' '

11 de jul de 2012

ESSENCIAL DISNEY #20 — Donald e Seus Empregos

Por E. Rodrigues & Rivaldo Ribeiro

Mais de 1500 páginas inéditas depois, ESSENCIAL DISNEY chega ao fim. A derradeira edição traz saboroso tema para leitores Disney, novatos ou não: as (in)aptidões típicas de Donald. Além disso, temos aqui ao menos duas pérolas: O Prêmio de Produtividade, dos mestres Rodolfo Cimino e Romano Scarpa, e O Guardião Resguardado, de Giampaolo Barosso e Giovan Battista Carpi, o Carl Barks italiano —ambas lançadas originalmente na década de 1960 e até então inéditas no Brasil. Veja mais a seguir. 


Donald e Seus Empregos Que Não Duram

Por Marcelo Alencar. Pense numa profissão qualquer. Seja lá o que for que esteja passando pela sua cabeça, é enorme a probabilidade de que o Donald tenha exercido esse ofício. Mas não ficou tempo bastante para, digamos, gozar férias pagas ou acumular algumas patacas no fundo de garantia. Foi sumariamente dispensado de praticamente todos os empregos, e por justa causa. É disso que trata o último volume da coleção Essencial Disney: das múltiplas e fugazes ocupações do pato.

Não custa relembrar que, em sua origem, no desenho animado A Galinha Sábia, de 1934, o personagem era um bon vivant, preguiçoso e malandro. Em pouco tempo, no entanto, ele assumiu a responsabilidade de criar os três sobrinhos, Huguinho, Zezinho e Luisinho, que apareceram para visitá-lo em 1937 e foram ficando. Em caráter definitivo, ao que tudo indica. Desde então, Donald teve seu cotidiano virado do avesso e passou a comportar-se como pai – ainda que, de vez em quando, a contragosto.

Nas histórias em quadrinhos, o pato se apresenta como um faz-tudo sem formação específica. Nas aventuras curtas criadas por Carl Barks para o gibi Walt Disney’s Comics and Stories, principalmente na década de 1950, Donald ficou estigmatizado como um fiasco profissional. Não raro, ele surgiu no papel de perito em áreas diversas – como demolidor, serralheiro, barbeiro, maquiador, detetive, supervendedor, fazedor de chuva e caçador de tesouros submarinos. Em outras tantas ocasiões, arrumou empregos genéricos para ir tocando a vida e pagando as contas mais urgentes: foi padeiro, guarda noturno, carteiro, babá de mascotes, apanhador de cães, etc. Independentemente da função, suas empreitadas acabaram em saias justas ou, pior ainda, em catástrofes generalizadas. Ainda nos roteiros do Homem dos Patos, Donald fez vários biscates para o Tio Patinhas – sempre submetendo-se a um salário de fome. Nesse contexto, tornou-se, por exemplo, o polidor oficial de moedas da Caixa-Forte.

Nos anos 1960, quando os Estúdios Disney montaram uma divisão para produzir HQs voltadas exclusivamente ao mercado externo, o personagem ganhou uma nova ocupação mais ou menos fixa: ao lado do primo Peninha, tornou-se repórter do jornal A Patada, de propriedade do tio magnata. Isso, porém, não significou estabilidade no emprego para o tio dos trigêmeos. Pode consultar a carteira de trabalho dele: há inúmeras contratações e demissões registradas no documento, algumas delas num mesmo dia!

Nas páginas a seguir você confere cinco aventuras que abordam diferentes experiências do pato na luta pela sobrevivência, quase todas elaboradas por quadrinistas italianos. Mas não se deixe contaminar pela tristeza ou pela frustração a cada fracasso do Donald. Lembrese de que há sempre uma montanha de moedas à espera dele na Caixa-Forte, todas necessitando de um bom polimento.





Os Segredos da Hidráulica
Roteiro: Horace
Desenhos: Francesco Guerrini
Produzida em setembro de 2005

O vazamento de uma torneira desencadeia uma série de eventos que levam Donald a investir na profissão de encanador. Impulsionado pelas informações acessíveis de um pretenso “manual infalível” (se os sobrinhos escoteiros têm um, por que não usar aquele?), o pato se julga qualificado a consertar a fonte da mansão de uma socialite – com resultados desastrosos que se alastram como efeito dominó. HQ inédita no Brasil.

O Prêmio de Produtividade
Roteiro: Rodolfo Cimino
Desenhos: Romano Scarpa
Produzida em abril de 1966
Com o apoio de um invento do Pardal, Tio Patinhas organiza um concurso de extração de minerais preciosos. E seu sobrinho desavisado se inscreve na disputa, acreditando nas próprias chances. No entanto, um dos competidores é o felizardo Gastão, rival de longa data de nosso herói e trapaceiro contumaz. Embora não se trate exatamente de um emprego, a tarefa do pato rende a ele um trabalhão. E uma dor de cabeça diretamente proporcional. Um clássico inédito no Brasil.

Primeiro a Obrigação
Roteiro: Peter Härdfeldt
Desenhos: Rasmus Nybo Andersen
Produzida em maio de 2000
Preguiça? Não existe nada que impeça o Donald de chegar pontualmente ao local de trabalho. Publicada pela primeira vez no Brasil em PATO DONALD 2212, de 2001.

O Guardião Resguardado
Roteiro: Giampaolo Barosso
Desenhos: Giovan Battista Carpi
Produzida em setembro de 1964
Contratado como vigilante de banco pelo tio quaquilionário, Donald torna-se o assunto favorito das fofoqueiras da cidade nesta HQ inédita no Brasil. Quando a notícia chega ao conhecimento dos Irmãos Metralha, a quadrilha enxerga, na vaidade ingênua do pato, uma oportunidade única de obter alguns milhões sem fazer força. Mas esse guardião deslumbrado tem mais do que um santo forte: tem seus sábios e fiéis sobrinhos.

A Caça às Dívidas
Roteiro: Marco Bosco
Desenhos: Giampaolo Soldati
Produzida em março de 2000
Uma multidão de credores se espreme na porta da casa do pato, que se vale da criatividade para esquivar-se de todo mundo sem cumprir seus compromissos. E é justamente essa capacidade de não quitar seus débitos que o transforma no mais completo cobrador de Patópolis: de caça, Donald passa a ser o caçador nesta HQ inédita no Brasil.

Editora Abril, coleção em 20 volumes semanais, 100 páginas cor, formato 14,7 x 20,7 cm, R$ 10,00
Editor: Paulo Maffia
Introduções das HQs: Júlio de Andrade, Filho / Rivaldo Ribeiro / Marcelo Alencar

Desde que surgiram, nos anos 1930, os quadrinhos Disney foram sendo construídos com personagens e situações marcantes que imprimiram lembranças indeléveis em nossa memória. Formou-se em torno de cada um deles – Mickey, Donald, Patinhas e tantos outros – uma mitologia tão rica e complexa que ela passou a ser automaticamente reconhecida aos olhos do mundo. Com o passar do tempo, tornou-se desnecessário explicar a quem quer que fosse que Mickey namora a Minnie, que seu melhor amigo é o Pateta e que ele tem embates colossais com dois vilões que amamos odiar: Mancha Negra e João Bafo-de-Onça. Igualmente dispensável tornou-se apresentar Donald – sujeito irritado, azarado, que não consegue manter um emprego – ou o Tio Patinhas, sempre acossado pelos terríveis Irmãos Metralha, pelo milionário rival Patacôncio e, principalmente, pela Maga Patalójika, determinada a roubar a primeira moeda do velho muquirana para fazer com ela um amuleto e transformar-se assim na bruxa mais poderosa do mundo. Nesta nova grande coleção da Editora Abril, reunimos os assuntos prediletos que orbitam o universo Disney. Assim, ao se deparar com títulos como Tio Patinhas versus Maga Patalójika, Os Problemas Domésticos do Pateta e Os Infinitos Azares do Pato Donald, você sabe exatamente o que esperar: histórias que mostram a natureza dos personagens, os hábitos, o comportamento recorrente, as brigas, as rixas, os desafios, os laços de família e amizade. A cada volume, um novo tema. Em cada tema, uma formidável compilação de histórias em quadrinhos, clássicas e inéditas, que, acreditamos, serão tão preciosas para você quanto a Número Um é para o Tio Patinhas ou o 313 para o Pato Donald. Mais que preciosas, essenciais. 

A COLEÇÃO:
#1 — 9/mar: Tio Patinhas Versus Maga Patalójika
#2 — 9/mar: Donald e seus Sobrinhos
#3 — 16/mar: Os Problemas Domésticos do Pateta
#4 — 23/mar: Tio Patinhas e a Moeda Número Um 
#5 — 30/mar: Mickey e Minnie
#6 — 6/abr: Donald e seus Primos
#7 — 13/abr: Mickey Versus Mancha Negra
#8 — 20/abr: As Grandes Aventuras do Superpateta
#9 — 27/abr: Tio Patinhas Versus Irmãos Metralha
#10 — 4/mai: Mickey Versus João Bafo-de-Onça
#11 — 11/mai: Donald e Margarida
#12 — 18/mai: Os Passatempos Malucos do Pateta
#13 — 25/mai: As Grandes Viagens do Tio Patinhas
#14 — 1/jun: Mickey e Pluto
#15 — 8/jun: Os Infinitos Azares do Pato Donald
#16 — 15/jun: Pateta e seus Antepassados
#17 — 22/jun: Tio Patinhas Versus Patacôncio
#18 — 29/jun: Donald e seu Carro 313
#19 — 6/jul: O Detetive Mickey
#20 — 13/jul: Donald e seus Empregos que Não Duram








11 comentários:

  1. Gostei da capa...espetacular a seleção de HQs...que pena por a coleção acabar!:/

    ResponderExcluir
  2. Ótima edição para o fechamento da coleção. Essencial Disney é leve e descontraída, gostosa de ler.

    ResponderExcluir
  3. Qual será a próxima série semanal?

    ResponderExcluir
  4. Ralmente, esperava mais dessa coleção, pois prefiro as histórias clássicas... uma coleção aos moldes das obras de carl barks com mestres como paul murry e don rosa e suas obras completas são um sonho... mas po favor, revelem qual será a próximas semanal!?

    ResponderExcluir
  5. Bem que poderiam relançar " As Obras do Mestre Carl Barks" numa coleção de luxo, pelo sucesso que estão revendendo no ML com preços astronômicos, sem dúvida faria o maior sucesso!!

    ResponderExcluir
  6. Estão revendendo não... estão anunciando... 99% dos gibis Disney anunciados a preços absurdos no ML não vendem, estando lá há anos!

    ResponderExcluir
  7. "Estão revendendo não... estão anunciando... 99% dos gibis Disney anunciados a preços absurdos no ML não vendem, estando lá há anos!"

    Isso mesmo!!! E acrescento: nem só material Disney. Tudo o que é quadrinho MUITO caro, ali, fica encalhado. Quase sempre, as pessoas postam perguntas sobre o produto apenas tirando uma da cara do vendedor, tipo: "Todas as páginas são autografadas pelo autor?" ou "Tratam-se dos originais encadernados?".

    ResponderExcluir
  8. excelente coleçao sendo finalizada.

    ps.: quando teremos o disney mega, o jumbo 2 e o ultimo big na loja do pg?

    ResponderExcluir
  9. ^Não querendo me meter e já mim metendo...kkk,já os teve esses gibis na loga amigo...lá só duram no máximo uma semana,kk:p

    ResponderExcluir
  10. Já que só agora que acabou a série e começou a chegar na minha região os primeiros números, gostaria de perguntar pra quem comprou tudo.
    Compensa mesmo comprar?
    Só vi uns comentários dos primeiros volume, que o pessoal não tava gostando, mas depois não vi mais nada, nem elogio nem reclamações.

    ResponderExcluir
  11. Finalmente essa coleção chegou ao seu tão aguardado fim!

    Ao contrário de alguns recém-orfãos de Essencial Disney, acho que 20 volumes são mais do que suficientes. Os 20 restantes têm alguma coisa ou outra de interessante mas nada que justificasse coleção estendida para 40 edições.

    Essa série serve mesmo como boa introdução de como são os quadrinhos Disney: de histórias antológicas a histórias lastimáveis. Teve de tudo um pouco, como era o esperado por leitores que nem eu - com alguns exemplos citados a seguir - histórias antigas boas (De Vita, Cavazzano e outras antiguidades resgatadas), antigas ruins também (como Fantasmetralhas do número 9), novas italianas de amargar (números 3 e 8) bem como novas italianas que serviram como alívio ao leitor maltratado (números 7 e 11).

    Resumindo, é uma coleção no estilo "morde e assopra". Se você conhece os quadrinhos Disney, sabe o que esperar, ou seja, tranqueiras e preciosidades em proporções iguais.

    Disney é que nem casamento. Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza. De roteiros, claro.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.