' '

18 de jun de 2012

Divulgados os premiados no HQMIX

Por E. Rodrigues

Divulgados os premiados no 24º Troféu HQMIX, cuja cerimônia ocorrerá no dia 30 de junho, em São Paulo. A revista Mundo dos Super-Heróis, após longo período, finalmente (e mais do que merecidamente) foi agraciada com o prêmio de Mídia Sobre Quadrinhos. Na área infantojuvenil, domínio da Mauricio de Sousa Produções, com MSP NOVOS 50 e TURMA DA MÔNICA JOVEM (vencedora na categoria em que concorriam, da Disney, as notáveis PATETA FAZ HISTÓRIA, EPIC MICKEY e DISNEY GIGANTE). Veja a seguir lista completa de vencedores (e demais indicados).


Adaptação para os Quadrinhos
A Cachoeira de Paulo Afonso (Pallas)
Clara dos Anjos — Wander Antunes e Marcelo Lélis (Cia. Das Letras)
Conto de Escola em Quadrinhos (Peirópolis)
Dom Casmurro (Nemo)
Fahrenheit 451 (Globo)
Fernando Pessoa e Outros Pessoas (Saraiva)
Vigor Mortis Comics (Zarabatana)

Chargista
Angeli (Folha de S. Paulo)
Benett (Folha de S. Paulo)
Dálcio Machado (Correio Popular)
Duke (O Tempo)
Gustavo Duarte (Lance)
João Montanaro (Folha de S. Paulo)
Quinho (Estado de Minas)

Caricaturista
Alan Souto Maior
Baptistão
Cavalcante
Gustavo Duarte
Loredano
Manohead
Thiago Hoisel

Cartunista
Cau Gomes
Dálcio Machado
Duke
Jota AJunião

Léo Martins
Silvano Mello

Desenhista Nacional
Aloísio de Castro (Carcará)
Danilo Beyruth (Necronauta 2)
Gustavo Duarte (Birds)
Lourenço Mutarelli (Quando meu Pai se Encontrou com o ET Fazia Um Dia Quente)
Marcelo Lelis (Saino a Percurá Ôtra Vez)
Rafael Albuquerque (Tune 8 e Vampiro Americano)
Rafael Coutinho (O Beijo Adolescente)


Desenhista Estrangeiro
Cyril Pedrosa (Três Sombras)
Daniel Clowes (Mundo Fantasma)
David Mazzucchelli (Asterios Polyp)
Jacques Tardi (Era A Guerra de Trincheiras)
Milo Manara (Bórgia – Tudo é Vaidade)
Oliver Copiel (Thor)
Shaun Tan (A Chegada)

Destaque Internacional
Ana Luiza Koehler
Fábio Moon e Gabriel Bá
Ivan Reis
Mike Deodato
Rafael Albuquerque
Rafael Grampá
Ricardo Manhães


Destaque Latino-americano
Fierro (Argentina)

Edição Especial Nacional
Encruzilhada (Leya/Barba Negra)
Histórias do Clube da Esquina (Devir)
Morro da Favela (Leya/Barba Negra)
Oeste Vermelho (Devir)
Saino a Percurá - Ôtra Vez (Zarabatana)
Tune 8 (Independente)
Vigor Mortis Comics (Zarabatana)

Edição Especial Estrangeira
A Chegada (SM)
Asterios Polyp (Cia. das Letras)
Daytripper (Panini)
Era a Guerra de Trincheiras (Nemo)
Mundo Fantasma (Gal Editora)
Quando lá Tinha o Muro (Tinta Negra)
Três Sombras (Cia. das Letras)

Editora
Cia. Das Letras
Conrad
Devir

Leya/Barba Negra
Nemo
Panini
Zarabatana


Evento
7º FIQ

Exposição
Criando Quadrinhos — Ivan Costa


Grande Contribuição
FanZines nas Zonas de Sampa

Grande Mestre
Marcatti

Homenagem Especial
Mauro dos Prazeres (Devir)

Homenagem Especial
Achados e Perdidos — Eduardo Damasceno, Luís Felipe Garrocho e Bruno "Ito"


Livro Teórico
A História em Quadrinhos no Brasil - Waldomiro Vergueiro e Roberto Elíseo Santos (Laços)
Ângelo Agostini - Gilberto Maringoni (Devir)
Enciclopédia dos Quadrinhos - Goida e André Kleinert (L&PM)
Faces do Humor, uma Aproximação entre Piadas e Tiras - Paulo Ramos (Zarabatana)
Histórias em Quadrinhos & Educação - Formação e Prática Docente - Elydio dos Santos Neto e Marta Regina Paulo da Silva - Orgs. (Editora Metodista)
Linguagem HQ - Nobu Chinen (Editora Criativo)
Super-Heróis, Cultura e Sociedade - Nildo Viana e Iuri Andréas Reblin - Orgs. (Editora Ideias & Letras)

Mídia Sobre Quadrinhos
Mundo dos Super-Heróis (Europa)

Novo Talento – Desenhista
André Leal (São Jorge da Mata Escura)
Daniel Og (Yuri, Quarta-feira de Cinzas)
Eduardo Damasceno (Achados e Perdidos)
Lu Cafaggi (Mix Tape)
Mário César (Entrequadros)
Magno Costa e Marcelo Costa (Oeste Vermelho e Matinê)
Rael Lyra (MSP Novos 50)

Novo Talento – Roteirista
Hector Lima (MSP Novos 50)
Lillo Parra (Sonho de Uma Noite de Verão)
Luís Felipe Garrocho (Achados e Perdidos)
Magno Costa (Oeste Vermelho)
Mario César (Entrequadros)
Raphael Fernandes (Ditadura no Ar)
Vitor Cafaggi (Valente para Sempre e Duo.tone)

Produção Para Outras Linguagens
Angeli 24h (Documentário) — Beth Formaggi
As Aventuras de Tintim (Filme)
Batman: Ano Um (Longa de Animação)
Capitão América: O Primeiro Vingador (Filme)
O Ogro (Animação)
Pieces (Teatro)
Walking Dead (Série de TV)

Projeto Editorial
1.000 (Barba Negra)
Achados e Perdidos (Independente)
Coleção Fierro (Zarabatana)
Coleção Ópera em Quadrinhos (Ática/Scipione)
Cripta (Mythos)
Graffiti 76% Quadrinhos #21 (Independente)
MSP Novos 50 - Mauricio de Sousa por 50 Novos Artistas (Panini)

Publicação De Aventura/Terror/Ficção
Birds (Independente)
Combate Inglório (Gal Editora)
Cripta (Mythos)
Fábulas (Panini)
Fierro Brasil (Zarabatana)
J. Kendall: Aventuras de uma Criminóloga (Mythos)
Os Mortos-Vivos (HQM Editora)

Publicação De Clássico
Agente Secreto X-9 (Devir)
Arzach — Moebius (Nemo)
Combate Inglório (Gal Editora)
Cripta (Mythos)
Fantasma – A Saga do Casamento (Kalaco)
Garra Cinzenta (Conrad)
Gen, Pés Descalços (Conrad)

Publicação De Humor Gráfico
Antes Charge do que Nunca (Atorres)
Arvres (Orlando Pedroso)
Caminhos do Santiago (Santiago)
Caricaturas de Letra (Biratan)
Catálogo do Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro (vários)
Só Futebol (Duke)
Uma Patada com Carinho (Chiquinha)

Publicação De Tira
Agente Secreto X-9 (Devir)
Geraldão Espocando a Cilibina (Almedina)
Iscola... O Crime (Independente)
Macanudo # 4 — Liniers (Zarabatana)
Ordinário (Cia. Das Letras)
Rei Emir Saad – O Monstro De Zazanov (Barba Negra)
Ultralafa (Barba Negra)

Publicação Erótica
Black Kiss — Howard Chaykin (Devir)
Bórgia – Tudo é Vaidade (Conrad)
Futari H (JBC)
Golden Shower 2 (Independente)
Hentai Gold (Geek)
O Perfume do Invisível – Edição Completa (Conrad)

Velta & Mirza (Júpiter II)

Publicação Independente de Autor
Aparecida Blues (Biu e Stêvz)
Birds (Gustavo Duarte)
Duo.Tone (Vitor Cafaggi)
Nanquim Descartável 4 (Daniel Esteves)
O Beijo Adolescente (Rafael Coutinho)
SOS (Felipe Nunes)
Tune 8 (Rafael Albuquerque)


Publicação Independente De Grupo
Almanaque Gótico
Café Espacial
Gibi Gibi
Golden Shower 2
Graffiti 76%
Tarja Preta 7
Zine Extreme

Publicação Independente Edição Única
Achados e Perdidos (Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho)
Birds (Gustavo Duarte)
Duo.tone (Vitor Cafaggi)
Mix Tape (Lu Cafaggi)
O Louco, a Caixa e o Homem (Daniel Esteves e Will)
Quadrinhos A2 (Cristina Eiko e Paulo Crumbim)
São Jorge da Mata Escura (Marcello Fontana e André Leal)

Publicação Infantojuvenil
Disney Gigante (Abril)
Epic Mickey (Abril)
Joca e a Caixa (Cia. Das Letras)
Mendelévio e Telúria: Histórias tão Pequenas de Nós Dois
Pateta faz História (Abril)
Pequeno Pirata (Leya/Barba Negra)
Turma da Mônica Jovem — Mauricio de Sousa (Panini)

Publicação Mix
1000-1 (Cachalote/Barba Negra/Leya)
Fierro Brasil (Zarabatana)
Golden Shower 2 (Independente)
Mad (Panini)
MSP Novos 50 (Panini)
Tarja Preta (Independente)
Vertigo (Panini)

Roteirista Nacional
André Diniz (Morro da Favela)
Carlos Ferreira (Kardec)
Daniel Esteves (O Louco, a Caixa e o Homem e Nanquim Descartável)
Lourenço Mutarelli (Quando meu Pai se Encontrou com o ET Fazia Um Dia Quente)
Marcelo Cassaro (Dbride: A Noiva do Dragão)
Vitor Cafaggi (Duo.tone e Valente para Sempre)
Wellington Srbek (Ciranda Coraci e o Senhor das Histórias)

Roteirista Estrangeiro
Brian Wood (ZDM e Vikings)
David Mazzucchelli (Asterios Polyp)
Giancarlo Berardi (Julia Kendall e Ken Parker)
Jacques Tardi (Era A Guerra de Trincheiras)
Pierre Paquet (Quando eu Cresci)
Robert Kirkman (The Walking Dead)
Shaun Tan (A Chegada)


Salão e Festival
3º Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro

Tira Nacional
Bifaland (Allan Sieber)
Malvados (André Dahmer)
Manual do Minotauro (Laerte)
Níquel Náusea (Fernando Gonsales)
Ocre (Gilmar)
Quase Nada (Fábio Moon e Gabriel Bá)
Um Sábado Qualquer (Carlos Ruas)

Web Quadrinhos

Dinamica de Bruto – Bruno Maron
Ledd - J.M. Trevisan e Lobo Borges
Macacada Urbana – Vencys Lao
Malditos Designers - Rômulo
Quadrinhos A2 - Cristina Eiko e Paulo Crumbim
Quadrinhos Rasos - Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho
Terapia – Mario Cau, Marina Kurcis e Rob Gordon

Web Tiras
A Vida com Logan – Flávio F. Soares
Minha Talentosa Mão Direita- Gomez
Ryotiras - Ryot
Tune 8 – Rafael Albuquerque
Um Sábado Qualquer – Carlos Ruas
Vida e Obra de Mim Mesmo – Ricardo Coimbra
Will Tirando – Will Leite


.....................................................................................................................
24º Troféu HQMIX

Comissão Organizadora
Presidente:

Marcelo Alencar

Membros da Comissão:
Andrea de Araújo
Benê
Cris Merlo
Daniela Baptista
Edson Diogo

GUAL
JAL
Nobu Chinen
Sam Hart
Silvio Alexandre
Sonia B. Luyten
Tiago Souza
Waldomiro Vergueiro
Will

Personagem do troféu deste ano:
Sacarrolha, de Primaggio Mantovi

Entrevista da comissão com Primaggio:
http://trofeu-hqmix.blogspot.com.br/2012/02/e-o-sacarrolha-vai-para.html

Cerimônia de premiação:
30 de junho, no Sesc Pompeia, em São Paulo


25 comentários:

  1. Disney não merecia ganhar em sua categoria. Gigante é uma publicação cancelada (ainda que a abordagem dela tenha sido sensacional e a seleção tenha sido ótima, ela começou com todos os erros que deveriam ter se evitado).

    Epic Mickey é apenas OK, o trabalho gráfico é primoroso, a história é interessante, mas ela está muito longe de representar os quadrinhos Disney tradicional (é algo mais paralelo) e que se fosse tão bom assim não teria parado apenas nesse one-shot que saiu junto com o game. Se parou é porque nenhum estúdio viu potencial nesse universo para continuar.

    Pateta Faz História tem aquela vibe de clássico, porém um pouco passado pelo tempo, valeu a pena ter saido de forma completa (antes tarde do que nunca), mas a coleção deixou a desejar em alguns aspectos (como as cores sem vida das capas bege). No fim, a impressão que tive é que essa coleção tinha mais brilho no passado.

    Turma da Mônica Jovem não é uma publicação que eu admire e goste, mas é inegável que é algo novo, ousado e diferente. Fora dos padrões tradicionais e mofados que muitas editoras apostam. Merecia ganhar sem duvida alguma.

    ResponderExcluir
  2. Vamos por partes:

    1 - senti falta dos títulos de quadrinhos da L&PM na primeira categoria. Pelo menos na indicação... ou começaram esse ano?

    2 - editora barba negra? Nunca ouvi falar...

    3 - Mundo dos SH é show de bola!

    4 - Achei thor melhor que capitão américa, mas ele nem foi indicado (filmes)

    5 - NUNCA Tm jovem será melhor que disney gigante, mesmo que esta tenha sido cancelada. Acho esse prêmio uma maluquice: ou vc premia uma coleção (PFH), ou uma edição especial (epic mickey) ou uma série contínua (tm jovem). N gosto de ver todas no mesmo barco.

    6 - O que é publicação mix? MSP novos 50 se enquadra?

    ResponderExcluir
  3. TM jovem fora dos padrões tradicionais??? No começo né, pq agora... continua no politicamente correto da TM, diferente do que foi epic mickey, PFH e disney gigante, essa sim ousada.

    ResponderExcluir
  4. Sem entrar no mérito de quem deveria ganhar (meu voto eu dei, quando solicitado), pondero que DISNEY GIGANTE foi a aposta mais ousada de todas (e que o público não acolheu). EPIC MICKEY é um produto da Disney Global. Sua continuidade ou não depende do interesse dela (por acaso, ela quer, pois haverá EPIC MICKEY 2: A HQ). Já PATETA FAZ HISTÓRIA é algo tão rico, mas tão rico, que é até covardia tentar comparação. Só a página final de Pateta Colombo já colocaria uns 95% das produções infantojuvenis, de qualquer época, no chinelo.

    Quanto às questões das categorias, levantadas por Sergio, é justo dizer que a comissão organizadora ouviu (leu) e muito todas as opiniões que qualquer um tinha oportunidade de fazer na lista de pré-indicados, no blog do prêmio.

    E.Rodrigues

    ResponderExcluir
  5. Sobre ousadia, TM jovem foi sim, ousada, em seu início... hoje é mais do mesmo. Disney Gigante foi algo de ousadia ímpar, não só pelo formato mas em um aspecto que tb me encantou muito: as HQs, com os vilões em HQs solos...

    ResponderExcluir
  6. "as HQs, com os vilões em HQs solos..."

    - mas esse aspecto sempre existiu na produção estrangeira, a maior gafe aí é que gigante passa a impressão de ser algo especial por essa seleção, mas é algo normal e natural lá fora.

    Isso só demonstra como a linha disney aqui é engessada e jurássica, apostando na mesmisse de sempre e fugindo da diversidade e criatividade. Triste.

    ResponderExcluir
  7. Thiago disse: "ainda que a abordagem dela tenha sido sensacional e a seleção tenha sido ótima"

    2h e alguns minutos depois, Thiago disse: "a maior gafe aí é que gigante passa a impressão de ser algo especial por essa seleção"

    Certo.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Mundo Fantasma é uma excelente HQ (na falta de definição melhor). Mas tava na cara que não tinha pra ninguém diante de David Mazzucchelli e seu Asterios Polyp.

    Gustavo Duarte não perderia essa! E Birds é o resultado de um trabalho apurado (exceto por um pequeno erro de "cálculo" no final da história). Mesmo "similar" a Có e Taxi em sua forma, Birds e o apuro do Gustavo não cansarão nem tão cedo.

    MPS "50" (toda a "trilogia") é de um esmero ímpar, além do elevado padrão na escolha das histórias.

    Fierro é um LIXO de enorme grandeza. Não deveria nem ter sido citada em área alguma. Dali só presta mesmo algum material brasileiro.

    ResponderExcluir
  10. Não sou um grande leitor Disney. Na verdade, acho as mensais atuais, em regra, ruins. E torço por um novo estúdio nacional produzindo quadrinhos Disney.

    Vi as discussões sobre Pateta e acho que o bom apelo do personagem é muito grande. Pateta é muito cativante! Isso ajuda.

    ResponderExcluir
  11. Preferia que a Disney tivesse levado o prêmio, mas como sempre é uma pataquada - literalmente - entre MSP e Cia das Letras. Muita marmelada.

    ResponderExcluir
  12. "Muita marmelada."

    Não há isso, não. Os quadrinhos publicados pela Quadrinhos na Cia são excelentes, quase sem exceção. O caras prezam bastante pela escolha de títulos: diversos do Eisner, Três Sombras, Maus, Asterios Polyp, Retalhos, Persépolis, À Sombra das Torres Ausente, Breakdowns etc. Falo apenas do que li. Fica difícil negar isso! Acho que, até hoje, a única mancada foi o patético O Retrato de Dorian Grey.

    Acho o HQMix uma premiação séria. Ninguém do meio duvida da idoneidade deles. Nem mesmo os editores dos títulos perdedores. Há resultados que não concordo - mas, aí, é meu gosto pessoal (como no caso da FIERRO, que desprezo). Só que, em geral, o júri segue bons critérios na hora de avaliar uma obra por área a que concorre.

    Enfim: Quadrinhos na Cia surpreende cada vez mais. Aliás, há pouco tempo, vem editando HQs do Mutarelli: A Caixa de Areia, Quando meu pai se encontrou com o ET fazia um dia quente, Diomedes e, mais à frente, Transubstanciação.

    Os volumes de MSP por 150 artista foi algo MUITO bom, convenhamos.

    Sei que o sujeito, às vezes, pode só ler Disney e nada mais. Mas seria bom dar uma conferida em outros títulos e, depois, avaliar melhor resultados como esse do HQMix.

    Falo isso na boa. Vale a pena conhecer mais outros gêneros quadrinhos.

    ResponderExcluir
  13. Em termos de publicação infantil, por exemplo, eu preferia Joca e a Caixa (Cia. Das Letras). Mas não deu. O júri lá teve suas razões.

    Ah, sobre a Quadrinhos na Cia, cito, ainda, a competente publicação de Jimmy Corrigan, o menino mais esperto do mundo. Espero que, um dia, a Cia das Letras a lance em formatam, valorizando a arte de Chris Ware, embora a edição nacional tenha seguido todas as especificações (exigências) do artista.

    ResponderExcluir
  14. Alguns resultados são até previsíveis. Ressalto os que citei acima. E mais: alguém duvidava mesmo que Vitor Cafaggi não ganharia? Basta ler "Valente para sempre". Conheço mais três dos outros artistas e, na cara, ficaram bem aquém daquele trabalho.

    Gostei muito de Mix Tape da irmã do Vitor. O mini box com minis gibis foi em tudo inovador e bonito à beça. Aquele tracinho delicado igual a ela. E quanta história simples e bonita. Eu a preferia, por gosto pessoal. Mas não emplacou mesmo. Deu uma geral nos outros trabalho e os considero tecnicamente (não seria bem essa a palavra) superiores, embora não tenham batido com meu gosto pessoal.

    Premiação é isso, pessoal!

    ResponderExcluir
  15. A MSP tinha mesmo que ganhar todas ...afinal 'eles' aqui são a TOPOLINO lá de fora(não tem quem aguente competir)!:p

    ResponderExcluir
  16. Essa premiação não é séria e nunca vai ser. É apenas um jogo de cartas marcadas, e muita coisa boa ficou de fora. Enfím, mais do mesmo. Premiozinho sem sentido pra afagar egos de meia dúzia de coitados.

    ResponderExcluir
  17. Como disse Sergio, fica difícil escolher, numa mesma categoria, entre produtos tão distintos. Como escolher entre Birds, Cripta, Júlia Kendall? E dá para ser objetivo na avaliação de qual é melhor? Birds é obra independente, Cripta compila material produzido há mais de 40 anos (e o trabalho da editora, aqui, praticamente se resume à tradução)...

    Turma da Mônica Jovem ganhou porque é melhor do que Pateta Faz História? Quanto pesa o fato de ser, de longe, o maior sucesso de vendas de épocas recentes e de ter levado ao surgimento de Lulu Teen (que, por sua vez, possibilitou trazer Luluzinha clássica de volta às bancas — para ficar num só exemplo)? E de ser uma produção nacional, empregando artistas brasileiros? (É notável a prevalência dos nacionais entre os premiados — até a premiação da Leya, como editora, dá um sinal da linha seguida pelos votantes: foi apenas uma dezena de títulos lançados, a maioria absoluta de autoria nacional).

    E é justo colocar um título one-shot (obra supostamente dilapidada) para concorrer com um periódico (linha de produção)?

    Ou um título de livraria com um de banca (que tem que vender 'x' num determinado espaço de tempo e ponto)?

    Em suma, difícil é abarcar satisfatoriamente esses pontos sem transformar o HQMIX num prêmio multicategorias como o Grammy.

    De qualquer forma, sempre considero injusta a posição em que é colocado o quadrinho de banca, que é onde tudo começa.

    E. Rodrigues

    ResponderExcluir
  18. Não gostei desse prêmio:
    1º nunca ouvi falar da Editora Barba Negra na minha vida.
    2º não sei a onde Turma da Mônica Jovem é melhor que Epic Mickey e Disney Gigante.
    3º o que MSP Novos 50 tem a ver com Publicação Mix?
    Eu particularmente não entendi esses e outros motivos dessa premiação.

    ResponderExcluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  20. Eu também nunca ouvi falar nessa Editora Barba Negra. Será que é nova ou derivou de alguma outra antiga?

    Enfim, Google nela:

    http://www.editorabarbanegra.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Nossa! A Barba Negra vem chamando atenção desde que lançou Cicatrizes aqui no Brasil, de forma bem competente. Leia essa obra, por exemplo. Para que gostou de Retalho, da Quadrinhos na Cia, recomendo ainda mais!!!!!!!

    O Brasil tem uma penca de boas editoras de quadrinhos. A GAL e a Nemo tb vem chamando atenção!

    ResponderExcluir
  22. Ops... Quis dizer "Retalhos" (no plural), de C. Thompson.

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Parece que tem pouca gente produzindo quadrinhos no Brasil, dada a tradicional repetição de autores em várias categorias. É como se fosse pra agradar um pouco de cada! Se o Carlos Ruas publica em jornais locais, no Rio Grande do Sul, bastaria a indicação na categoria Tira Nacional, deixando a Web Tiras para outros autores. Mas, é claro, daí ele nunca vai ganhar do Laerte ou do Fernando Gonsales.

    Quer dizer, o HQ Mix fica num meio-termo entre prestigiar novos autores e, ao mesmo tempo, não deixar de ovacionar os medalhões. É difícil colocar os novatos lado a lado com profissionais consagrados. Os primeiros ficam com a raspa do tacho. Daí, em compensação, também estão concorrendo em outra categoria. Assim todo mundo fica feliz. Não que eles não mereçam reconhecimento. Mas não deixa de ser dois pesos e duas medidas, uma certa contradição nas categorias, como citou o E. Rodrigues em relação a outros exemplos.

    Houve uma edição do HQ Mix, nos anos 90, em que o Laerte ganhou na categoria melhor fanzine, quando ele publicou Cachalote. Como eu nunca tive a oportunidade de lê-lo, imagino que o recente álbum do filho dele, de comum só tenha o nome pois, do contrário, o próprio Rafael Coutinho teria se pronunciado a respeito.

    O Vitor Caffagi concorreu em Publicação Independente Edição Única e Publicação Independente de Autor. A diferença é tênue. Todo mundo que lançar uma revista independente poderá estar nas duas! Além disso, também concorrendo como Roteirista Nacional e Novo Talento - Roteirista! Não seria mais lógico estar concorrendo só na segunda? Quanto mais concorrer, maior a chance de ganhar. Parece até um, digamos, "lobbyzinho". Ele é um ótimo desenhista (embora não tenha concorrido justo nesse quesito) mas as categorias são absolutamente distorcidas.

    Por isso Turma da Mônica Jovem vence com (suposta) unanimidade: não é ousado ou novo mas é uma estratégia de marketing muito bem feita. Um clássico que nem Pateta Faz História, lançado em formatinho, que impacto poderia causar fora da comunidade Disney, hein?

    ResponderExcluir
  25. Sobre isso "imagino que o recente álbum do filho dele, de comum só tenha o nome pois, do contrário, o próprio Rafael Coutinho teria se pronunciado a respeito."

    -

    Rafael Coutinho ilustrou o álbum. O roteiro foi de Daniel Galera. O álbum é mediano. Não é ruim. Mas nada extraordinário e, na verdade, cheio de "sobras".

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.