' '

20 de mar de 2012

Os 11 Trabalhos do Morcego Vermelho

Por E. Rodrigues

estão disponíveis as novas edições dos semestrais ALMANAQUE DOS SUPER-HERÓIS DISNEY (destacando a reedição, pela primeira vez no Brasil, de Os Doze Trabalhos do Morcego Vermelho, de 1976) e do ALMANAQUE DO PENINHA (com dez histórias; a maioria delas tampouco antes republicadas por aqui desde suas estreias, há mais de vinte anos — além de destacar Biquinho em duas produções). Veja mais a seguir, inclusive a arte completa da capa brasileira com o Morcego Vermelho.



Clique para ampliar



ALMANAQUE DOS SUPER-HERÓIS DISNEY #3
semestral, 84 páginas cor, formato 13,4 x 19 cm, lombada quadrada, R$ 4,95
dia 20. Distribuição regional.

Destaque para a longa saga criada por Ivan Saidenberg e Carlos Edgarg Herrero, Os Doze Trabalhos do Morcego Vermelho. A HQ segue a linha da mitologia de Hércules. Suas 57 páginas foram publicadas antes no Brasil uma única vez, no gibi EDIÇÃO EXTRA de ago/76.

Curiosamente, o sexto trabalho de Hércules, que trata das cavalariças do rei Áugias, não é sequer mencionado. Quando a HQ foi publicada na França, lá seu título foi corrigido.

O leitor também poderá matar saudade de dois personagens. O primeiro, o Bruxinho Peralta, é uma criação americana de meados da década de 1960 que, após sua estreia (desenhado por Tony Strobl), só voltou mesmo a aparecer em histórias brasileiras, quase sempre roteirizadas por Saidenberg.

Já Magali (ou Perereca, como é chamada nesta HQ e em algumas outras), também criada nos anos 1960, teve mais produções americanas antes de aparecer nas criações dos Estúdios Abril. Sobrinha de Maga Patalójika, a bruxinha participou, ano passado, de uma história dinamarquesa.

A capa desta edição é um remake da ilustração feita por Mike DeCarlo para a capa alternativa do gibi americano DISNEY'S HERO SQUAD #4,  de 2010 — que, abrindo um espaço na publicação da saga italiana Ultraheroes, ajeitou ali a origem do Morcego Vermelho (produção brasileira, também assinada pela dupla Saidenberg e Herrero, vista aqui somente em 1973).

Completam o gibi duas aventuras, uma com Superpato e outra com Superpateta — brasileira, recuperada para esta edição: O Mágico de Ahs (Saidenberg & Moacir Soares).





ALMANAQUE DO PENINHA #3
semestral, 84 páginas cor, formato 13,4 x 19 cm, lombada quadrada, R$ 4,95 
dia 20. Distribuição regional.

O gibi abre com a clássica O Primo Dinamite — a primeira HQ de Peninha criada para o mercado americano, publicada em jan/66 em DONALD DUCK #105. Antes disso, bom lembrar, o personagem já havia estrelado quase 40 histórias, porém produzidas para o mercado estrangeiro (todas assinadas pela dupla Dick Kinney e Al Hubbard).

Nove histórias se seguem, oito delas brasileiras. Manhã Quase Comum (desenhada por Euclides Miyaura) é republicada aqui pela primeira vez, desde 1979.  

Também recuperadas foram O Biquinho Vermelho (Saidenberg & Miyaura, 1983) e Pra Lá do Rio Grandioso (Arthur Faria, Jr. & Seung Joo Kang, de 1984, vista aqui pela última vez há 20 anos). O espevitado sobrinho de Peninha completa 30 anos mês que vem, a propósito.

Para completar, HQs brasileiras extraídas da EDIÇÃO EXTRA #98 PENINHA (ago/79), nunca antes republicadas. Diversão pura.




Capa original de Corrado Mastantuono, para TOPOLINO #2400 (27/nov/01)


Indexação e imagem adicional (TOPOLINO): Inducks





19 comentários:

  1. Esses ai com certeza vou comprar, só me entristece a maldita setorização....

    ResponderExcluir
  2. comprei hj esse do peninha... e tá realmente imperdível:

    achei este o melhor almanaque dele até agora (sendo q os outros 2 tbm foram excelentes)!!!

    taí um almanaque q merecia uma periodicidade menor.... (trimestral já estaria bom)!!!

    fóda é ter q esperar 6 meses pelo próximo....

    ResponderExcluir
  3. Puxa que legal, adoro o Peninha... estes gibis são imperdíveis.

    ResponderExcluir
  4. Hehehe, n adianta, eu sempre estarei na contramão ao afirmar que não gosto do morcego vermelho, achando uns 80% de suas histórias bemmm chatas. N sou tão fã do Peninha tb, mas gosto muito das histórias da Patada. Pena Kid, Submarino e das Selvas eu acho horrível.

    Enfim, gosto é gosto, e isso que faz com que cada gibi tenha seu público específico né.

    ResponderExcluir
  5. Não é por nada não, mas achei as capas da Abril melhores. Mesmo com essas bordas ruins.

    ResponderExcluir
  6. Achei os dois almanaques sensacionais, que a Editora Abril consiga continuar esse excelente trabalho. E parabéns ao pessoal do Planeta Gibi pelo empenho e dedicação em trazer informações preciosas sobre os quadrinhos disney e todos os demais.

    ResponderExcluir
  7. Ja tinha até esquecido como é bom comprar gibi Disney pela metade do preço... chegaram hoje aqui em Teresina os primeiros pacotes da nova setorização... 2 revistas pelo preço de 1... com essa enchurrada de gibis disney pelo menos isso pra nos alegrar....

    ResponderExcluir
  8. ESSA GENTE NÃO SABE O QUE C... QUER!

    "Ja tinha até esquecido como é bom comprar gibi Disney pela metade do preço... chegaram hoje aqui em Teresina os primeiros pacotes da nova setorização... 2 revistas pelo preço de 1..."

    Vejam só...
    Falou-se tão mal da maldita setorização, agora já estão aparecendo os primeiros agradecimentos por causa de algumas migalhas.

    Meu cunhado também coleciona, mora em Fortaleza e segundo ele, na época da primeira setorização nem todas as revistas chegavam nos pacotes, sempre faltava uma ou outra. Ele procura tres Pato donald e não acha nem com reza.

    Sorte que ele encontrou ao menos quatro na loja do Planeta, que também tem anotado os que faltam, mas não conseguem também.

    Tudo culpa dessa maldita setorização.

    Ele é a minoria na minoria, quero dizer que ele mora no nordeste, e pode comprar gibis. Infelizmente, claro, sabemos que a grande realidade é outra.
    Não tou julgando, mas se há setorização, é ÓBVIO, porque não tem consumo de gibis por lá que justifique um lucro favorável para a Abril.

    Bem, vamos ver pelo lado bom...
    Valha-me Deus!!

    ResponderExcluir
  9. Eu sou contra a setorização mas e disser que não gosto de comprar revistas pela metado do preço estarei mentindo... se ela nos traz muitas dores de cabeça comoa possibilidade perder alguns numeros ou as vezes comprar uma resvista amorrotada, pelo menos traz o consolo de terem um preço promocional....

    ResponderExcluir
  10. Não entendo porque deixaram de publicar uma das aventuras da saga do Morcego Vermelho mas publicaram duas histórias de outros herois.

    ResponderExcluir
  11. A saga está na íntegra. O trabalho que falta não foi mesmo abordado na edição original, da década de 1970.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. [O leitor também poderá matar saudade de dois personagens. O primeiro, o Bruxinho Peralta, é uma criação americana de meados da década de 1960 que, após sua estreia (desenhado por Tony Strobl), só voltou mesmo a aparecer em histórias brasileiras, quase sempre roteirizadas por Saidenberg.]

    É o sobrinho peste da Bruxa Vanda. Só que pela discrepância de idade entre eles, está mais para sobrinho-neto ou sobrinho-bisneto.

    [Já Magali (ou Perereca, como é chamada nesta HQ e em algumas outras), também criada nos anos 1960, teve mais produções americanas antes de aparecer nas criações dos Estúdios Abril. Sobrinha de Maga Patalójika, a bruxinha participou, ano passado, de uma história dinamarquesa.]

    O Brasil optou por considerar as duas versões da Magali como personagens distintas. A versão dos anos 60 criada pelo ousado Jim Fletcher tinha um irmão bruxinho chamado Feiticinho, que nunca foi usado em hqs brasileiras. Já a versão dos anos 70 criada por Glenn Schmitz é, de fato, bem diferente da versão do Fletcher, não só na aparência como no comportamento, que é mais sapeca. No Brasil, a Magali dos anos 60 ficou sendo mais mazinha, sendo chamada geralmente de Perereca, e a dos anos 70 mais fofinha, e foi escolhida para ficar com o nome de Magali por aqui.

    O Lars Jensen, vulgo "retirador de patos do fundo do baú", utilizou o Feiticinho e a Magali original em uma hq publicada no ano passado.

    ResponderExcluir
  14. [A capa desta edição é um remake da ilustração feita por Mike DeCarlo para a capa alternativa do gibi americano DISNEY'S HERO SQUAD #4, de 2010 — que, abrindo um espaço na publicação da saga italiana Ultraheroes, ajeitou ali a origem do Morcego Vermelho (produção brasileira, também assinada pela dupla Saidenberg e Herrero, vista aqui somente em 1973).]

    A BoomKids! foi muito corajosa em dar tanto destaque a um alterego do Peninha, uma vez que nem o próprio Peninha é quisto entre a maior parte dos leitores americanos. É engraçado, um país que ama o seriado "Seinfeld" não gostar do Peninha...

    ResponderExcluir
  15. Nunca tive vontade de colecionar gibis de outros países.
    Tenho apenas um pequena coleção de Almanacco Topolino completa que comprei numa viagem que fiz.
    É da reedição, comprei pq achei bonito, vi pelo inducks qe tem muita coisa inédita no Brasil.

    Eu nem lembrava mais que a Maga tinha uma sobrinha. Mas o nome Magali nunca deu problema com Mauricio de Sousa?

    Será que a Abril não mudou o nome para Perereca justamente por causa disso?

    Ou estou falando besteira?
    Sabes de algo Chabacano?
    Sabem de algo diso pessoal do Planeta?

    ResponderExcluir
  16. N acho que a magali tenha mudado de nome por "problema", pois a magali do MS, embora da déc. 60, só fez sucesso mesmo a partir dos anos 70, e a magali disney é de 67, então n acho que alguém poderia alegar questão de direitos do nome.

    Porém, de repente realmente possam ter mudado o nome para n "lembrar" da comilona toda hora que a bruxinha aparecesse.

    ResponderExcluir
  17. Se não me falha a memória, lembro-me de que a Maga tinha duas sobrinhas, a Magali e a Perereca (a primeira um pouco mais gordinha e a outra bem magrinha com sardas). É isso mesmo? Ou é a mesma com nome diferente, por causa da comilona do MS?

    ResponderExcluir
  18. Sem querer parecer pretensiosamente didático, vou tentar esclarecer o que aconteceu com a Magali. Originalmente a Maga só tem uma sobrinha oriunda das hqs americanas para o mercado exterior, "Witch Child". Só que como esta personagem ganhou duas versões bem distintas, os cartunistas daqui criaram hqs onde estas versões eram personagens distintos, a Perereca, frequentemente aprontando com o Peralta, e a Magali, que é uma bruxinha mais inofensiva.

    Vale lembrar que na Itália, a Maga tem duas sobrinhas morenas, além de uma prima loura chamada Matilda, que, por sinal, foi confundida com a Magali por aqui pelos tradutores da Abril.

    Saudações a todos os patistas de plantão! Especialmente aos que sabem que o Peninha é genial!

    ResponderExcluir
  19. Po Chacabano, informações valiosas essas suas. Vc conhece muito de Disney mesmo. Valeu!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.