' '

29 de mai de 2015

65 Anos Bem Contados: 1971-1980 (Parte 2 de 3)

Aqui avançamos de 1974 até ago/1977. Temos as comemorações dos 25 anos do gibi O PATO DONALD e da própria Abril, as estreias de LULUZINHA, BOLINHA, A TURMA DO PERERÊ, HERÓIS DA TV (o gibi cult de Hanna-Barbera), JORNADA NAS ESTRELAS, PERNALONGA, CACÁ E SUA TURMA, SPEED RACER e PELEZINHO, além de mostrar GABOLA e SCUBIDU. Ou seja: quem tiver e se dispuser a vender hoje todas essas coleções consegue comprar terras no Japão. 

A grande lacuna é a ausência de anúncio do álbum de figurinhas Galeria Walt Disney, uma febre que acometeu de crianças a adultos, em escala talvez somente similar, nos dias de hoje, ao sucesso dos álbuns de futebol da Panini.


LULUZINHA estreou na Abril em jul/1974. O PATO DONALD registrou isso em sua edição #1184, de 19/jul. Depois de quase vinte anos na editora O Cruzeiro, onde debutara em seu gibi próprio no Brasil, a menina esperta e divertida criada por Marge e eternizada por John Stanley teve o privilégio de começar aqui já com título só seu — enquanto que quase todos seus "colegas" tiveram que ser testados antes em edições esporádicas de DIVERSÕES JUVENIS, exatamente como ocorreu com...



...BOLINHA, que em jan/1975 teve sua primeira edição pela Abril (anúncio em PD #1210, 17/jan) no #18 de DIVERSÕES JUVENIS, onde também intitulou os #21 e 24. Em setembro daquele mesmo ano, o menino partiria em jornada solo, mas com numeração não reiniciada. Portanto, BOLINHA não possui formalmente as edições #1, 2 e 3, já que o título independente começou a partir do #4.

A turma de Lulu e Bolinha faria tanto sucesso pela Abril que a editora chegou a produzir em seu estúdio muitas HQs para rechear as edições a partir do final dos anos 1980, quando as produções originais americanas acabaram e as republicações eram cada vez mais constantes. Somando todos os títulos, especiais e almanaques, a dupla teve nada menos que 473 edições na Abril. E quando em jul/1995 saiu a última edição de LULU E BOLINHA, os leitores tiveram que esperar mais de 15 anos para revê-los nas bancas: a Pixel-Ediouro, animada com as vendas de LULUZINHA TEEN, colocou-os de volta no mercado, em edições mensais e alguns especiais, por um período de 4 anos




Também oriunda de O Cruzeiro foi A TURMA DO PERERÊ, de Ziraldo. Acima, página de O PATO DONALD #1230 (6/jun/1975)



HERÓIS DA TV foi um dos dois títulos que estreou em DIVERSÕES JUVENIS mas que, ao ganhar revista independente, teve a numeração reiniciada (o outro foi SUPER MOUSE, inicialmente chamado POSSANTE). O gibi mostrado acima (em ZC #1233, 27/jun/1975) é o sonho de consumo de muito marmanjo por aí, chegando a atingir preços estratosféricos em leilões virtuais. Algo similar ocorre com o seu "número zero", a edição #15 de DJ — na verdade, ainda mais rara e valorizada



O PATO DONALD #1234, de 11/jul/1975, teve o dobro de páginas e capa em couché (como já ocorrera com a tal "edição #1000"). Claro: estava comemorando os 25 anos da revista. E trouxe em suas páginas o anúncio acima. Pererê depois teria 4 almanaques editados pela Abril em meados da década de 1980 ("edições especiais de DIVERSÕES JUVENIS") e mais 2 no início dos anos 1990



Acima, O PATO DONALD #1236 (18/jul/1975) divulgou as três edições do SUPLEMENTO COMEMORATIVO DE 25 ANOS — muito cobiçadas até hoje, apesar de singelas. Prova de que de boba a Redação Disney não tinha nada, o conteúdo é 100% Barks



Mais uma licença estreando em DIVERSÕES JUVENIS: JORNADA NAS ESTRELAS foi a atração do #25 (anúncio em PD #1238, 1/ago/1975). Mas suas 5 edições seguintes saíram em título próprio (o gibi não possui, portanto, uma edição com o #1 no expediente). O título teria ainda um especial de 196 páginas em 1978 (também com capa de Napoleão Figueiredo). Dois anos depois, a Abril ainda publicaria a adaptação do filme em quadrinhos (feita pela Marvel) e, no início da década de 1990, quadrinhos de STAR TREK produzidos pela DC Comics



Anúncio em O PATO DONALD #1248 (10/out/1975). Veja no capítulo anterior desta série a trajetória dos gibis da Warner no Brasil desde a Abril até Panini/On Line



DISNEY CAPA BRANCA #2 encerrou as comemorações dos 25 anos de O PATO DONALD e da própria Editora Abril (anúncio em PD #1254, de 21/nov/1975). É válido registrar que, estranhamente para as publicações de então da Editora Abril, esses especiais capa dura não foram vendidos só nas bancas (E. Rodrigues, deste Planeta Gibi, comprou seu exemplar no Mappin da Praça Ramos). 

O conteúdo quase completo dessa edição foi replicado pelo Círculo do Livro (empresa do Grupo Abril) sob o título VIVA DONALD tempos depois (veja detalhes disso em Quadrinhos Disney Fora da Abril Parte 2)



Olhe bem para o gibi acima (divulgado em ZÉ CARIOCA #1283, 11/jun/1976): trata-se do primeiro almanaque não-Disney publicada pela Abril. PERNALONGA ESPECIAL, de mai/1976, depois foi considerado pela editora como a edição #1 do ALMANAQUE DO PERNALONGA. Houve outros especiais similares pela Abril, até que a SÉRIE ALMANAQUE estreasse, no início de 1979, e de certa forma banalizasse essas compilações

TODOS OS ESPECIAIS NÃO-DISNEY DA ABRIL (PRÉ-SÉRIE ALMANAQUE):
1
mai/1976: PERNALONGA ESPECIAL (depois considerado ALMANAQUE DO PERNALONGA #1)
2
nov/1976: LULU E BOLINHA VIAJANDO PELO MUNDO (depois convencionado ALMANAQUE LULU E BOLINHA #1)
3
dez/1976: ALMANAQUE DA MÔNICA (internamente codificado MNE, ou "Mônica Especial" #1)
4
jul/1977: FLINTSTONES ESPECIAL
5
nov/1977: ALMANAQUE DA MÔNICA [#2; sem nenhuma indicação de numeração em parte alguma da revista, porém]
6
dez/1977: SPEED RACER ESPECIAL
7
dez/1977: PANTERA COR-DE-ROSA E O INSPETOR ESPECIAL (depois, ALMANAQUE DA PANTERA COR-DE-ROSA #1)
8
fev/1978: FLINTSTONES ESPECIAL [#2]
9
fev/1978: SCUBIDU SUPERESPECIAL [canto do cisne da primeira incursão da Hanna-Barbera na Abril]
10
mar/1978: JORNADA NAS ESTRELAS ESPECIAL
11
jun/1978: ALMANAQUE DA MÔNICA #3
12
out/1978: LULU E BOLINHA FESTA DAS BRUXAS (depois, ALMANAQUE LULU E BOLINHA #2)
13
out/1978: PERNALONGA ESPECIAL (#2; depois, ALMANAQUE DO PERNALONGA #2)
14
dez/1978: ALMANAQUE DO CEBOLINHA #1

Nos dois anos e meio em que esses especiais circularam, apenas duas revistas de peso não ganharam os seus: O GORDO E O MAGRO e SUPER MOUSE. O PICA-PAU estrearia logo no 2º número da SÉRIE ALMANAQUE, em 1979.



A Abril começou a publicar tiras de jornais em formato talão de cheques em jan/1974, com MÔNICA E CEBOLINHA ESPECIAL. Até jun/1976, quando saiu o primeiro similar com personagens Disney (AS MELHORES PIADAS DO PATO DONALD), mais 4 edições com personagens de Mauricio já tinham sido publicadas (inclusive a primeira revista com o nome do Cascão na capa). 

Pois em seguida a esses viria AS MELHORES PIADAS DO PINDUCA, que a Abril anunciou em ZC #1293 (20/ago/1976) sob o selo QUADRINHOS FORA DE SÉRIE. Era a primeira vez que a editora publicava algo da King Features Syndicate. Até fev/1977, sairiam também edições dedicadas a ARCA DE NOÉ, POPEYE e PROF. TANTÃ



A BELA ADORMECIDA, como anunciada em O PATO DONALD #1306 (19/nov/1976), foi a segunda edição especial avulsa para adaptação de um Clássico Disney (a primeira foi DUMBO, como mostramos no primeiro capítulo desta série). Em formato álbum, é hoje bastante rara



TIO PATINHAS ESPECIAL foi o terceiro DISNEY CAPA BRANCA. Anúncio publicado em PD #1308 (de 3/dez/1976)



A AGENDA DISNEY 1977, mostrada em PD #1308 (de 3/dez/1976), consta da lista dos colecionadores de HQs Disney porque cada página apresenta uma tira clássica



O segundo título de Ruy Perotti na Abril, GABOLA, teve sua edição #3 assim divulgada nas páginas de ZÉ CARIOCA #1311 (24/dez/1976). E, como SATANÉSIO, durou pouco, apenas 6 números — hoje todos raríssimos



SPEED RACER estreou na última edição de DIVERSÕES JUVENIS, #40, em jan/1977 (PD #1314, de 14/jan). Virou título independente em seguida — totalmente cult e totalmente caro— e seguiu até o #18, em dez/1979. Trata-se de mais um gibi que não possui formalmente o #1, a propósito.

Mas... se DIVERSÕES JUVENIS acabou em jan/1977, como houve "edições especiais de DIVERSÕES JUVENIS" por muitos anos mais depois disso? Bem, a Abril manteve o título registrado para usá-lo como um guarda-chuva. Até CAPITÃO AMÉRICA foi lançado sob esse selo.

Algo similar ocorreu quando a Hanna-Barbera se mudou para a RGE, em 1978: a Abril manteve a marca HERÓIS DA TV e em seguida a usou para a famosa revista mix da Marvel. E a usou novamente, nos anos 1990, para publicar uma série de quadrinhos onde se revezaram mensalmente MASKMANSPIELVANBLACK KAMEN RIDERCYBERCOP. E a usou de novo, pela última vez (ufa!), para intitular uma revista informativa



CACÁ E SUA TURMA, de Ely Barbosa, estreou em fev/1977 e durou apenas oito números. Partiu para a RGE, onde teve melhor sorte: a editora da Globo investiu maciçamente no lançamento, com direito a propaganda de TV com desenho animado e jingle (inesquecível para quem viu: "Cacá e Sua Turma vêm chegando por aí... entre nesse mundo..." etc.). Calhau publicado em PD #1320, 25/fev.

Tempos depois, os personagens de Ely Barbosa (irmão do novelista Benedito Ruy Barbosa) seriam uma das apostas da Abril para ocupar o buraco aberto pela saída de Mauricio de Sousa para a RGE/Globo



O sonho de consumo de 10 entre 10 crianças da década de 1970: conseguir um desses gibis de "terror" SCUBIDU ESPECIAL. Sem número na capa, foram apenas 5 edições, em pouco mais de um ano. O da propaganda acima (PD #1342, 29/jul/1977) é o #3

E se essas edições hoje são raríssimas, o que dizer dos outros 6 números de SCUBIDU que a Abril publicou entre jun/1981 e fev/1982, quando a HB retornou ao seu catálogo? Não é nem questão de estufar o peito e dizer "eu pago!": simplesmente nem são encontrados à venda. Boa sorte para todos os pobres colecionadores!



Acima, prévia de lançamento de PELEZINHO, em O PATO DONALD #1342 (29/jul/1977). Na edição seguinte, saiu a propaganda abaixo



PELEZINHO foi um sucesso retumbante em seu lançamento. Tanto que o gibi evaporou das bancas e a Abril teve que providenciar uma segunda edição às pressas (nada a diferencia, no entanto, da primeira tiragem)



Por E. Rodrigues & Rivaldo Ribeiro
Publicado originalmente em 6/jan/2011







15 comentários:

  1. S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L

    Uma coisa q n tem nada a ver. Vcs vão por os 10 almanaques a venda essa semana? So tem alguns no site, n quis comprar em outros lugares, rsrs

    ResponderExcluir
  2. A Agenda Disney 1977,cada página trazia uma tira clássica...

    Nossa que interessante isso!:D

    ResponderExcluir
  3. Não dá para entender porquê a Maurício de Souza Produções opta por traços tão arredondados e certinhos de seus personagens da Turma da MÔnica. Até o início dos anos 80 eles não eram tão certinhos assim e a graça era muito maior. Está aí a capa do Pelezinho e as da Coleção Histórica para mostrar isso.
    Não precisa voltar ao que era, mas havia uma época em que os traços atingiam um meio termo (nem eram escrachados demais e nem tão certinhos) e essa época poderia ser trazida de volta com matrial e produção nova.
    Mas acho que isso é meio que uma utopia minha, né?
    As histórias pela Panini vem melhorando, mas os traços continuam os mesmos...

    Abraços. FabianoCaldeira.

    ResponderExcluir
  4. Bom Sergio, tudo bem?

    Ao contrário do que muitos diziam, o lançamento dos almanaques foi um grande sucesso.

    Tanto que a primeira leva se esgotou bem rápido!

    Entre em contato pelo 'fale conosco' da loja.

    Att.
    Rivaldo

    ResponderExcluir
  5. 1) Quem desenhou o primeiro anúncio do Pelezinho? O Cebolinha que aparece ali parece drogado, digno do site "P####, Mauricio".

    2) No anúncio do Cacá e sua Turma, é interessante notar no canto esquerdo o texto de copyright foi escrito a mão. É o único texto de copyright em todos os anúncios desta postagem que não foi composto.

    3) Eu já tive aquela agenda de 1977, embora não me lembre como chegou à minha mão. Como em 1977 eu faria um ano e eu me lembro dela, é possível que meu pai a tenha me dado bem depois. Mas não só não me lembro de como isso ocorreu como não me lembro o que foi feito dela. E olha que eu era MUITO chato com as minhas revistas. Quer dizer, sou até hoje.

    4) Sobre os almanaques atuais, até agora ainda não vi todos. Os do Pato Donald, Peninha e Tio Patinhas não achei ainda. Não procurei taaaanto assim, mas já olhei em pelo menos umas cinco bancas.

    ResponderExcluir
  6. Olá, boa tarde!
    Se a pessoa deixa de comprar uma revista que deseja porque outras disseram que não é boa, acho que essa pessoa não tem opinião própria. Eu, por exemplo, fiquei muito interessado nesses Almanaques. Sõ não comprei ainda porque tive problemas aqui que me comeram um bom dinheiro, teve festas de fim de ano e agora, que pensei que estaria tranquilo, surgiu um pepino pra resolver entre este mês e o outro e ele vai me comer um bom dinheiro, mas isso é para eu aprender a não ignorar certas coisas burocráticas quando se fecha um negócio às pressas. Vivendo e aprendendo.
    Também, Rivaldo, você pode até discordar de mim, mas a minha opinião é que o respeito e a comunicação de vocês para com os clientes é tudo de bom.com e isso interfere positivamente, sim, no andamento das vendas de suas revistas.
    Abraços. Sucesso.
    FabianoCaldeira.

    ResponderExcluir
  7. Minha máquina do tempo preferida é assim: coloco as revistas dos anos 60 e 70 pertinho de mim, abro várias delas e leio uma história aqui, outra ali, aprecio os detalhes... e assim passo um bom tempo "mergulhado" nessa época. Agora, com relação aos 10 almanaques eles já são um sucesso. Tem gente à beça querendo... e quem bobear fica sem. Obs: "querendo à beça" foi bem anos 70, né?. Abs.

    ResponderExcluir
  8. Paulo, que bom que está gostando dessa série. Aguarde: ela volta na segunda, concluindo os anos 1970.
    Nesse intervalo, fique com a notícia exclusiva que será postada logo mais... e teremos mais algumas coisinhas até domingo...
    Abraço.
    E.Rodrigues

    ResponderExcluir
  9. Eu estou aguardando ansioso as propagandas dos anos 80, que foram os anos da minha infância. Foi em 1983 que ganhei meu primeiro gibi!

    ResponderExcluir
  10. Mais uma vez parabéns ao PlanetaGibi por outra pesquisa interessante e original! PS: Esses almanaques do Scubidu são bem procurados, o Scubidu Superespecial foi arrematado por um valor bem alto para uma edição fora do grupo Disney-Mauricio-Marvel/DC.

    ResponderExcluir
  11. Vocês sabiam que os dois almanaques dos Flintstones (Flintstones Especial) editados pela Abril em 77-78, seguiam um esquema idêntico aos almanacões gigantes editados nos EUA pela Gold Key nos anos 60, tipo Hanna-Barbera Band Wagon?

    ResponderExcluir
  12. E por falar em almanacões gigantes da Hanna-Barbera editados nos EUA pela Dell/Gold Key (na década de 60), encontrei, no blog Plenty of Fun (http://plentyo.blogspot.com), quatro tópicos referentes a estes mesmos almanacões da Hanna-Barbera dos anos 60, editados nos EUA pela Gold Key:

    - a da edição especial dos Flintstones na Feira Mundial (hoje Expo) de Nova York (1964), que conta com aparições especiais de vários personagens clássicos da Hanna-Barbera;
    - o almanacão dos Flintstones de 62: The Flintstones: Bigger and Boulder;
    - o primeiro número do almanaque Hanna-Barbera Band Wagon (outubro/62): que abrange toda aquela leva de personagens clássicos da Hanna-Barbera criados até aquela ocasião. Incluindo: os personagens da trilogia Wally, Lippy & Touché, os personagens dos segmentos das trilogias do Zé Colméia, Dom Pixote e Pepe Legal (com exceção dos carros-chefes destes mesmos shows), os pioneiros Jambo & Ruivão e também o Loopy Le Beau (o único personagem que a Hanna-Barbera criou originalmente para o cinema);
    - e o almanacão do Zé Colméia de 61: Yogi Bear: Yummy Yummy Stories, que abrange estórias do Zé Colméia, Dom Pixote, Pepe Legal e os demais personagens dos segmentos destes mesmos respectivos shows.

    Para vocês darem uma conferida nestes mesmos tópicos, cliquem no tag z-Hanna Barbera e divirtam-se!

    ResponderExcluir
  13. Bom, eu tenho a colação do PATO do 1 ao 2000, com a falta de um numero ou outro. Mas é encadernada em grande parte. Não vou vender mesmo e, sinceramente, creio que se tivesse a coleção inteira sem encadernar, não vale muito neste paiseco, pelo que andei checando nos ultimos anos. Terras no Japão? Nem se for no Jalapão, MG. E tenho quase todos os PERERES, mas dos anos 1960. Abraços

    ResponderExcluir
  14. Nem vendendo a coleção inteira de ACTION COMICS se consegue comprar terras no Japão. Foi só uma brincadeira para informar (quem não sabe) que tais coleções não são vendidas por pouco.

    ResponderExcluir
  15. Vale lembrar que no gibi do Scubidu, Daphne, Velma e Salsicha eram chamados respectivamente de Diana, Vilma e Barbicha. Velma e Salsicha eram loiros e o Fred tinha o cabelo castanho.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos.
• Incluam ofensas e palavrões;

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.