de investigar o desaparecimento de um amigo de juventude, Mickey se transfere para Anderville, uma metrópole opressora, caótica e corrupta. Sozinho e cercado por inimigos implacáveis, dispostos a tudo para eliminá-lo, o grande detetive precisa se reinventar para avançar em sua busca pela verdade e pela justiça. 


Com histórias em estilo noir, a série abre com Anderville, de Tito Faraci e Giorgio Cavazzano. 

Todas as HQs são inéditas no Brasil e foram originalmente publicadas  em MICKEY MOUSE MYSTERY MAGAZINE #0 a 5 (1999-2000). 

A saga mostra Mickey em Anderville às voltas com investigações particulares, máfia e questões políticas. MMMM foi concluída na edição #11, no início de 2001.

Neste volume teremos, fechando um arco:

Anderville
Roteiro de Tito Faraci; desenhos de Giorgio Cavazzano. 64 páginas.

The Link
Trama de Ezio Sisto e Tito Faraci; roteiro de Tito Faraci; desenhos de Alessandro Perina e Andrea Cagol; arte-final de Sandro Zemolin. 61 páginas.

Estrelita
Roteiro de Francesco Artibani; desenhos de Giuseppe Zironi; arte-final de Gianni Gatti. 60 páginas.

Lost & Found
Roteiro de Tito Faraci; desenhos de Claudio Sciarrone. 64 páginas.

Mousetrap
Roteiro de Francesco Artibani; desenhos de Giuseppe Zironi; arte-final de Gianmarco Villa e Gianni Gatti. 64 páginas.

Firestorm
Roteiro de Tito Faraci; desenhos de Alessandro Perina. 64 páginas.












Nota: 
A Editora Abril não identifica oficialmente os encadernados capa dura sob um título de coleção, tampouco os numera sequencialmente. O título e a numeração atribuídos pelo Planeta Gibi têm finalidade meramente referencial.




DISNEY OMNIBUS #1, Panini Itália, out/2015: mesma sequência de HQs que estará na edição brasileira



Por E. Rodrigues





59 comentários:

  1. Até o prezado momento tenho todos os capas duras lançados, entretanto com a enxurrada de capas duras que a Abril tá provocando esse ano, aliado com o aumento substancial nos preços, vou comprar somente os imperdíveis, acho que foi um tiro no pé da Abril lançar essa quantidade de volumes em um tempo na qual a economia não ajuda, ainda mais se analisarmos que muito desses volumes não são considerados essenciais por uma grande quantidade de colecionadores...

    ResponderExcluir
  2. Deixa eu ver se entendi. Esse encadernado será dividido em duas partes, é isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa saga completa pega 2 volumes, sim.

      E. Rodrigues

      Excluir
    2. Obrigado pela resposta. :-)

      Excluir
  3. Já temos a quantidade exata de quantos capa duras serão em 2016?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ideia inicial é que sejam 12.

      Excluir
    2. De fato, serão 10.

      E. Rodrigues.

      Excluir
  4. Vai ter pré-venda na loja do 'Planeta Gibi'?

    ResponderExcluir
  5. É muita prepotência rotularem que essa saga é "a melhor história em quadrinhos do Mickey que você já viu" Comparar histórias italianas com as clássicas de Gottfredson e Murry é muita ousadia. Gottfredson é, na minha opinião, incomparável!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nenhum artista, em tempo nenhum, poderá fazer uma HQ melhor do que Gottfredson ou Murry fizeram, é isso?

      E. Rodrigues

      Excluir
    2. Também tenho a mesma opinião, dizer que estes estórias italianas que parecem ser feitas em série em computador são as melhores que já vi de Murry e Gottfredson é demais para leitor sexagenário da Disney.

      Excluir
    3. Gosto demais do Gottfredson, mais ou menos do Murry, mas o atual italiano Casty é insuperável. Cada um tem o seu estilo, Murry nem roteirista era, mas em termos de roteiros, os mais inteligentes são os do Casty! Foi graças a ele q voltei a colecionar quadrinhos Disney!

      Excluir
    4. Como Rodrigues já disse mais abaixo, é apenas marketing, q se aproveita da subjetividade do juízo de valor p poder afirmar q tal coisa é simplesmente a melhor sem isso ser considerado enganação. Na década passada a coleção de As Obras Completas de Carl Barks tinha como título "O Melhor da Disney", o q nem todos devem concordar, por mais incrível q Barks realmente seja. Normal. Jefferson Leite acha Casty insuperável, enquanto eu n faço a menor questão dele, por exemplo.

      Quanto ao Mickey Mystery, devo comprar o primeiro vol. p conhecer, gosto de atmosfera noir, vamos ver se as histórias compensam.

      Excluir
    5. Em nenhum momento esse texto da edição Mickey Mystery compara autores (e isso seria um tiro no pé da editora se o fizesse). Tenham em mente que essa frase da contracapa tem apenas um objetivo: vender essa edição.

      Excluir
  6. A capa não mudou nada desde a prévia, continua ruim. E piorou agora, após ver as artes muito melhores na contra-capa que podiam estar na frente do volume.

    ResponderExcluir
  7. TODAS as imagens da contra capa são melhores do que a capa! Porque pegaram a arte mais feia pra capa e as mais bonitas deixaram de lado???
    E nesse volume não há uma historia por completo então? É só metade? Então vou deixar pra comprar mais depois quando estiver perto de sair o segundo encadernado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O volume fecha um arco. A Itália compilou essa obra, em outubro passado, também exatamente assim.

      E. Rodrigues

      Excluir
    2. Ah, que bom! Já estava achando que teria um "continua..." no final da edição. Obrigado, E. Rodrigues!

      Excluir
    3. Para mim, já estaria de bom tamanho se ao menos a Abril utilizasse as artes das outras capas para separar uma história da outra. Ou ainda uma galeria com essas capas, em tamanho maior, no final do volume. Mas geralmente colocam todas as histórias juntas e sem capas originais.

      Excluir
  8. Barks, Foster, Raymond, existem, sim, alguns insuperáveis nas HQs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você se refere ao que eu escrevi acima, digo: não me refiro ao conjunto da obra. A obra de Cavazzano não pode ser colocada acima da obra de Scarpa ou Carpi, por exemplo. Mas uma determinada HQ de Cavazzano não poderia ser melhor do que qualquer outra que esses dois mestres italianos produziram, isoladamente? Isso é uma questão de gosto. No caso da editora, é, antes de tudo, uma questão comercial.

      E. Rodrigues

      Excluir
  9. Todo mundo (sempre) reclama, mas todo mundo vai comprar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reclama por falta de informação deles mesmo acho...mais preferia a imagem do Mickey na estação de trem como até coleção dela em revista, mais clássica, essa do Mickey caindo também achei sei lá nada a ver e pq das trevas?? ficou muito Batman..soaria melhor das Sombras!! xD

      Excluir
  10. Nenhum grave problema com a capa, a Abril evidentemente aproveitou a capa italiana.

    Para mim essa edição não é essencial, então eu não devo comprar, mas desejo sorte à Abril com os encadernados desse ano.

    Espero que surjam títulos mais interessantes para mim, como um "Superpato de Ouro", um "O Melhor de Massimo de Vita" ou algo do tipo (sonhar é bom).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Duas sugestões legais, eu compraria ambos de olhos fechados, Massimo de Vita tem um traço agradável demais...

      Excluir
  11. Bom dia planeta gibi.vca teriam uma prévia dos quais vão ser os 10 capa duras esse ano?

    ResponderExcluir
  12. Bom dia planeta gibi.vca teriam uma prévia dos quais vão ser os 10 capa duras esse ano?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Cledson. As edições serão divulgadas por Paulo Maffia exclusivamente na palestra do Festival Guia dos Quadrinhos, em abril, em São Paulo.

      E. Rodrigues

      Excluir
    2. Muito obrigado. E pq ta longe kkkk .

      Excluir
  13. Planeta Gibi; em momento algum eu afirmei que não pode aparecer ninguém melhor que Gottfredson ou Murry. Só afirmei que, na minha opinião, essa "saga" do Mickey não chega aos pés daquilo que de melhor produziram Gottfredson e Murry (desenhos). É só a opinião de quem lê quadrinhos Disney há 50 anos. Meu nome é Tadeu Olivetti; só não consigo nomear nos comentários.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tadeu, eu particularmente não aprecio essas chamadas "a melhor HQ que você já leu", "a melhor desde sempre" etc. Devemos entender isso como uma ação comercial da editora, nada mais.

      Não porque Anderville seja inferior a este ou aquele clássico americano, mas sobretudo porque acaba ferindo suscetibilidades.

      Há leitores que execram a produção italiana (não é meu caso; desde meus primeiros contatos com HQs, que se deram com Disney, lá no início dos anos 1970, eu já reconhecia como italianas e apreciava obras como O Diabólico Vingador e Dinastia Pato, por exemplo).

      E há leitores que talvez tenham até medo de dizer que desgostem de Don Rosa (medo de dizer na internet, claro, porque ao vivo já ouvi muito especialista e apreciador de HQs Disney me dizer isso). Eu, particularmente, já disse aqui neste espaço: A Saga do Tio Patinhas é muito bacana, divertida, inventiva etc. Mas não é seminal como foram as obras de Taliaferro, Gottfredson e Barks, para ficar só nos meus artistas Disney prediletos, entre os muitos de que gosto e cujos trabalhos influenciaram outros quadrinistas.

      Por fim, o comentário que fiz acima para Eduardo Mendes complementa minha opinião.

      Abs.

      Edenilson Rodrigues

      Excluir
    2. Eu não gosto da Saga do Patinhas. É um gosto pessoal, não porque desmerece o trabalho do artista, mas apenas considero desnecessário esse núcleo, uma vez que desenhos infantis não precisam de sagas, continuidades que revelam origens e explicações sobre determinado fator relacionado a algo de sua existência. Acho isso uma bobagem, que tira toda a magia atemporal do personagem. Assim como aquela outra saga, que nem lembro o nome direito, acho que é "Todos os milhões do Tio Patinhas", também não me empolgou nenhum pouco pelo mesmo motivo. Eu não preciso de uam saga pra ficar explicando coisas da existência de um personagem. Ele é um pato rico, ranzinza, às vezes até meio cambalacheiro, e ponto final. Já basta pra mim.

      Excluir
    3. Quanto ao lançamento, eu só gostaria que essa ideia tivesse vindo antes dessa crise toda. Mas não deixa de ser louvável o empenho e os lançamentos. A equipe merece todo o meu respeito.

      Abraços.

      Excluir
    4. Podem me incluir naquele malsinado grupo dos que não gostam de Don Rosa nem da "Saga do Tio Patinhas".

      O único encadernado Disney que a Abril lançou que eu não comprei, nem pretendo comprar.

      Para mim não tem como você comparar o trabalho de Rosa com o de Carl Barks, simplesmente porque Rosa não criou praticamente nada- todos os elementos que ele aproveita em suas histórias são tirados dos clássicos de Barks. Os italianos, pelo menos, embora não sejam tão admirados quanto Rosa, criaram sua própria visão dos personagens Disney, com dezenas de sagas, adaptações, e mesmo vários personagens interessantes, como o Superpato, a Brigite, etc.

      Sem contar que, como disseram acima, não tem o menor sentido tentar dar uma "origem" a um personagem como o Tio Patinhas- um pato falante podre de rico. Um dos grandes encantos desse tipo de personagem é exatamente o absurdo cômico de sua existência, que o torna atemporal.

      Excluir
    5. Eu tb nao faço questão nenhuma do don rosa. Não é de todo ruim, mas os traços dele são estranhos e os roteiros não são grande coisa. To pra dizer q mais desgoto do que gosto. Sobre a Saga do Tio Patinhas, não vejo nada demais nessa saga. Li aos empurrões...

      Excluir
    6. Jefferson, você esta desmerecendo o artista com base na sua opinião, os roteiros de Don Rosa estão entre os melhores já produzidos nos quadrinhos disney, além de uma narrativa rica e história muito boa, ele sempre explora os personagens a fundo,com momentos emocionantes e a arte é questão pessoal mesmo. E não entendo esse pessoal que diz que "não tem sentido dar origem ao personagem', um aí em cima se super dizendo que são personagens infantis e não é necessário kkkkkk. Disney não é só infantil, e qual é a graça de ter um personagem com história de vida tão rica como o tio patinhas e não explorar essa história a fundo? A saga do tio patinhas é indubitavelmente a melhor coisa dos quadrinhos disney de todos os tempos, e apesar de Don Rosa ter feito com as deixas de Barks foi ele quem montou como tudo aconteceu, resolveu contradições e criou as histórias em si, a história é simplesmente uma obra-prima.

      Excluir
  14. Ansiosamente no aguardo! :)

    ResponderExcluir
  15. Essa vou comprar com certeza...só acho o preço alto demais...acho a qualidade dos últimos livros,apenas razoável,achei os quadrinhos muito claro,gostava do estilo um pouco mais escuro,igual da saga que saiu em formato americano.

    ResponderExcluir
  16. Vou comprar com certeza já conheço o original e gostei da proposta. Muitos irão estranhar o ambiente e polêmicas surgirão. Mas tenho certeza que venderá muito principalmente aos novos leitores que conhecerão um Mickey mais "adulto".
    Quanto ao Rosa, também estranhei os traços quando li uma história dele pela primeira vez. Mas a qualidade do texto, as referências históricas e a obra do Grande Mestre, foi como beber um copo d'água gelado no meio do Saara depois de muitos dias de sede embaixo de um sol inclemente.
    Só para lembrar aos críticos, próprio Barks elogiou e colaborou com a Saga do Tio Patinhas.

    ResponderExcluir
  17. Falando em criadores, uma coisa que eu não gosto dos Italianos é a mania de pegar um personagem Disney, um único e jogar ele em um mundo totalmente diferente, ignorando e renegando o resto tudo. E o próprio personagem muitas vezes escolhido também já ingressa nesse novo mundo bastante descaracterizado. O que me faz sempre cogitar, isso é mesmo Disney?
    Fui dando uma espiada por aí e acho que esse Mickey aí cai na mesma linha do que estou falando... Fui no inducks Não vejo Pateta, Minie e mais ninguém além do Mickey... Minha desconfiança dessa série de tratar de mais um peso pra porta aumentou...
    60 conto é muito por algo que talvez eu não consiga ler além da décima página...

    #voltamega #voltajumbo #menositalia #vemmaterialclassico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abacate, essa mania já começa com os próprios americanos, que pegam os personagens tanto dos filmes de animações quanto dos quadrinhos Disney, criam um universo diferente e transformam em série de TV.

      Excluir
  18. Engraçado, essa "mania" dos italianos de colocarem os personagens Disney em contextos e mundos diferentes é exatamente o que mais gosto deles.

    Ninguém nunca disse que isso seria errado. Ao contrário, os italianos acabam explorando a versatilidade dos personagens ao máximo, saindo daquele esquema tradicional em que os criadores ditos clássicos os encaixaram.

    Por isso prefiro qualquer criador italiano a um artista reducionista como Rosa. Para mim ele não cria nada, apenas homenageia um criador infinitamente superior a ele. E ainda faz isso de um modo tremendamente redundante, repetindo situações e tentando dar a suas histórias um ar "sério" totalmente incompatível com esse tipo de história.

    Essa é só minha opinião, mas entre uma edição como essa e um "clássico" como Rosa (o mestre NÃO-criador), não tenho nem o que pensar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito relativo isso. Reinventar o velho também pode ser criativo.
      Também pode ser sinal de falta de criatividade, tentar fugir para algo novo, do que trabalhar com os elementos que já tem e gerar uma nova história.
      Até pq pouco adianta criar um núcleo inteiramente novo se ele se parece com uns 50 por aí ou não tem nada de especial...
      E tem muitas histórias italianas que podem mudar tudo, mas eu tenho a impressão que já li aquilo em algum lugar, mesmo sem ter lido a história...
      E criação também é investir em uma história bem desenvolvida, bem introduzia e bem encadeada. E não unicamente ficar em enrolações que parecem estar ali só para preencher uma determinada dezena de páginas...

      Excluir
  19. Só agora me toquei: o nome Mickey Mystery evoca um pouco o excelente e infelizmente pouco valorizado no Brasil Martin Mystère (estou falando do original dos quadrinhos, não o lixo criado para os desenhos animados).
    Há alguma relação entre eles?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não Luciano, não há. Mickey Mystery é noir e está mais pra Nick Raider ou Leo Pulp, da Bonelli.

      Excluir
  20. Uau, não imaginava que tanta gente não gostasse do trabalho de Don Rosa! Pra mim, e é uma questão de gosto, ele é o segundo melhor artista Disney - depois de Barks, é claro. Boa parte de suas histórias homenageia o que foi produzido de melhor na história dos gibis Disney, e essa nostalgia muito me agrada. Isso não tira em nada a originalidade dos trabalhos de Rosa. Seu humor é inteligente, e suas adições "realísticas" são mais que bem-vindas.

    Li a Saga com muito interesse. Pra mim, é um dos melhores materiais já publicados. Não sou o maior fã dos quadrinhos italianos, mas reconheço que há também grandes obras, de Cavazzano e Scarpa, por exemplo. Mas na maior parte das vezes acho o traço caricato demais, e o humor por vezes mirabolante além da medida.

    Mas é aquilo, gosto é gosto.

    ResponderExcluir
  21. Se o MMMM será em dois volumes, então irão publicar ambos na sequência? Se não, qual é a previsão da editora para a publicação da segunda parte? Não pretendo comprar o primeiro volume e ficar esperando o fim do ano para adquirir a continuação e até correr o risco de não haver. Gostaria de comprar o primeiro tendo certeza de contar com o segundo volume. Para edições sem continuidade tudo bem, mas neste caso tem que haver divulgação de um plano de publicações para os encadernados com mais de uma parte.

    ResponderExcluir
  22. Pois é, enquanto é praticamente um lugar comum enaltecer Rosa nesse e outros blogs (e criticar os italianos, na mesma medida), há pessoas que, por incrível que pareça, preferem qualquer artista italiano (ok, qualquer não) a Rosa, sem pensar duas vezes.

    Li a "Saga" do Tio Patinhas na íntegra uma vez e não pretendo ler nunca mais. Também "pulo" qualquer história do Rosa que saia em alguma edição que porventura compre. Em resumo: toda unanimidade é burra.

    Exceto no caso de Barks. Esse é GRANDE mesmo!

    ResponderExcluir
  23. Esse não vou comprar. Normalmente dou meu apoio ao pessoal da Abril, mesmo nas mancadas, mas dessa vez não dá mesmo. Tenho todos os encadernados Disney desde os ano 70 mas esse não vai rolar.
    Se eu quiser ler um conteúdo com a temática deste encadernado, certamente não vou escolher um material onde em cada quadrinho encontro um rato mal humorado e com cara de dor de barriga - Mickey não é isso.
    Penso Editora Abril, que o público dos encadernados quer, em sua grande maioria, material clássico. Quem paga um encadernado destes (grosso modo, certamente há exceções) tem uma situação econômica mais estável - pelo menos 30 anos - e quer reler e guardar histórias maravilhosas que antes só tinha disponível em formatinho. É tão difícil ver o óbvio ululante ? Se querem investir o mínimo possível (material digital que já vem pronto da Itália) para tirar o máximo possível de grana da gente vão perder um público fiel e apaixonado e a linha de encadernados certamente irá para o limbo. E dessa forma, todos perderemos com a escolha da faceta estúpida do capitalismo. Gostaria muito, muito mesmo, de estar bisonhamente equivocado e ouvir boas notícias do Maffia em abril.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Embora eu concorde com você em partes, acho que você não entendeu a proposta desse arco de histórias, que é o de inserir Mickey num contexto "noir". O mais próximo de uma história em quadrinhos "adulta" em que o Mickey poderia aparecer. Mickey não aparece com cara de "dor de barriga", mas com cara de detetive/policial "linha dura", típico personagem de filmes noir.

      Não acho que seja descaracterização, pois é uma sêrie de histórias fechada, como aquelas antgas histórias "Túnel do Tempo" do Batman, em que o personagem aparecia nas mais variadas situações e contextos.

      Quanto ao resto do que você disse, eu concordo, e também não tenho intenção de comprar esse encadernado, vou esperar para ver que outras opções a Abril vai apresentar.

      Excluir
    3. Sim, você está equivocado. Não há nada de óbvio no q foi dito. Não é todo mundo q quer viver apenas de republicoes, tem q ter espaço para as inéditas também. Se inéditas não vendessem, não existiriam mais estúdios de quadrinhos Disney; apenas republicações.

      Excluir
  24. IMHO, Don Rosa é genial. E a "Saga" é obra atemporal e obrigatória. Nada menos que isso.

    ResponderExcluir
  25. Vc vao vender o mickey mystery pela loja virtual de voces? nao encontrei ela no site.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, Caio. Outras lojas já têm as edições e devem disponibilizá-las em breve.

      Abs.

      Edenilson

      Excluir
  26. Será que sai "Urtigão especial" em capa dura, nessa coleção?

    ResponderExcluir
  27. Comecei a ler, mas não consegui terminar, olha é muito difícil eu criticar, pois 99% do material da Disney gosto e coleciono vários, mas este MM está difícil...arte ruim, roteiro péssimo, diálogo confuso e apelando para o moderninho...não me lembro de parar uma leitura assim, há anos...frustração total!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.