' '

28 de out de 2013

A polêmica ilustração de Don Rosa

Enquanto o Planeta Gibi recarrega as baterias, relembre diariamente aqui alguns posts bacanas. Voltamos aos inéditos a partir de 16 de novembro, quando o Planeta Gibi Comic Shop completa 7 anos no ar! 

Publicado originalmente em 12/abr/2009. 

É totalmente estranho ao leitor de gibi deparar-se com a morte de seus personagens queridos (exceção feita a quadrinhos de herois, onde desaparecimentos são frequentes — e milagres de ressurreição também, diga-se, já que estamos na Páscoa!). 


Daí o choque de se ver Margarida, Donald e os sobrinhos chorando em frente a um túmulo.

Tio Patinhas está morto, segundo Don Rosa.

Mas pouca gente sabe disso.

Em 1991, o fanzine alemão Der Hamburger Donaldist publicou em sua edição #77 a polêmica ilustração de Don Rosa, reproduzida abaixo. 

Curiosamente, a Disney, sempre tão zelosa da imagem e da longevidade de seus personagens, não se incomodou em publicá-la no belo especial WALT DISNEY TREASURES VOL. 2: UNCLE SCROOGE: A LITTLE SOMETHING SPECIAL: SIXTY YEARS OF COMICS RICHES (ufa!), da Gemstone, em 2008.


Esse zelo pode ser muito bem ilustrado pelo caso O Casamento do Pato Donald (SÉRIE OURO DISNEY #1, de 1987), amplamente divulgado nos jornais da época. 

Os estúdios da Editora Abril somente obtiveram aprovação da Disney para sua produção e publicação quando aceitou as regras do jogo: a HQ não só teria que deixar bem claro que tudo se tratava de um sonho, como teria que incluir recursos gráficos para que o leitor não se esquecesse disso durante a história: as bordas das páginas eram coloridas e o estilo de desenho mudava drasticamente entre os capítulos!





Por Rivaldo Ribeiro & E. Rodrigues. 

7 comentários:

  1. Não gostei muito dessa idéia de Don Rosa, para os fãs que encaram os personagens Disney como, de certa forma, atemporais, é difícl aceitar algo assim. Acho que, em último caso, se alguém tinha o direito de retratar a morte do Tio esse alguém era Carl Barks, que foi quem o criou.
    HP

    ResponderExcluir
  2. O genial dessa ilustraçào é que considera a cronologia Disney a sério, mesmo que os quadrinhos Disney nunca tiveram essa preocupação. O próprio Walt achava os quadrinhos desimportantes, algo pra ficar em segundo plano. Apenas valorizava as animações. O legal é que, mesmo assim, os fãs conseguem construir uma cronologia que faça bastante sentido, apesar de tudo.

    Dêem uma olhada, nesse link, a "Donald Duck - an hypothetic life story"

    http://www.salimbeti.com/paperinik/en/paperino.htm

    ResponderExcluir
  3. Quando o Donald vai morrer ? Se acontecesse , deveriam publicar a serie The Died Of Donald - The World Is Sad (A morte de Donald - O Mundo Está Triste).

    ResponderExcluir
  4. Fiquei triste ao ver isso,tenho a coleção das Obras Completas de Carl Barks, e tenho tio Patinhas como um ídolo, tanto que tenho um poster dele, quando penso em gastar dinheiro, lembro do pato mais rico, e pão duro, do mundo, mas para mim ele ainda está vivo, pois desenhos não seguem essa lógica

    ResponderExcluir
  5. Vocês tiraram a loja do ar???

    As revistas estarão à venda no Mercado de Pulgas?

    ResponderExcluir
  6. O nome Don Rosa é um sinônimo de polêmica. Ele quis organizar a Família Pato do jeito dele, mas, felizmente, esbarrou em muitas vozes importantes e dissonantes. Ele não pôs fim de vez a existência do Peninha nos EUA por pouco.

    ResponderExcluir
  7. Na cronologia dele, por exemplo, a Donalda teria por volta de 100 anos, algo que contraria totalmente hqs antigas e clássicas. Portanto, esta ilustração é mais uma demonstração pública de ego do Don Rosa que eu ignoro solenemente.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos.
• Incluam ofensas e palavrões;

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.