' '

17 de mar de 2015

Por que a irmã de Donald abandonou seus filhos

Huguinho, Zezinho e Luisinho são órfãos? O instinto maternal que traria de volta sua mãe, Dumbela, inexiste? Como ela pôde confiá-los ao irmão Donald e jamais se preocupar em regressar? E o pai dos meninos, cadê? 

Laços de Família, HQ publicada no ano passado na Holanda dentro das comemorações dos 80 anos do Pato Donald, explica a longa ausência de Dumbela. De fato, ela faz mais do que explicar, mas aí o leitor já terá que descobrir por si, ao ler a edição #2442 de PATO DONALD, que chega às bancas no início de abril. 


PATO DONALD #2442
Editora Abril, Walt Disney
Publicação mensal, formato 13,4 x 19 cm, 48+4 páginas cor, lombada canoa, capa couché, R$ 3,90, distribuição nacional. Edição #1806. Lançamento dia 6 de abril.


O roteiro de Ever Geradts e os desenhos de Maximino Tortajada Aguilar recorrem a expediente nada incomum em HQs comemorativas: a profusão de aparições dos mais diversos personagens. Buscou-se aqui, contudo, inseri-los na trama, e não apenas mostrá-los inexplicavelmente num último quadro, todos juntos brindando o aniversário de Donald — evento que, a propósito, não é explicitamente mencionado. 

E de Horácio & Clarabela (um casal?!) a Lobão, de Pinóquio a Havita, e Prof. Pardal e muitos outros, o leitor das antigas vai achar que sintetizaram o espírito de todo um ALMANAQUE DISNEY ou DISNEY ESPECIAL em meras 29 páginas. 

Tio Patinhas aparecer na capa à imagem de sua estreia (em Natal das Montanhas, 1947, de Carl Barks) e não com sua aparência atual tem explicação logo nas primeiras páginas — onde até "aquele cara do Oregon" (Barks, claro) tem vez. 

E todos os leitores — não só os das antigas — provavelmente se sentirão homenageados pelos autores. 

Uma HQ que pode despertar diferentes opiniões. Mas é difícil imaginar que o leitor não achará simpática a sacada dos autores na abordagem da temporalidade, sejam os 80 anos de um personagem que nunca envelhece, seja o tempo que uma mãe consegue ficar distante de seus filhos. 





Além dos quadrinhos, o gibi traz uma matéria espetacular de Marcelo Alencar: o encontro de Barks com artistas italianos em 1975 — com fotos e desenhos do acervo de Alencar, adquiridos em leilão. Apesar desse encontro ser conhecido pelos fãs, é a primeira vez no Brasil que o material será assim compilado e exibido, em qualquer veículo. 

Esta edição de PATO DONALD encerra as comemorações dos 80 anos do personagem, junto com o lançamento do histórico capa dura OS 80 ANOS DO PATO DONALD POR SEUS PRINCIPAIS ARTISTAS (confira aqui o índice completo e adquira seu exemplar em nossa loja virtual clicando no banner abaixo). Vale registrar que no dia 12 de julho o gibi completa 65 anos de circulação ininterrupta no Brasil.

Ah, sim... e o pai dos meninos, cadê? Bem, nem sinal. E isso deve ser uma determinação clara da Disney: os italianos podem contar a história e a glória da Dinastia Pato, Don Rosa pode juntar as peças e as pistas de Barks para compor uma Saga, os brasileiros podem contar a história de Patópolis... Mas ninguém parece ter autorização para retratar o pai de Huguinho, Zezinho e Luisinho (ilustrado oficialmente uma única vez: veja aqui). 


Por Edenilson Rodrigues.



Um comentário:

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos.
• Incluam ofensas e palavrões;

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.