' '

25 de ago de 2015

Peninha em destaque nos EUA (e mais)

Se depender das editoras americanas, Peninha continuará fazendo parte da Família Pato. Criado por Dick Kinney em 1964, o resgate do personagem em seu país foi intensificado pela Gemstone, que restaurou e incluiu diversos clássicos nos gibis que lançou entre 2003 e 2008; continuou na editora seguinte, a BOOM!, que chegou a apresentar ao público americano a HQ brasileira de origem de seu alter ego, o Morcego Vermelho; e prossegue naturalmente na atual, a IDW, onde o personagem já estrelou uma história e estampa capas inéditas e exclusivas.  


Artes de Andrea Freccero especialmente para a americana DONALD DUCK #7 (18/nov/2015). Visite aqui o blog do artista


 Peninha foi criado por Dick Kinney em 1964, como consta de verbete da Enciclopédia Disney, compêndio oficial das criações, artistas e atrações do maior conglomerado de entretenimento do mundo. No ano de seu cinquentenário, a Editora Abril lançou um DISNEY TEMÁTICO histórico, cuja produção teve colaboração deste Planeta Gibi. Você pode adquirir o volume aqui, em nossa loja virtual


Esta nem será a primeira vez que o personagem estampará uma capa da nova série de DONALD DUCK...


Peninha já apareceu na capa principal da edição #3, de junho, desenhada também para ela especialmente — daquela vez, pelo Mestre Disney Giorgio Cavazzano...



...autor, junto com Giorgio Pezzin, da HQ de abertura da edição, protagonizada por Peninha. Paperoga e l'isola a motore (Itália, 1976) foi rebatizada The Siege of Nothing Atoll. Essa HQ foi publicada no Brasil uma única vez, remontada, em GRANDE ALMANAQUE DE FÉRIAS #13 (jun/1989), intitulada Aterrisagem Forçada


Derek Charm é o desenhista da capa deste DONALD DUCK #6 (set/2015). A "italiana" Brigite e o quase esquecido Capitão Mobidique também perfilados com Peninha e outros


RELEMBRANDO DON ROSA X PENINHA
Durante a CCXP (São Paulo, dez/2014), o americano Don Rosa, consagrado por escrever e desenhar A Saga do Tio Patinhas, esteve lá autografando (de graça) e desenhando (R$ 20,00, ou R$ 50,00 por desenho e um pôster colorido autografado). Bastava aguardar na fila. Por cerca de quatro horas. 

Rivaldo praticamente o desafiou: você me desenharia o Peninha? A resposta foi lacônica (e esperada, mas não custava tentar; quem sabe aquele não se tornasse um momento histórico): "Eu não desenho esse cara" — literalmente: "I don't draw that guy". 

Momentos depois, justificou: "Eu o desenhei uma vez, para a Árvore da Família Pato. Sou seguidor do trabalho de Carl Barks. E Barks nunca desenhou o Peninha". 

O artista reafirmou o que sempre foi dito: Peninha só está na árvore por determinação da Egmont (editora nórdica, que primeiro publicou a Saga). E nem adiantou argumentar que Peninha é muito famoso na Europa e no Brasil. Rosa encerrou o assunto com um "eu sei disso, mas nos Estados Unidos ele não é". 

Hm. Parece que as editoras americanas pensam diferente.

E POR FALAR NOS GIBIS AMERICANOS...

Não podem passar em branco pelo menos dois títulos que a IDW está trazendo ao mercado.


Superpato, O Diabólico Vingador, um dos maiores clássicos italianos (reeditado no Brasil mais recentemente no DISNEY TEMÁTICO #25 SUPERPATO, O LEGADOcompre aqui, em nossa loja virtual), será finalmente publicado nos EUA, a partir de DONALD DUCK #5, deste mês.


E oficialmente em 16/set próximo, a IDW lançará o volume inicial da desde logo e sempre mais que esperada e desejada coleção DONALD DUCK: THE COMPLETE DAILY NEWSPAPER COMICS. Ou seja, as tiras diárias de jornal de Al Taliaferro, o pai da Família Pato. Nessas preciosidades, nunca antes compiladas de forma integral, surgiram Huguinho, Zezinho & Luizinho, Margarida, Vovó Donalda, Gansolino e Prof. Ludovico

Foram também nelas que estrearam nos quadrinhos o cão São Bernardo de Donald, o Bolívar (em 17/mar/1938), o mítico carro 313 (em 1/jul/1938) e o burrico Basil (28/nov/1937). 

Como se não bastasse, Taliaferro desenhou ao menos uma dúzia de tiras com tramas de Carl Barks (roteiro de seu parceiro mais constante, Bob Karp) entre 25/mai/1938 e 6/fev/1939. Não consta que essas tiras tenham sido compiladas em algum gibi da Editora Abril e, certamente, ficaram de fora de O MELHOR DA DISNEY: AS OBRAS COMPLETAS DE CARL BARKS

Longe de esgotar o assunto que envolve essa obra, também vale destacar que são nessas tiras que Taliaferro apresentou a curiosa figura do Tio Patinhas de casaca preta, já nos anos 1960. 

Antes disso, na década de 1950, o artista deu uma mãozona para aqueles que defendiam que a "mexicana" Donna (da animação Don Donald, de 1937) não seria Margarida, promovendo um encontro e um arranca rabo entre elas por algumas tiras (a citada Enciclopédia Disney estabelece: Donna e Margarida são a mesma personagem). 

Antes, ainda, no final de 1941, apresentou-nos uma sobrinha de Margarida, Dottie, que durou apenas duas tiras; Carl Barks nos mostraria o trio Lalá, Lelé e Lili apenas em 1953 (originalmente nomeadas April, May e June). 

O MELHOR (MESMO) DA DISNEY

Ou seja, se nos coubesse determinar como continuaria o título brasileiro O MELHOR DA DISNEY, não haveria um nanossegundo para dúvidas: AS OBRAS COMPLETAS DE FLOYD GOTTFREDSON e AS OBRAS COMPLETAS DE AL TALIAFERRO. Seminais. Todo o resto veio daí. 


Por E. Rodrigues


11 comentários:

  1. Fico contente ao ver que o Peninha continua em evidência, seja através das histórias italianas ou do destaque dado a ele nas capas americanas (para ficar melhor, só se a Abril voltasse a produzir novas histórias do personagem).

    E, embora eu tenha consideração e respeito pelo material do Don Rosa - e entenda que ele tem o direito de desenhar o personagem que quiser - acho que quem sai perdendo com isso é ele. A dinâmica entre Donald e Peninha é única.

    Sei que parece uma comparação descabida, mas Peninha >>>>>>>>> Rosa.

    ResponderExcluir
  2. Superpato - o legado, não trata da origem do Fantomius ?

    ResponderExcluir
  3. Sem exagerar muito, Peninha aparece na semanal TOPOLINO quase tanto quanto o próprio Mickey. Assíduo. E sendo TOPOLINO o receptáculo de praticamente toda a produção inédita de HQs Disney nos últimos anos (e dali sendo redistribuídas para Brasil, resto da Europa e EUA). Portanto, o personagem não precisa de nenhuma "forcinha" nossa para se comprovar popular.

    É que a gente gosta de se divertir com essa suposta rixa Peninha X Don Rosa.

    Abs.

    E. Rodrigues

    ResponderExcluir
  4. Bond, em abr/2013 nós resumimos assim o que seria SUPERPATO O LEGADO:

    Conteúdo: O anti-herói Fantomius, precursor do Superpato, e sua lânguida amada, Dolly Páprika, estrelam a saga iniciada na Itália no final de 2012 (inédita no Brasil). Em seguida, a origem do Superpato, O Diabólico Vingador, pode ser conferida na íntegra — uma das melhores HQs já produzidas, com trama de Elisa Penna, roteiro de Guido Martina e desenhos de Giovan Battista Carpi. E aqui cabe um parêntese. Reza a lenda que há 3 diários de Fantomius: o primeiro, justamente encontrado por Donald em O Diabólico Vingador. O segundo, revelado em O Retorno à Vila Rosa (de Fabio Michelini e Carpi, revista em fevereiro em DISNEY BIG #19 e, por isso, não republicada aqui). O terceiro, em O Verão na Vila Lalla (de Michelini e Gervasio, 2002, publicada no Brasil pela primeira vez aqui, neste especial). Por fim, o volume trará a mais recente produção com o alter ego de Donald, Superpato e o Castelo dos Segredos (de Carlo Panaro e Stefano Zanchi).

    Abs.

    E. Rodrigues

    ResponderExcluir
  5. Depois que o último OMD saiu, imaginei que haveria uma continução lógica com "As Obras Completas de Floyd Gottfredson". Ainda tô esperando. Se sair compro todas.

    ResponderExcluir
  6. OLHA, DESMERECER CARL BARKS QUE TRABALHAVA AO LADO DE TALIAFERRO NAS TIRAS DE JORNAIS E UM ABSURDO, ELE PATICIPOU SIM COMO SE FOSSE UM CO-AUTOR DOS PRIMEIROS PATOS, E EM SEGUIDA CRIOU O TIO PATINHAS JUNTAMENTE COM OUTROS, PORTANTO OS CREDITOS DE PAI PODE IR PROS DOIS ARTISTAS, AINDA MAIS NOS DIAS DE HOJE QUE LUTAM TANTO PRA MUDANÇA NO PERFIL DE "FAMILIA TRADICIONAL"..RSRSRS!

    ResponderExcluir
  7. Coisa linda esse "THE COMPLETE DAILY NEWSPAPER COMICS" do Pato Donald (o das pranchas dominicais coloridas também)! Sonho de consumo; mas em português, publicado no Brasil (não importa se pela Abril ou outra editora, mas gostaria mesmo é de ver saindo pela L&PM nos mesmos moldes de Peanuts completo... e naqueles box com dois, de preço super acessível)! O mesmo serve para o Mickey, que é a minha preferência entre os materiais antigos!

    ResponderExcluir
  8. Por favor, onde eu consigo comprar os Disney em inglês no Brasil.

    ResponderExcluir
  9. Fabio,

    Se você se refere a essas publicações da IDW: elas não são comercializadas no Brasil.

    Abs.

    E. Rodrigues

    ResponderExcluir
  10. Fabio, você pode tentar procurar no site da Amazon brasileira. É tão segura e eficiente quanto a americana.

    ResponderExcluir
  11. O Peninha aparece normalmente nas HQs atuais. O Morcego Vermelho que não.....

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos.
• Incluam ofensas e palavrões;

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.