' '

28 de mar de 2012

ESSENCIAL DISNEY #5 — Mickey e Minnie

Por E. Rodrigues

Este volume reproduz justamente a edição que abriu a coleção espanhola SERIE ORO (2009), que ESSENCIAL DISNEY espelha. Aqui, no entanto, houve uma alteração: saiu O Beijo Espacial, roteirizada por Casty e já publicada em MICKEY #789 e entrou A Aventura da Minnie, uma HQ dinamarquesa de 2009, inédita no Brasil — e a terceira não italiana, até agora, nesse título. Completam o gibi mais três aventuras, também sendo publicadas pela primeira vez por aqui. Confira apresentação e resumos a seguir.


Mickey e Minnie

Por Júlio de Andrade, Filho. Em 18 de novembro de 1928, Walt Disney, junto com o irmão Roy e o amigo, o animador Ub Iwerks, surpreendeu o mundo lançando nos cinemas o curta-metragem intitulado O Vapor Willie (Steamboat Willie), a primeira animação a apresentar uma faixa de áudio contendo música e efeitos sonoros totalmente sincronizados.

Além de todo o seu pioneirismo técnico, O Vapor Willie entraria para a história do entretenimento por apresentar ao mundo o camundongo Mickey, que se tornaria o astro número um dos Estúdios Disney.

Mas Mickey não estava em cena sozinho: contracenando com o herói havia uma mocinha em apuros... Minnie, como seus fãs viriam a descobrir ao longo dos anos, adora dançar, cuidar do jardim, fazer compras – mas está longe de ser uma dondoca.

Diferente de sua melhor amiga, Margarida, que costuma arrastar uma asa para o Gastão, Minnie não é de flertar com ninguém, sendo sempre fiel ao Mickey. Como faz questão de ficar na companhia do namorado, ela não hesita em partir em grandes aventuras ao lado dele.

Como veremos neste volume, ela ajuda o detetive nas investigações de crimes e acaba eventualmente se envolvendo em situações de perigo, deliberadamente ou por puro acidente.

Minnie, em resumo, não foi criada para viver à sombra do protagonista. Ela tem luz própria. Essas características, claro, não estavam lá na sua primeira aparição em 1928. Foram sendo desenvolvidas e ampliadas ao longo do tempo, especialmente nos quadrinhos, onde estreou, em 1930, na história Mickey contra os Piratas, com roteiro de Walt Disney e desenhos de Ub Iwerks.

A partir daí, e ao longo de 50 anos, Minnie foi ganhando cada vez mais projeção. Seguindo o processo de emancipação feminina que teve suas origens na década de 1960, a personagem foi se tornando mais independente, a ponto de ter na Itália, já na década de 1980, uma revista só dela com HQs assinadas por grandes artistas como Paolo Mottura e Nino Russo.

As HQs italianas, por sinal, são quase a totalidade neste volume e sintetizam praticamente toda a essência da personagem e todos os aspectos que permeiam seu relacionamento com o Mickey: um namoro que parece eterno, repleto de momentos românticos, passagens engraçadas e lances de perigo e aventura.

Mickey e Minnie formam, na falta de melhor definição, o casal perfeito. Não há monotonia no relacionamento deles, não há rotina nem briga de egos, não há dúvidas do amor e do carinho de um pelo outro. E o ciúme, quando acontece, é tão natural quanto poderia ser. 

O relacionamento deles não passa por crises que durem mais do que uma HQ de 30 páginas. Eles nasceram um para o outro. Mudaram um pouco através dos tempos, evoluíram, cresceram, mas têm estado sempre juntos, desde que despontaram para o estrelato em 1928. Eis um caso raro na vida, principalmente no mundo das celebridades.



Aventura em Alto-Mar
Roteiro: Bruno Sarda
Desenhos: Carlo Limido
Produzida em julho de 2000
Um espião misterioso, o desaparecimento de um microfilme com informações valiosas e um agente secreto infiltrado em um cruzeiro romântico pelo Caribe. Esses ingredientes, dignos de um filme de James Bond, foram combinados para criar uma aventura rocambolesca, inédita no Brasil, na qual Mickey é obrigado a esconder a verdade da Minnie para poder cumprir sua missão.

Hipermercado Amalucado
Roteiro: Augusto Macchetto
Desenhos: Salvatore Deiana
Produzida em maio de 2001
Patópolis tem o maior hipermercado do mundo. Duvida? Em sua área destinada à jardinagem, por exemplo, os seguranças encontram consumidores perdidos entre as plantas. Se o cliente quiser alcançar um produto que esteja na última prateleira, não haverá outro jeito que não seja recorrer a equipamento de alpinismo (mas não se sabe se a loja disponibiliza instrutores). É nesse ambiente superlativo que Mickey e Minnie acabam sem querer festejando o aniversário do dia em que se conheceram, junto a convidados surpreendentes. HQ inédita!

A Aventura da Minnie
Roteiro: Maya Åstrup
Desenhos: Fabrizio Petrossi
Produzida em abril de 2009
Se o Mickey pode fazer, ela também pode. É essa filosofia que Minnie coloca em prática quando substitui seu namorado numa jornada perigosa pelas selvas tropicais. Nesta aventura inédita, a charmosa ratinha enfrenta perigos de arrepiar a chapinha, mas ela faz uso de um recurso que seu namorado não tem: o instinto feminino!

O Presente de Casamento
Roteiro: Sergio Tulipano
Desenhos: Silvio Camboni
Produzida em novembro de 2001
Todo mundo já passou por essa dificuldade: o que dar de presente de casamento para uma pessoa que você não conhece muito bem? Mas, como diz o ditado, não há nada que esteja ruim que não possa piorar. Mickey recebe um convite de casamento de um amigo de quem ele não consegue nem mesmo se lembrar. Para sair dessa enrascada e presentear o noivo adequadamente, Minnie decide intervir.



Editora Abril, coleção em 20 volumes semanais, 100 páginas cor, formato 14,7 x 20,7 cm, R$ 10,00
Editor: Paulo Maffia
Introduções das HQs: Júlio de Andrade, Filho / Rivaldo Ribeiro

Desde que surgiram, nos anos 1930, os quadrinhos Disney foram sendo construídos com personagens e situações marcantes que imprimiram lembranças indeléveis em nossa memória. Formou-se em torno de cada um deles – Mickey, Donald, Patinhas e tantos outros – uma mitologia tão rica e complexa que ela passou a ser automaticamente reconhecida aos olhos do mundo. Com o passar do tempo, tornou-se desnecessário explicar a quem quer que fosse que Mickey namora a Minnie, que seu melhor amigo é o Pateta e que ele tem embates colossais com dois vilões que amamos odiar: Mancha Negra e João Bafo-de-Onça. Igualmente dispensável tornou-se apresentar Donald – sujeito irritado, azarado, que não consegue manter um emprego – ou o Tio Patinhas, sempre acossado pelos terríveis Irmãos Metralha, pelo milionário rival Patacôncio e, principalmente, pela Maga Patalójika, determinada a roubar a primeira moeda do velho muquirana para fazer com ela um amuleto e transformar-se assim na bruxa mais poderosa do mundo. Nesta nova grande coleção da Editora Abril, reunimos os assuntos prediletos que orbitam o universo Disney. Assim, ao se deparar com títulos como Tio Patinhas versus Maga Patalójika, Os Problemas Domésticos do Pateta e Os Infinitos Azares do Pato Donald, você sabe exatamente o que esperar: histórias que mostram a natureza dos personagens, os hábitos, o comportamento recorrente, as brigas, as rixas, os desafios, os laços de família e amizade. A cada volume, um novo tema. Em cada tema, uma formidável compilação de histórias em quadrinhos, clássicas e inéditas, que, acreditamos, serão tão preciosas para você quanto a Número Um é para o Tio Patinhas ou o 313 para o Pato Donald. Mais que preciosas, essenciais. 

A COLEÇÃO:
#1 — 9/mar: Tio Patinhas Versus Maga Patalójika
#2 — 9/mar: Donald e seus Sobrinhos
#3 — 16/mar: Os Problemas Domésticos do Pateta
#4 — 23/mar: Tio Patinhas e a Moeda Número Um 
#5 — 30/mar: Mickey e Minnie
#6 — 6/abr: Donald e seus Primos
#7 — 13/abr: Mickey Versus Mancha Negra
#8 — 20/abr: As Grandes Aventuras do Superpateta
#9 — 27/abr: Tio Patinhas Versus Irmãos Metralha
#10 — 4/mai: Mickey Versus João Bafo-de-Onça
#11 — 11/mai: Donald e Margarida
#12 — 18/mai: Os Passatempos Malucos do Pateta
#13 — 25/mai: As Grandes Viagens do Tio Patinhas
#14 — 1/jun: Mickey e Pluto
#15 — 8/jun: Os Infinitos Azares do Pato Donald
#16 — 15/jun: Pateta e seus Antepassados
#17 — 22/jun: Tio Patinhas Versus Patacôncio
#18 — 29/jun: Donald e seu Carro 313
#19 — 6/jul: O Detetive Mickey
#20 — 13/jul: Donald e seus Empregos que Não Duram







19 comentários:

  1. Uma pequena correção, amigos: vocês falaram que essa é 1ª edição com uma HQ não-italiana até agora, "uma HQ dinamarquesa de 2009, inédita no Brasil — e a única não italiana, até agora, nesse título.", mas no volume 1 já saiu uma com a Maga. XD

    ResponderExcluir
  2. Oi, ainda não foi atualizado esse número no Planeta Gibi Comic Shop né? Porque eu não encontrei no site...

    ResponderExcluir
  3. #5: antes não tinha, agora tem!

    HQs dinamarquesas: bola fora já corrigida!

    ResponderExcluir
  4. Adoro o Mickey, ele é meu amigo a vida toda. Será um prazer ter este 5º volume na coleção.
    Essencial Disney é uma coleção muito legal e a gente se surpreende a cada volume.

    ResponderExcluir
  5. Ahh, faltou dizer que o texto de apresentação do Júlio está perfeito... ótima síntese dos personagens. Achei o máximo quando ele diz sobre Mickey e Minnie "eles nasceram um para o outro", concordo plenamente.
    abs

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Paulo.
    O que acho interessante nesta coleção é que ela é destinada principalmente às pessoas que são pouco familizaridas com os quadrinhos Disney. Há uma multidão de leitores novos que só agora está se aventurando nesse universo e tanto os textos quanto as HQs têm o objetivo de situá-la e apresentá-la às situações que definem esse universo.

    Para os leitores veteranos, pode parecer chover no molhado você falar da moedinha número 1 ou contar novamente que Mickey surgiu num desenho animado em 1928. Mas para que estes, o atrativo da coleção é que ela traz HQs inéditas sobre esses temas.

    Voltando ao público-alvo, é para ele o título Essencial. O leitor novato não sabe quem é Barks ou Don Rosa, por isso as histórias desses artistas não são (ainda) essenciais a eles. Quando sua imersão no universo Disney for maior, entenderá porque tais artistas fazem parte do cânone.

    O essencial agora é conhecer a natureza dos personagens, seu comportamento, seus desafios e amizades. Conhecer os embates entre Tio Patinhas e Maga Patalójika, os passatempos malucos do Pateta ou a amizade entre Mickey e Pluto.

    Ou, como na edição 5, testemunhar o relacionamento do casal de namorados mais conhecido dos quadrinhos em histórias realmente divertidas. Esta é uma daquelas edições... Essenciais! Rsrsr

    ResponderExcluir
  7. Julio, permita-me discordar. Acho exatamente o contrário, que a coleção seria para nós que acompanhamos mais de perto o universo Disney e que temos a chance de acompanhar histórias inéditas europeias, que aparecem com pouca frequência por aqui, somente nas mensais.

    Eu NÃO QUERIA que houvesse rosa e barks na coleção, n aguento mais eles, porém acho que se um leitor novato quer "Conhecer os embates entre Tio Patinhas e Maga Patalójika", não há nenhuma lógica em mostrar esses embates sem pelo menos "o toque de midas", até pq, como vc sabe, os europeus descaracterizaram e muito o lance do PORQUE a maga quer a primeira moedinha e O QUE essa moedinha causa no TP.

    Poxa, tem histórias que o TP perde a moeda e ai tem azar e empobrece totalmente. N foi isso que Barks criou, sinto muito.

    Eu acho, sim, que coleções assim deveriam trazer uma história de cada escola para determinada situação, exatamente para mostrar, por exemplo nesse caso da Maga, como eram as situações via Barks, via autores brasileiros e via europeus. A bruxa vive em local diferente, tem bicho de estimação diferente e tem objetivo diferente ao querer a moeda.

    Como considerar essencial/absoluta a situação criada pelos europeus e esquecer aquelas criadas pelos outros artistas (que trariam sim a ideia essencial desses embates, bem mais que os europeus).

    Não sei se fui claro.

    ResponderExcluir
  8. Um outro exemplo:

    - TP x H/Z/L sem brigas entre eles
    - Mickey e Minnie sem Ranulfo enchendo o saco

    ResponderExcluir
  9. Legal Júlio, é isso mesmo.
    Coleções assim são sempre novidades nas bancas e podem ser o ponto de partida para novos colecionadores ou para o retorno daqueles que estiveram afastados dos quadrinhos Disney.
    E para nós que amamos e acompanhamos estes gibis desde crianças, é um privilégio poder viver esta ótima fase nos quadrinhos da Editora Abril.
    Abs e parabéns pelo bom trabalho.

    ResponderExcluir
  10. Onde eu pus TP x H,Z,L leia-se PD x H,Z,L

    ResponderExcluir
  11. O ponto de vista do Sergiokid faz muito sentido. Mas a gente sabe que a Abril lança algumas coisas em caráter de experimentação. Eles vão testando a repercussão. CLD foi bem? Então lança mais uma coleção. PFH foi bem também? Continua lançando pra ver o que dá. Mas desta vez pensando nos leitores novatos.
    Está errado lançar? Óbvio que não. Mas é notável que a Abril ainda está aprendendo a reconhecer seu público, já que a retomada Disney é um tanto quanto recente. Se conhecesse, não lançaria Disney Gigante Preto e Branco "pensando no público mais adulto". O público adulto - ultimamente deixado um pouco de lado pela Abril - quer edições de luxo. Ou não seria mais legal PFH em formato grande, que valorizaria mais os desenhos detalhistas da série?
    O fracasso da revista preto e branco seria menor se tivessem publicado a hq Casablanca (essa sim, feita pra ser publicada em PB mesmo) mas a história que circula é que a Disney não autoriza republicação de jeito nenhum. Mas o motivo dessa frescura, caso alguém saiba, me esclareça.

    ResponderExcluir
  12. "Mas o motivo dessa frescura, caso alguém saiba, me esclareça."


    deve ser o mesmo motivo pelo qual a Marvel não pode republicar as histórias de Jack Kirby pra série "2001 - uma odisséia no espaço"....

    e tbm o mesmo motivo pelo qual nenhuma editora pode publicar o crossover: "X-Men & Star Trek" no Brasil!!!

    e nem os gibis do "Robocop".....

    percebeu a semelhança envolvendo direitos autorais de FILMES entre todos esses casos??

    pois é.... se não for esse o problema, então eu sou mico de circo!!!

    ResponderExcluir
  13. Leo, o motivo é exatamente esse, direitos autorais; no caso de Casablanca, a Disney ainda sofreu um processo por parte da Universal Pictures e foi obrigada a recolher a Topolino que trazia essa história e que, naquele ano, fora lançada com estardalhaço no Festival de Veneza.

    ResponderExcluir
  14. Hmm... Algo me diz que Casablanca não tardará a ser publicada no Brasil...

    ResponderExcluir
  15. "Leo, o motivo é exatamente esse, direitos autorais; no caso de Casablanca, a Disney ainda sofreu um processo por parte da Universal Pictures"


    É uma pena mesmo q o excesso de burocracia e intermináveis brigas judiciais impeçam a publicação de diversas histórias pelos mesmos motivos....

    eu até me admirei de um crossover entre "Robocop Vs. Exterminador do Futuro" ter sido publicado aqui nos anos 90: com 2 franquias dificílimas de serem liberadas pra publicação!!! Foi um caso raro!!!

    mas q bom q parece existir uma luz no fim do túnel pra "casablanca".... adoro essas sátiras de grandes filmes pela Disney!!!

    PS: ainda espero q seja republicada aqui um dia "E o Vento levou"... q me traz boas lembranças de qdo a li em partes espalhadas por 3 gibis dos anos 80!!!

    ResponderExcluir
  16. Em 2012, o filme fará 70 anos de sua primeira exibição. E, 25 anos mais tarde, entrará em domínio público. Então, qualquer um poderá fazer um Casablanca 2 (já que o final do primeiro ficou em aberto).

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Todos nós temos noção da questão dos direitos autorais. O detalhe é que paródias não infringem esses direitos. Quantas vezes já não vimos sátiras de filmes em quadrinhos Disney, na revista Mad ou nas intermináveis referências à Marvel e à DC nas histórias da Turma da Mônica?

    A meu ver, a Disney não autorizava a republicação por preciosismo. Não que ela tivesse perdido o processo.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.