' '

20 de fev de 2015

LULUZINHA TEEN é cancelada nesta 65ª edição

LULUZINHA TEEN está cancelada. A edição #65 chega às bancas e traz a despedida da versão adolescente criada no Brasil na esteira do sucesso da TURMA DA MÔNICA JOVEM (numa curiosa inversão, já que a turma clássica de Mauricio de Sousa surgiu com forte influência dos personagens desenvolvidos por John Stanley). A revista já havia passado por redução de páginas e sua circulação tinha passado de mensal a bimestral, sinais inequívocos de que o pior estaria por vir. 

Se muitos quadrinistas festejam a situação atual das HQs de livraria, com diversidade e aumento de espaço na mídia (vide o sucesso envolvendo o CCXP, em dezembro último, por exemplo) nem tudo são flores no momento justamente no mercado de entrada dos leitores de quadrinhos: a banca. 

Sem se posicionar oficialmente, Panini/MSP parecem ter cancelado diversos títulos da Turma da Mônica, como quase que integralmente a linha de almanaques semestrais, os títulos de PELEZINHO, e as edições em inglês e espanhol da TURMA DA MÔNICA JOVEM. CLÁSSICOS DO CINEMA, muito apreciado por suas sátiras, teve sua circulação reduzida de seis para quatro edições por ano. 

A Abril, por seu lado, informa que não há nenhum cancelamento à vista da linha Disney, e até tem apostado em novos lançamentos, como DISNEY MANGÁ (semanal) e FROZEN (mensal). 



No caso de LULUZINHA TEEN, vale observar que as revistas em quadrinhos que nascem voltadas para uma faixa etária específica parecem não conseguir seduzir uma nova leva de leitores quando seu público alvo amadurece (e, naturalmente, volta-se para novos interesses). Neste caso, pode-se citar W.I.T.C.H. (produção Disney cancelada no Brasil  após quase oito anos de lançamento — boa parte deles com excelente tiragem e várias edições especiais). 

TURMA DA MÔNICA JOVEM, até aqui, constitui uma exceção, ainda que nem de longe se observe o frisson causado em seus primeiros anos — aqueles incontáveis blogs/fansites simplesmente desapareceram. No entanto, é fácil constatar que seu público pode ser renovado justamente com os leitores que vêm da linha infantil. 

O Planeta Gibi lamenta profundamente o cancelamento de gibis de banca. Quaisquer que sejam eles. Sem essa porta de entrada — além do mais, com preços incomparavelmente mais acessíveis do que as HQs de livraria — parece óbvia a redução da popularidade dos quadrinhos no futuro.


O adeus da Turma

Texto publicado no jornal Valor Econômico no pré-lançamento de LULUZINHA TEEN (cuja tiragem inicial era de estonteantes 100 mil exemplares): "A Ediouro acompanhou atentamente o amadurecimento da Mônica de Maurício de Sousa, que também ganhou seu gibi como adolescente, e diz Pedroso que pensou "em como seria o mesmo processo com a Luluzinha". Depois de acertar a autorização com a detentora dos direitos da personagem, a Random House, a Ediouro começou a transformar Luluzinha, Bolinha (magro e músico), Glorinha (fashionista), Alvinho (surfista) e Aninha (geek) em uma turma que falasse com os adolescentes de 12 a 16 anos. O investimento foi de R$ 1 milhão e o lançamento terá ações no ponto de venda e na internet".

O sucesso da versão adolescente motivou a Ediouro a relançar em bancas o gibi clássico da personagem e também de BOLINHA, mais de 15 anos depois de cancelados pela Editora Abril. Por sinal, o Planeta Gibi orgulha-se de ter participado (modestamente) desse retorno dos títulos. No final de janeiro, LULUZINHA (clássica) completou quatro anos de circulação. E BOLINHA teve sua 46ª edição lançada. Esperemos que tenham futuro mais longo e promissor do que sua versão adolescente brasileira.


Por E. Rodrigues



32 comentários:

  1. Sou fã da Luluzinha e do Bolinha. Mas confesso que não comprei nenhuma edição dessa versão Teen.Parei de comprar os gibis (clássicos)por causa da péssima qualidade da impressão. Gostaria de ver publicações mais caprichadas como encadernados de capa dura. Fico triste pelo cancelamento e faço votos para que o gibis tenham vida longa

    ResponderExcluir
  2. Já faz algum tempo que tenho notado o cancelamento de títulos de quadrinhos, e quando não cancelados, voce encontra muito menos quantidade de cada título em bancas, reflexo de baixas vendas, gerando então pedidos cada vez menores. No entanto, o que vemos é uma péssima qualidade de papel nas revistas em bancas e com baixa qualidade de impressão tambem. Comprei alguns titulos em livrarias recentes como Lucky Luke (capa dura), Batman 66 Vol.1 (capa dura) e Tumba de Drácula Vol.1 (capa cartão), todos com boa qualidade de papel e editorial. Talvez seja essa a direção no momento. Quais serão os próximos cancelamentos? Bolinha e Luluzinha Clássicos, Recruta Zero? Quais mais? Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  3. Vocês pedem encadernados de capa dura ???

    isso que acabou com o mercado, a elitização das revistas, largam as revistinhas mensais, e com isso as vendas caem e é cancelado, triste isso.

    ResponderExcluir
  4. As revistas mensais, para poderem sobreviver com preços de capa bem baixos, colocam qualidade bem inferior de papel e de impressão tambem. Ou seja, cobram barato não gerando lucro e não tem vendas expressivas tambem por conta da péssima qualidade oferecida. Fail. Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  5. Não sou nenhum estudioso do assunto, mas acredito que este cancelamento se deve também um pouco ao pré conceito com a revista. Desde o início até os dias de hoje, vejo pessoas ainda com o pensamento de que a revista é uma cópia descarada de Turma da Mônica Jovem e, com isso, nem chegaram a ler, ou várias sequer folhear a HQ. Nítido que embarcaram no sucesso da MSP, mas se lessem iriam descobrir roteiros um pouco melhores que a HQ do estúdio de Maurício. Bom... triste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Me desculpe, mas creio que houve um tremendo equívoco aqui. Os roteiros não são nem de longe melhores dos que o da TMJ, coleciono todos desde que foram lançados, tanto da Monica, quanto Luluteen e agora Chico Jovem.
      Enquanto é notável a evolução do traço dos desenhos e roteiro com histórias surpreendentes na TMJ tivemos o retrocesso na LT deixando claro que a editora queria apenas a grana da galera e não fazer algo fantástico como a MSP tem feito com a TMJ que, de certo, ainda vai durar bons longos anos e eu continuarei a comprar.

      Ósculos e amplexes,
      Misael M.

      Excluir
  6. Temo pelo futuro próximo da Pixel. Só faltam agora Luluzinha, Bolinha e Recruta Zero. Tenho dito faz tempo que o ramo de quadrinhos no Brasil está de mal a pior. Fui criticado por dizer isso, mas é fato. Creio que agora estejam começando a abrir os olhos e ver a real situação do mercado. Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  7. Nunca comprei nenhuma edição da Luluzinha Teen, pq não sou fã dessas revistas de versão adolescente dos personagens. Mesmo assim uma pena e lamentável cancelamento de gibis. O mercado de quadrinhos afundando mais. Triste isso. Tomara q a Pixel não cancelem tbm Luluziinha e Bolinha clássicos e Recruta Zero.

    Ah, já viram o lançamento de mais um pocket L&PM da Turma da Mônica? Esse aqui:

    http://www.lpm.com.br/site/default.asp?Template=../livros/layout_produto.asp&CategoriaID=645528&ID=511108

    ResponderExcluir
  8. Marcos, esse pocket está normalmente listado no checklist GERAL de Fevereiro, confira no link aqui do lado direito do blog. (E, no checklist geral, também o link da lista de todos os pockets da MSP já lançados pela L&PM.)

    Abs.

    ResponderExcluir
  9. Na minha opinião, os gibis elitizaram-se bastante, além de tudo, devido ao próprio público consumidor que envelheceu. Muitos de nós somos da época onde se comprava quadrinhos na banca, só existiam na banca, e não queriamos saber se eram luxuosos ou não. Hoje, o luxuoso nos agrada e,ainda por cima, temos mais condições de comprá-los, por sermos adultos e trabalhadores.
    Notamos, inclusive, que até campeões de venda como Mauricio de Sousa, possuem revistas passiveis de cancelamento, se bem que não declarado.
    Acredito que nossa geração, referente a consumidores de hq's desde anos 70, 80, 90, por exemplo, mantém muito desse fervilhamento de gibis hoje em dia.
    Vemos que essa revistinha de Luluzinha Teen visa um publico adolescente que , hoje, possuem N possibilidades de diversao (inclua internet e gibis virtuais).
    Luluzinha Teen, acabou sendo um revista guerreira em padrões atuais, 65 edições. Infelizmente deixa o mercado quadrinistico órfão, mas cumpriu sua missao e, acredito, vai estar na memoria de algum colecionador Brasil afora, assim como tantos gibis de nossa epoca ficaram na nossa e continuam até hoje, vide a propria Luluzinha classica.

    ResponderExcluir
  10. Assim, caminha... Parece que há futuro para o estilo de historias fechadas por periodo certo (começo, meio e fim) do manga e encadernados em venda em banca. Acrise não só é aqui, mas nos EUA tb. Marvel e DC estão zerando suas revistas em menos 5 anos.

    ResponderExcluir
  11. Na minha modestíssima opinião, a crise nos EUA começou justamente quando começaram a tratar quadrinhos como produto de luxo. Quem tem mais idade se lembra de que os gibis da Marvel e da DC eram vendidos nas bancas do centro de São Paulo e usavam um papel bem barato. Pois quando decidiram transformar cada título regular num simulacro de graphic novel e usar papel LWC tiraram esses produtos da vista (e do bolso) da massa. Deu no que deu.

    Agora, não nos enganemos: os gibis de banca de Mauricio de Sousa e da Disney têm tiragem incomparavelmente maior do que títulos de luxo. Mônica, por exemplo, vende tanto hoje quanto vendia em sua década de lançamento (anos de ouro de vendas de gibis no Brasil).

    E. Rodrigues

    ResponderExcluir
  12. Só para completar: Mônica vende tanto hoje etc. e se a população do Brasil triplicou dos anos 1970 para cá, os gibis mensais da MSP passaram de dois para cinco principais.

    ResponderExcluir
  13. Bem, fico triste por Luluzinha Teen, no entanto, confesso q nunca comprei... Li apenas uma edição e até gostei, mas não o suficiente para querer colecionar! Já Luluzinha e Bolinha clássicos, fiz a assinatura e pretendo continuar colecionando enquanto durarem (assim como aos seus especiais)! Recruta Zero também parei de comprar há um bom tempo, mas pq acabei me cansando dakelas tirinhas com personagens variados... se o gibi fosse só com o Recruta, seria melhor! Já os especiais (assim como o de Popeye), eu tenho comprado! Não acredito que os quadrinhos no Brasil, estejam em crise como o Marcelo diz... claro que cancelamentos sempre existiram, principalmente quanto aos quadrinhos infantis... isso acompanho desde a minha meninice! Dificilmente um gibi infantil passa de 50 edições no Brasil (isso se chegar a meia dúzia)! Eu mesmo parei várias coleções, simplesmente pq chega uma época em q a gente enjoa, e se o público não se renova... Não é o caso de Luluzinha e Bolinha clássicos, p enquanto! Conforme se vê no Guia dos Quadrinhos, a quantidade de lançamentos mensais permanece na média das 170 edições (em dezembro, passou de 240 edições lançadas)!

    ResponderExcluir
  14. Um grande problema aqui no Brasil, para os gibis de banca, é a logística também... o país é grande e temos um serviço de distribuição muito deficiente! Mesmo na região metropolitana de SP... agora q me mudei para o interior do PR, nem digo nada, pq a banca mais próxima fica a 50 km! Mas qdo eu morava em SP, as vezes precisava passar em três bancas, para conseguir comprar os títulos mensais da Disney! Isso na região metropolitana, e mesmo na livraria da estação Barra Funda, aonde passam milhares de pessoas diariamente, muitos não são encontrados lá! Mês passado fui pra SP, e voltei sem Shazam & A Sociedade dos Monstros, pq encontrei em uma banca, mas deixei pra comprar lá (de última hora), crente q encontraria, e então, não tinha um único exemplar! E nem Pateta encontrei também! Tive que comprar por aqui, pela internet e gastar com frete, o q desanima e muito!

    ResponderExcluir
  15. A logística é realmente um problema. Deixei de comprar alguns gibis por causa desse problema, estava cansado de tanto correr atrás dos mesmos até nas cidades vizinhas. Outro problema é a impressão, a Abril é pra mim a editora que mais pisa no tomate, com problemas de paginas duplas e borrões, quando não é aquela impressão que dá a ideia de que a tinta tá acabando. Certa vez comprei um gibi do Mickey e por causa das paginas duplas, fiquei sem saber o final da história e pro meu desespero todos os gibis que encontrei estavam com o mesmo defeito. O que espanta é que com as modernas tecnologias este problema seja recorrente, nos anos 70 e 80 nunca comprei um gibi com esse problema.

    ResponderExcluir
  16. O Almanaque do Louco, semestral previsto para este fevereiro, foi confirmado até agora?

    ResponderExcluir
  17. Não, e provavelmente está cancelado (vide checklist da MSP).

    ResponderExcluir
  18. João Vicente, esse problema gráfico da Abril, de páginas duplas e outras faltantes, em 1 ano e meio, já presenciei três vezes, o q acho um absurdo... e já vi tantos outros reclamando do mesmo problema! Em contato com o Sérgio Figueiredo, da editora, ele disse que estaria cuidando para que esses erros não se repetissem! É esperar pra ver!!! Aliás, deixei de comprar vários gibis por causa dos problemas gráficos também, como os de lombada quadrada da Abril, que são uma porcaria!!!

    ResponderExcluir
  19. A população vai pagar muito caro por cada revista boa que sai das bancas.

    ResponderExcluir
  20. Essa estratégia de marketing chamada Luluzinha teen nunca foi a Luluzinha real. Podia ser qualquer adolescente genérica, ao contrário da turma da Mônica jovem que, pelo menos, respeita o universo e as características dos personagens na sua encarnação original (embora não esteja defendendo a Mônica jovem. Pode ser legal pra molecada. Pra mim, não). Por quanto tempo alguém realmente achou que fosse durar?

    Os quadrinhos no Brasil só estão em crise nas bancas. Prova disso é a quantidade de editoras investindo em quadrinhos. O desafio é conquistar novos leitores sem depender da banca como porta de entrada. Isso já acabou faz tempo. Os leitores pararam de comprar não porque o papel, em determinado momento, ficou luxuoso. Foi porque as histórias ficaram cada vez piores. Nisso, obviamente, estamos nos referindo a Marvel e DC. Tanto é verdade que essa crise não se repetiu (da mesma forma) com Disney e Maurício de sousa.
    Mas houve crise pra todo mundo, até ao ponto dos quadrinhos Disney serem vendidos a 1 real, por exemplo.
    Por fim, dizer que turma da Mônica vende tanto hoje quanto vendia nos anos 70, como saber disso se ninguém, além da MSP fornece esses dados? Eles sempre vão falar que está vendendo bem. A Dinap fornece tais dados?
    Nada é transparente, como afirmar? Se estivesse vendendo bem não inventariam turma jovem mangá de mentirinha, né?

    ResponderExcluir
  21. MÔNICA, CEBOLINHA, CASCÃO, CHICO BENTO e MAGALI são auditados pelo IVC (Instituto Verificador de Circulação).

    Eu escrevi sobre o volume de vendas, no texto acima, baseado nos números do IVC. Se porventura fossem números informados pelo próprio editor, eu escreveria: "o editor afirma etc." e aí acreditaria quem quisesse.

    Abs.

    E. Rodrigues

    ResponderExcluir
  22. Por favor voltem a publicar as revistas da luluzinha jovem eu gosto muito de ler essa revista

    ResponderExcluir
  23. a Pixel Editora cancelou os títulos Luluzinha e Bolinha após 48 e 46 edições respectivamente.

    É uma pena essa notícia e uma grande falta de respeito com os colecionadores, por parte da Pixel.
    Nem sequer se deram ao trabalhado de uma despedida na última edição, a revista foi cancelada sumariamente, assim como as outras, mesmo ainda existindo um enorme acervo histórias inéditas.

    A baixa vendagem se deve a falta de visão e inexperiência por quem deveria ter um pouco de bom senso. As edições começaram sem nenhum tipo de marketing e divulgação, poucas pessoas sabiam da Luluzinha clássica de volta as bancas.

    Também existiam outros problemas como má qualidade de material, má qualidade de impressão(desbotada), péssima edição gráfica, muitas vezes com baixa resolução. Como se não bastasse, muitas edições especiais e almanaques eram lançados sem nenhum planejamento, várias delas iniciavam e terminavam no Nº1, ocorrendo os mesmos erros nas edições especiais seguintes.

    Para os colecionadores, a fidelidade nas compras eram somente devido as boas histórias e aos personagens muito divertidos criados a muitas décadas atrás por Marje.

    Os números para o serviço de atendimento ao consumidor são 0300 3131345 e 21-3882 8300, para quem quiser falar com o editor chefe Daniel Stycer(também encontrado no facebook) para saber maiores detalhes, ou quem sabe pedir a continuação da revista. Se todos colaborarem, as chances seriam maiores.

    ResponderExcluir
  24. Eu já ouvi dizer que a revista da Luluzinha Teen copiou a Turma da Mônica jovem , por que na edição 50 da Tmj o Anjinho vê o futuro da Mônica e do Cebola ,e na edição especial da Lulu Teen , eles também veem o futuro da Lulu e do Bola !

    ResponderExcluir
  25. eu amava o gibi é comprava ele todo os tempos, a revista era legal d+ chamava muito a minha atenção mais a qualidade era ruim é se bem que era cara para aquele tipo de qualidade, não é a toa que isso aconteceu mais espero que eles quadem um polco de dinhero para fazer um gibi melhor ;)

    ResponderExcluir
  26. Gostei de luluzinha teen mais por que é um gibi bem grandãoo até me assustei, comprei 2 ontem numa promoção de 2 por 5 hehe, mais o preço de capa é 6,40 eu acho, e nossa mais que gibi enorme, a e a qualidade não é aquela coisa chata, ruim... sei lá por mim continuava...

    as edições que vieram foram a 33 NOVA TEMPORADAAA "dexa qualquer um doido hehe" é uma que todo mundo esta vestindo as roupas antigas, " capa bonita em... contra-capa também em... impressão de capa é de 'assobiar alto', só não gostei da " do episodio 1 segunda temporada edição 5 " sei lá ....mais da pra levar, é legalzinha sim em varias partes e se dependesse dela pra mim comprar outras eu compraria sim, mais o que eu não gostei muito e que eu acho que tem um pouquinho demais, claro que não chega assim a atrapalhar muito-ti.si.si.si.mo são os beijos que eu achei um pouquinho fortes,;.; MÁSSSS tirando isso o gibi é SUPERRRRRR !!!! hehe

    ResponderExcluir
  27. estou muito triste. . sinto saudades de ler a revista, me fazia bem ler me lembrava coisas boas da minha vida

    ResponderExcluir
  28. Mayra, muitos leitores ainda escrevem lamentando o fim da revista.

    Além disso, mais uma porta que se fecha para artistas brasileiros, que produziam esse material.


    Abs.

    E. Rodrigues

    ResponderExcluir
  29. A Luluzinha Teen fez um trabalho muito bom no início, as histórias eram dividas em temporadas de 4 revistas, o que possibilitava um desenvolvimento maior dos personagens, e o roteiro era muito bom e mais maduro se comparado a TMJ na época, que prometeu histórias maduras, mas foi bastante infantil no início. Eu e meus amigos até comentavam como a Lulu Teen era melhor que TMJ devido as histórias bobinhas dessa última.
    Mas infelizmente o formato de temporadas da LT terminou na edição 16 e daí começou as histórias bobinhas pra minha decepção. A qualidade decaiu muito comparado ao que era. E daí foi só ladeira a baixo: mudaram o formato da revista pra desespero dos colecionadores, daí depois reduziram as páginas e a revista passou a ser no formato canoa, publicações bimestrais... Um desastre só. Se ao menos as histórias fossem boa como no começo... Muito triste.

    ResponderExcluir
  30. poxa que pena que não foi para frente, eu gostei muitos deles!!!!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.