' '

29 de out de 2015

Lançamentos Disney pela Panini em Lucca

Veja a seguir o catálogo de 10 páginas de notáveis lançamentos Disney que a Panini fará no Lucca Comics & Games 2015, que começa hoje na belíssima e pacata cidade italiana da Toscana. 

Lucca Comics é a segunda maior feira de quadrinhos do mundo (só perde para a Comiket, de Tóquio). Não é à toa que a Panini escolhe o evento para lá oficializar seus lançamentos — alguns ocorridos há meses, ressalte-se, mas também há pré-lançamentos e itens exclusivos. 




O mês de outubro nem bem havia começado e quase 60 mil ingressos já estavam vendidos. No ano passado, o evento recebeu cerca de 240 mil pessoas.

Os trens vão chegando abarrotados de Florença, Pisa e arredores. Lotados mesmo, porém em clima de festa, com cosplayers caprichados. 

Na saída da estação, a quilométrica fila para comprar ingressos de última hora tampouco parece desanimar os visitantes. O tempo, ameno nessa época do ano, também ajuda. 

A cidade antiga é inteiramente circundada pela imponente muralha construída para protegê-la de invasões nos tempos mais bicudos. Depois de chegar — de carro, ônibus ou trem — cruza-se um de seus portões e, enfim, a magia começa. Difícil não se inebriar. 

Nas estreitas ruas, a todo momento se cruza com mais cosplayers e, claro, com stands de editoras e distribuidoras (Panini, Bonelli, Lion — a editora da DC Comics na Itália...), de cinema (Warner Bros., Disney•Star Wars...), de penduricalhos, memorabilia e... de pequenos lojistas, onde pode-se comprar raridades de quadrinhos a preços bastante interessantes (vale pechinchar). 

O acesso à cidade, obviamente, é livre. O ingresso comprado é convertido numa pulseira que permite, aí sim, adentrar os stands. Sem ela, nada feito. Só se pode espiá-los de fora.

Veja aqui algumas fotos de Lucca Comics do ano passado.




Bela caixa, por 9,90 euros. Cabem nela 1 ano de TOPOLINO.


Houve há alguns meses 4 edições de TOPOLINO lançadas com uma capa variante e vendidas a apenas 1 euro. Pois o colecionador pode agora comprar um kit contendo todas as 8, mais uma caixa montável.Também está à venda a opção da mesmíssima caixa, porém contendo apenas um volume (os demais, o leitor compra à parte)


Depois dos luxuosos boxes das edições de TOPOLINO #1000, 2000 e 3000 (lançado em 2013) e #500, 1500 e 2500 (no ano passado), a Panini lança agora uma caixa com os fac-símiles caprichados das edições #1 de TOPOLINO, I CLASSICI DI WALT DISNEY  e ALBI DELLA ROSA.

As 4 edições de TOPOLINO lançadas há pouco contendo uma moeda desenhada por Cavazzano em cada uma também continuam à venda nas fumetterie. Donald, Patacôncio, Gastão e, claro, Tio Patinhas, estão ali cunhados.


TOPOLINO LIMITED DE LUXE EDITION terá novos volumes, inclusive um dedicado ao Superpato. São edições em capa dura e formato bem grandão. Em 2014, a controversa DR RATKYLL & MR HYDE inaugurou o título, sendo apresentada numa elegante versão monocromática (portanto, diferente da versão colorida publicada quase simultaneamente em TOPOLINO). E quem a comprou no Lucca Comics levou para casa um lenticular enorme e formidável reproduzindo a arte da capa. Apesar de a Disney ter vetado posteriormente a HQ (por discordar da categorização dada ali a Donald), esse volume continua sendo vendido nas fumetterie (sem o lenticular).


Olha aí, mais dois volumes da coleção colorida. Os artistas compilados, desta vez, são Marcio Bosco & Silvia Ziche e Enrico Facchini.


Edição especial a conferir, por Sio e Corrado Mastantuono. E uma nova coleção de quadrinizações de clássicos Disney e Disney•Pixar


Mickey Mouse Mystery Magazine: a espetacular Anderville, de Tito Faraci e Giorgio Cavazzano (inédita no Brasil), é o destaque do #1 de DISNEY OMNIBUS (essas HQs devem ganhar versão em capa dura no Brasil, mas ainda é segredo!)


No capítulo "o que se encontra de Disney nas bancas italianas?" anote: TOPOLINO, TOPOLINO, TOPOLINO e PAPERINIK, PAPERINIK, PAPERINIK. E fica a impressão de que todo mundo lê. Até aquela senhorinha que estava passando na calçada, te vê na banca folheando tudo e vem dar palpite em qual edição de PAPERINIK você pode apostar sem medo.


Mais volumes encadernados de MÁGICOS DE MICKEY e da DEFINITIVE COLLECTION, agora com DarkenblotPateta Repórter Todos os Milhões do Tio Patinhas. Essas edições apresentam todas as HQs em ordem cronológica e conteúdo extra. Não são o supra sumo do luxo, mas em termos de custo X benefício... Além desses três, Fantomius teve seu segundo volume lançado em julho.


UACK! é o título mensal que reapresenta a obra de Carl Barks sempre com extras (e formato um pouco maior do que o habitual dos gibis Disney italianos). Se fôssemos a Editora Abril e tivéssemos que lançar uma nova revista periódica para fazer sucesso, não teríamos dúvida: seria uma cópia dessa. Conteúdo excepcional (excepcional mesmo: cada volume é uma enciclopédia, com capas de vários países, textos, reproduções de páginas em inglês, abordagens outras... um deleite) com qualidade e preço acessível a muitos.


Mais detalhes, mais Lucca? Em breve, aqui, voltaremos ao assunto.


Por E. Rodrigues




25 comentários:

  1. Muito bom ver que em algum lugar do mundo a produção de quadrinhos Disney - especialmente envolvendo Donald, Mickey e Pateta e outros amigos atualmente supostamente esquecidos até pelas produtoras de filmes e animações da própria Disney - anda em alta e com sucesso merecido. Seria muito bom um pouco desse sucesso por aqui.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Aqui com essa abril e os chefes que assim comandam ela a gente morre e nunca vê um material próximo a esse ser feito aqui no Brasil .

    ResponderExcluir
  3. Caramba, que qualidade de material!
    Impressionante a quantidade, variedade e mais uma vez a qualidade.

    Esse box de 1 ano de Topolino é lindo.

    Equipe do Planeta GIBI sei que vocês tem um contato direto com a equipe Disney da Abril, levem nossos pedidos a eles.

    Sei que temos Diney BIG, JUMBO, MEGA, Temáticos, mensais e alguns especiais, mas esse tipo de material é muito bom!

    ResponderExcluir
  4. O pessoal reclama um monte da Abril, mas esquece que na América do Sul e Central INTEIRAS somente o Brasil edita quadrinhos Disney. Vai em qualquer país abaixo dos EUA e você só vai encontrar Condorito, Condorito e Condorito nas bancas. Argentina, Chile e Colômbia não editam nada há uns 20 anos e os demais países nunca publicaram nada.
    Eu acredito que se não fosse a Abril das duas uma: (1) teriamos algumas poucas publicações Disney já suspensas há tempos ou (2) nunca conheceríamos quadrinhos Disney, como um monte de países.
    Então, aqui pode não ser uma maravilha como na Itália, mas não está tão ruim assim, como muitos pintam.
    A Itália respira quadrinhos. Não é só Disney, lá Bonelli e outras coisas também vendem igual pão quente.
    Se até os EUA há décadas não conseguem emplacar coleções duradouras de HQs Disney, então eu acho que estamos até melhor que eles!

    ResponderExcluir
  5. Nobre amigo, se não fosse a abril teria sido a ebal, ou a rge(hoje ed.globo) editoras e que não faltariam, a abril faz quase tudo de qualquer jeito, não entendem que o pessoal de hoje em dia é mais informado que antigamente, ou seja, estão trilhando os caminhos da falência! Fazem o que quer com a gente! A única reciprocidade entre nós e a grana que temos, mais nada! Portanto é necessário cair de pau neles pra ver se publicam material decente e com referências, não um "cinema capa dura" desproporcional como esse que saiu! Já tinha um temático, pra que isso? Só pra coletar moedas? Temos tantos temas legais, é porque ficaram menores que os outros? Absurdo! Sem falar nas experiências que fazem as nossas custas, como se fossemos macacos de laboratório!

    ResponderExcluir
  6. Sim, Marcelo, embora até certo ponto eu tenha defendendido a Abril, por outro lado eu também tenho muuuuitas reclamações e coisas que não concordo. Só acho que tem gente que xinga como se eles fossem o próprio demônio produzindo quadrinhos diretamente do inferno... rsrs... Não é pra tanto...
    O que me refiro é que, a gente queira ou não, foi a editora que construiu a história dos quadrinhos Disney por aqui e bem ou mal mantém desde 1950. Se outra editora teria tido a mesma longevidade nunca saberemos.
    O que eu acho é o seguinte, isso dito por alguém que trabalha com diagramação de revistas e gráfica, como é o meu caso: me parece que a maioria dessas decisões que nos irritam não vem do Paulo Maffia e equipe dos quadrinhos. Acho que são decisões que vem da diretoria. Tipo: "façam os capa dura menores por causa do tamanho do papel que a gráfica tem e da economia"; "tirem o verniz e relevo das capas dos especias para economizar", "usem papel barato"... e por aí vai. O mesmo para o fato da Abril, sendo uma editora desse porte, não ter até hoje um site decente para os quadrinhos Disney, da distribuição ser péssima, etc, etc...
    Sei lá, mas acho que só conseguiremos melhorar as coisas que nos irritam se essas reclamações chegarem aos que mandam por lá. Nesse ponto eu concordo que devemos cair de pau neles. Mas como fazer isso eu não tenho nem ideia... Duvido que essas reclamações dos blogs e fóruns cheguem em quem realmente decide as coisas...

    ResponderExcluir
  7. Só que tem vários poréns:
    EBAL é algo extinto faz tempo (e que até FEZ questão de não querer editar mais DC Comics em 1983, só porque não conseguia mais acompanhar a evolução e nem sequer resistiu à crise de 1983, quase igual à Vecchi. A única diferença é que quis agonizar por mais tempo, até 1995).
    A Editora Globo desistiu de quadrinhos faz tempo (e isso, só porque não aguentou viver sem o seu ganha-pão que foi perdido para a Panini - também conhecido como 'Turma da Mônica')!
    Pergunta se Editora Escala vai querer perder dinheiro de novo? Se OnLine Editora vai querer ir além do mundo de revistas de atividades só pra ter dor de cabeça? Se Astral, NewPop, JBC, Sampa vão ousar sair do 'porto seguro' que são os mangás e mawhas hoje em dia?
    Não vão! Não adianta, com todos os males, os sufocos que passam, as reclamações que eles mesmos provocam, as distribuições que tem - variando escassas a insuficientes - e com todos os dramas que passam com cada vez menos bancas nas ruas, ainda assim, não tem jeito, quadrinho no Brasil infato-juvenil que saiba também olhar par aos adultos, ou é Abril ou é Panini! Editora falta sim! Principalmente quando o pensamento editorial ainda vive no passado!

    ResponderExcluir
  8. aquela capa do Pateta Repórter,mesmo não sendo a definitiva está LINDÍSSIMA!! Espero que a Abril a utilize em uma futura edição encadernada desta fantástica série! Agora,se eu entendi bem... A ABRIL PRTENDE LANÇAR MICKEY MOUSE MISTERY MAGAZINE EM ENCADERNADO DE LUXO?! É UM SONHO REALIZADO!!
    Acredito que o Maffia vai Suar a Camisa para convencer a Disney a autorizar a publicação de Dr. Ratkill& Mr. Hyde...
    E quanto a essas Moedinhas? ALÕ,ABRIL!!! Bem Que Vocès Podiam Descolar Esses brindezinhos para nós!

    ResponderExcluir
  9. Boas observações Icarix Ace. E tem também a Mythos. Mas é outra que não dá pra contar. Eu coleciono Zagor e sofro, pois a ênfase por lá é só no lucrativo TEX.
    Ninguém me tira da cabeça que umas edições especiais em cores e formato grande bem divulgadas atrairiam muitos novos leitores e reconquistariam os antigos, afinal Zagor já vendeu muito bem no Brasil nos tempos da Vecchi e da Record e quem gosta de quadrinhos pira numa edição bem caprichada (mesmo desconhecendo o personagem). Só que a Mythos teria que se conformar em não ter lucro nas primeiras edições, ou até mesmo prejuízo. Um trabalho assim leva um tempinho pra dar certo, não é logo de cara que vai dar retorno. Mas não adianta falar, o pessoal lá são umas mulas de teimosos. Também cai no que vc citou "o pensamento editorial ainda vive no passado"...

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde! Nada contra as pautas apontadas para melhorar as revistas daqui. Mas acredito que ainda haja um pouco de imaturidade por parte de muitos em ficar impondo seus pontos de vista de forma que parece que a Abril é uma editora leviana que só publica o que bem quer e como lhe convém. Se não fosse a editora Abril publicar insistentemente os quadrinhos Disney há 50 anos, duvido que teríamos alguma coisa nas bancas. Haja vista Scooby Doo e muitos outros títulos que simplesmente sumiram porque dizem aqui "não vendem". O problema não é a Abril, mas sim o nosso panorama político econômico que não permite que realizamos façanhas e comprarmos tudo oque queremos, pois se fizermos isto, daqui a pouco cortam nossa água, nossa luz, nosso casamento se desfaz e nossos pais nos colocam em uma camisa de força, pois também é cultural daqui que se tratem leitores de quadrinhos como alienados e semi dementes.

    Claro que a Abril poderia melhorar alguns aspectos de suas publicações, mas não podemos ignorar as seleções das HQs das mensais está excelente, o mix de BIG, JUMBO também está muito bom. E há os especial de Halloween, Férias, Natal, que mesmo sabendo que podem encalhar, ainda teimam em fazer. Então o problema não é tanto a editora, mas também um pouco se refere a nós, que não podemos, INFELIZMENTE, investir nosso dinheiro em tudo o que aparece. SE tivésses uma outra história política, uma outra cultura, talvez seria um panorama diferente. Talvez até daríamos um banho na Itália. Mas tudo fica no "SE"...

    E eu duvido que outras editoras insistiram tanto com a Disney como esdtá sendo com a Abril. A Panini e alguma outra, na primeira crise dos seis meses, já cancelariam tudo porque "NAO VENDE", tal como já fizeram com muitos e muitos títulos licenciados por elas.

    Abraços.

    Fabiano Caldeira.

    ResponderExcluir
  11. Putz, daqui a dez dias vou para Pistoia, que fica ao lado de Lucca, mas obviamente chegarei tarde demais para esse evento. Como Lucca é a cidade-natal de meu trisavô, acabarei visitando-a do mesmo jeito, mas o fato de saber que vou perder um evento como esse por poucos dias frustrou um pouco… :(

    ResponderExcluir
  12. O que mais queria da Abril é que nos temáticos ou Big tivesse um papel melhor, não estou suportando mais -TUDO- em papel jornal, pelo menos em uma publicação queria apreciar a arte das HQ com um papel decente, tomara que em 2016 tenha uma publicação assim.

    ResponderExcluir
  13. Que mania de comparar o Brasil a países piores.. tem que comparar com os melhores mesmo, para ver aonde estamos errando e aonde precisamos melhorar... O Brasil tem muito mais capacidade do que qualquer outro país da América do Sul. Essa capacidade só não é bem aproveitada (seja na política ou outras áreas)... e no caso da Abril, devemos nos lembrar que ela é a maior editora da América Latina, porém, muito tímida! Por ser tão grande e antiga, até hoje, tem uma das piores encadernações e impressões do mercado de quadrinhos nacionais (nem vou falar da sua distribuidora) e só recentemente resolveram publicar hqs capa-dura: não acreditavam!

    ResponderExcluir
  14. Humm... países piores que o Brasil você se refere em termos de potência econômica né Jefferson? Porque em vários outros aspectos, como cultura, educação e qualidade de vida, tem sim países bem melhores na América do Sul. O Chile por exemplo, com todas as suas limitações, sendo praticamente 1/3 de gelo e outro 1/3 de deserto, tendo pouca área para agricultura e importando um monte de coisas, em muitos aspectos consegue ser uma mini-Europa e dá um banho na gente. O argentino em geral é mais culto que o brasileiro e lê mais (o que tá feio lá é a economia mesmo). O Uruguai tá sossegadinho e com ótima qualidade de vida. A Colômbia a cada ano está melhorando e vai deixando pra trás o estigma de páis violento e pobre. Até o Equador e o antes ridicularizado Paraguai estão numa boa situação. Mais para cima, a Costa Rica está com tudo, enriquecendo graças ao turismo ecológico bem explorado e considerado um dos países com o povo mais feliz, bem acima do Brasil. O Panamá, depois que os Americanos "devolveram" o canal só vai crescendo também. Sem querer criar polêmica, mas esse "piores" é bem relativo... Como vc falou "o Brasil tem muito mais capacidade do que qualquer outro país da América do Sul". Isso sem dúvida nenhuma, mas na hora de usar essa capacidade temos sido uma vergonha se comparados com os vizinhos. :(
    É bem nítida a relação entre os países que estão crescendo e as escolhas que eles fizeram nos últimos anos e décadas. Enquanto nós, seguimos dando um passo adiante e dois para trás...
    Desculpem fugir do tema, mas o que quero dizer é que temos uma tradição de quadrinhos Disney que vem da época que o Brasil era o melhor país a América do Sul em quase todos os aspectos. Hoje ainda é em termos de potência econômica, e pelo andar da carruagem torço para que não deixe de ser, mas em outros pontos meus caros, estamos é ficando pra trás...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciano esse tal de Jefferson deve recebe bolsa família de $0,50 centavos por mês deve ser to pt.kkkk

      Excluir
  15. Estou aqui remoendo esses assuntos... hahaha
    O que o Fabiano lembrou é bem certo. Eu meti o pau na Mythos, que também não investe em material melhor, mas de fato, pensando bem, como essa maldita economia que nunca se equilibra e nunca PERMANECE equilibrada, porque o Brasil é uma zona sem fim desde sempre, independente do governo, são poucos que podem comprar material de qualidade constantemente sem sacrificar o orçamento. Eu mesmo comprei os dois capa dura e as 109,80 Dilmas gastas me fizeram falta pra outras coisas este mês. Com mais os mensais, tive que pular o temático Espiões para não me quebrar muito...
    Uma vez perguntei para o Paulo Maffia porque não voltava a lombada quadrada no Tio Patinhas, o que me parecia tão simples e barato, mas tive que dar o braço a torcer para o que ele me respondeu. Primeiro que a Abril precisa pagar os direitos das HQs pra publicar (eu tinha esquecido disso) e segundo que 1 real a mais num gibi pode não ser nada pra nós colecionadores viciados, mas é para a maior parte dos compradores, que não compram todo o mês ou são pessoas realmente carentes. Ou ainda, para a criança que pede um gibi pro pai e ele opta pelo mais barato. Teria que vender muito mais pra compensar o que parece uma mudança de nada.
    De tudo isso que estamos discutindo acho que em algumas coisas a Abril até tem razão, pois se mudar vai acabar tendo prejuízo. Temos que lembrar que também tem muito imposto pra pagar, além de todos os outros custos. Mas ficam as questões da má distribuição, da falta de um site e uma loja virtual decentes. Aí já não tem nada a ver com situação econômica.
    Parece que no final das contas tudo depende da situação do país mesmo. Economia forte = publicações de maior qualidade. Economia baleada = publicações dentro do que pode ser feito.
    Enfim... ô assunto espinhoso... hahaha
    PS: não estou defendendo ninguém, só colocando questões e conclusões minhas. Posso estar redondamente enganado em tudo, podem me xingar sem problemas... kkk

    ResponderExcluir
  16. Economia, os pais compram o mais barato nas bancas, caras isso é o material para o publico alvo crianças, e nós velhos colecionadores? Nós temos que se contentar apenas com isso e não deveria ser assim, falta a publicação de melhor acabamento que visa os antigos colecionadores e até quem não consome Disney mas que se amarram em encadernados, compraria esse material, não precisa ser luxuosa, olhem o que a Pixel esta fazendo a Abril não teria a capacidade de fazer? Tirando os capas duras não temos nada de qualidade no minimo mediana, nada! Para de defenderem a Abril por que nunca vai mudar, prestem atenção! A algum tempo o Brasil estava em melhor condição e não tínhamos nada "superior", parem com isso, não se acomodem.

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Não Cledson, não sou pt nem recebo bolsa. É q penso q o Luciano não deveria comparar o mercado brasileiro de quadrinhos à países em piores condições de mercado (de quadrinhos) que o nosso! Não devemos nos acomodar (e a editora principalmente) porque "na América do Sul e Central INTEIRAS somente o Brasil edita quadrinhos Disney". Somos os únicos? Blz, mas isso não nos torna os "caras"! Esqueçam os piores. Temos que pensar como uma grande empresa que olha sempre para os melhores concorrentes, em busca de vence-los e alcançar (ou manter) o primeiro lugar! É claro que o Brasil nunca vai vender mais quadrinhos que a Europa ou o Japão por exemplo, mas é neles que as editoras devem se espelhar; pq talvez com eles, aprendam algo mais! O problema é que o Luciano disse: "pô, caras, vamos parar de reclamar da Abril, pq ela já faz muito mais que toda a América Latina"... Mas devemos reclamar sim, sempre de forma construtiva, pq a Abril ainda precisa melhorar muito as suas publicações em termos de distribuição, impressão e principalmente, encadernamento! Se não tiver reclamações, acomoda-se, mas se tive reclamações a ponto de incomodá-los, procurarão a excelência! E já que o Luciano tocou em economia, política... aí sim concordo com tudo o que foi dito! Somos os "melhores" da América do Sul também no que se refere a potência econômica, afinal, somos a 7ª nação mais rica do mundo, no entanto, somos também, pelo 5º ano consecutivo, o país que mais cobra imposto (dentre os 30 mais) com pior retorno ao povo! O Chile por sua vez, pode não ser a potência que nós somos, porém, o seu povo está melhor que o nosso! Somos um país rico de povo pobre! Infelizmente, o vergonhoso resultado disso mencionado pelo Luciano: "mas na hora de usar essa capacidade temos sido uma vergonha se comparados com os vizinhos" é a corrupção e a má administração do atual governo e de governos passados! Quanto aos quadrinhos Disney, a Abril tem medo de ousar, daí o exemplo q dei dela só arriscar os capa-duras agora! Editoras menores já estavam publicando quadrinhos em capa-dura, bem antes! Temos muito mais capacidade de produzir e vender quadrinhos, do que qualquer país da América do Sul; já começa pelo tamanho da nossa população... mas a se conquistar!

    ResponderExcluir
  19. Porque o Super Pato faz tanto sucesso na Itália e aqui no Brasil não lançam quase nada dele? Faço campanha pra uma nova revista mensal, só com histórias do PAPERINIK!

    ResponderExcluir
  20. Concordo com grande parte do que o Luciano disse é que outros defenderam, o fato é que se a ebal tivesse os direitos autorais que a abril tem, conforme conheço a história do fundador, que era de fato um aficcionado por quadrinhos, e inclusive foi pioneiro quando teve a ideia genial ainda na década de 40 de introduzir dentro de uma revista aquilo que ninguém acreditava, um chamado "suplemento juvenil" que reunia várias tiras de quadrinhos e ter iniciado a produção de Gibis no Brasil através desse tipo de inserção, eu tenho certeza que uma ebal da vida daria muito mais valor nessa exclusividade que abril tem em relação à Disney! Até porque o material que a ebal publicou na metade do tempo da abril, se brincar tem muito mais...rsrsrs...foi muita coisa! Inclusive não sei se vc sabem mas tem uns pato donald em preto e branco que saiu pouquíssimas, mas em fim, o fato é que contudo que falei em relação a abril tem um descaso fortíssimo em relação aos disneyanos! Acredito que não seja culpa do máfia e de sua equipe, mas isso é irrefutável, é só porque publicaram todos esses anos não posso continuar calado, devemos sim usar a voz dos blogs! E acreditar que alguém poderia usar isso lá na adm da abril em nosso favor, uma coisa eu garanto e tenho certeza, a abril nunca deu gibi de graça pra ninguém aqui, repito, o único elo de reciprocidade entre nós e os Gibis é nosso dinheiro! Até porque foi com nosso dinheiro que se mantiveram até hoje, já é hora de ouvirem a voz do colecionador brasileiro que por décadas clama e súplica por um material decente!

    ResponderExcluir
  21. Nossa esse material italiano é um sonho

    ResponderExcluir
  22. Nossa esse material italiano é um sonho

    ResponderExcluir
  23. Eu não vou entrar em pauta de política pq aqui não é o lugar, mas fico impressionado como a maioria repete os mantas da mídia. O analfabetismo brasileiro em Ciências Sociais é preocupante.

    Agora mudando de assunto, eu não estou disposto a gastar muitos reais em um material italiano, tirando um ou outro caso não fico motivado. Espero que os futuros capas dura não esqueçam do Clássico.

    ResponderExcluir
  24. E para o Unknown eu também defendo uma revista fixa ou especiais para Darkwing Duck, Superpato e genéricos como DD, mas por motivo diferente, eu não curto esse material e me incomoda esse material ficar comendo 30, 60, até mais de 80 páginas! De várias revistas por infinitas edições...

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.