' '

22 de mar de 2012

ESSENCIAL DISNEY #4 — Tio Patinhas e a Moeda Número Um

Por E. Rodrigues

Com quatro HQs inéditas e uma apresentada pela primeira vez na íntegra por aqui, ESSENCIAL DISNEY #4 (disponível aqui) traz um dos temas mais distinguíveis do universo Disney: Tio Patinhas e seu caso de amor com a moedinha Número Um. A edição traz surpresas, como a súbita decisão do milionário em presentear Maga Patalójika com o amuleto. Já A Microfeiticeira, excelente trama de 1973, é aqui publicada na íntegra, com 25 páginas (saíra aqui na década de 1980, com apenas 13, nomeada O Minimilionário).


Tio Patinhas e a Moeda Número Um

Por Júlio de Andrade, Filho. Quando o genial Carl Barks (1901-2000) criou o Tio Patinhas no verão de 1947, ele era apenas um parente distante e avarento do Donald, razoavelmente rico e extremamente ranzinza — uma paródia de Ebenezer Scrooge, o insuportável muquirana de Um Conto de Natal, de Charles Dickens (1812-1870).

Foi no transcorrer dos anos que Barks começou a elaborar a personalidade do magnata, delineando os traços que viriam a consolidá-lo como uma das mais populares figuras do universo dos quadrinhos.

Incorrigível sovina, mas sujeito a repentinos atos de generosidade, Patinhas enriqueceu à custa do trabalho e não hesita em se aventurar pelo planeta (e até fora dele) para ampliar sua riqueza. 

Essa imensa fortuna está guardada em um edifício gigantesco da altura de um prédio de doze andares e começou a ser acumulada a partir de uma moeda de 10 cents de dólar, que Patinhas recebeu como primeiro pagamento, quando, ainda menino, trabalhava como engraxate na Escócia. Como era uma moeda americana, ou seja, nada valia em sua terra natal, o pato então a guardou e a usou como inspiração para fazer fortuna em outro país. 

De fato, nas HQs escritas por Carl Barks, Patinhas declara que a mantinha apenas por motivos sentimentais — ela representava a lembrança de sua infância pobre e de como ele lutara para chegar à posição de quaquilionário.

Foi em histórias posteriores, feitas por outros autores, que se introduziu o conceito de que a moeda trazia boa sorte para seu dono. Em algumas tramas, por exemplo, o Tio Patinhas começa a perder dinheiro quando ela não está mais em seu poder. 

Na verdade, o velho milionário sempre vai às lágrimas, ou entra em profunda depressão, quando se vê privado da Número Um, e é por isso que ela fica acomodada dentro de uma redoma de vidro, devidamente vigiada, na Caixa-Forte. 

Tanta segurança é necessária porque esse pequeno tesouro sentimental é o objeto de desejo da feiticeira Maga Patalójika, que acredita que a primeira moeda obtida pelo pato mais rico do mundo poderá lhe trazer riqueza e grandes poderes se for derretida nas lavas do Vesúvio e convertida em um talismã. 

Durantes anos, Maga tentou de tudo para pôr as mãos na Número Um — sem nunca atingir seu objetivo. A obsessão da bruxa é tão grande que chega às raias da paranoia, como podemos conferir na quarta HQ deste volume. 

Mas será mesmo que o dinheiro do tio viraria pó se a primeira moedinha desaparecesse? Barks e seu seguidor, o escritor e desenhista Don Rosa, preferiam não apostar nisso, já que o trabalho duro e a perseverança, e não a sorte, fizeram de Patinhas o pato mais rico do mundo. 

Por outro lado, eliminar o efeito místico da Número Um das HQs Disney seria o mesmo que apagar Krypton do passado do Superman. Ela faz parte da cultura popular, a ponto de ser citada na letra da música Superbacana, de Caetano Veloso, gravada em 1967: 

“(...) Do parque eletrônico, 
do poder atômico, 
do avanço econômico, 
a Moeda Número Um do Tio Patinhas não é minha...”.


Os Amuletos Alternativos
Roteiro: Bruno Concina
Desenhos: Luciano Gatto
Produzida em junho de 2000 
Esta história, inédita no Brasil, traz também um fato absolutamente inédito: o Tio Patinhas, farto de ver sua amada Número Um ser alvo incessante da cobiça da Maga Patalójika, subitamente a dá de presente para a bruxa. Imagine só o velho sovina dando alguma coisa para alguém, ainda mais sua preciosa moedinha... 

A Microfeiticeira
Roteiro: Michele Gazzarri
Desenhos: Giorgio Bordini
Produzida em novembro de 1973
Publicada agora na íntegra (saiu em Tio Patinhas 202, de 1982, com apenas 13 páginas), esta aventura tem duas tramas dentro de uma: primeiro Maga Patalójika se miniaturiza para tentar entrar na Caixa-Forte e roubar a Número Um. Depois, ela reduz o próprio Patinhas ao tamanho de uma formiga e o sequestra para trocá-lo pela moedinha.

A Última Moeda
Roteiro: Marco Bosco, Massimiliano Valentini
Desenhos: Luciano Gatto
Produzida em agosto de 2005
Um simples furo no bolso do paletó pode se converter na desgraça do Tio Patinhas. É por ali que ele perde a Número Um que, por conta de uma série de eventos, vai parar justamente nas mãos dos Irmãos Metralha. Aventura de verão, inédita no Brasil. 

Vilões em Férias
Roteiro: Augusto Macchetto
Desenhos: Vincenzo Arcuri
Produzida em agosto de 1997
Uma bruxa estressada por causa de uma incontrolável obsessão. O remédio: férias na Flórida. Este enredo hilariante, inédito no Brasil, apresenta um lado diferente, e mais humano, da Maga Patalójika. 

A Fuga da Número Um
Roteiro: Rodolfo Cimino
Desenhos: Michele Mazzon
Produzida em julho de 2006
O que aconteceria se a moedinha do Tio Patinhas desaparecesse? Esta história, inédita no Brasil, reforça a mística de que aqueles dez centavos trazem prosperidade a seu possuidor, ao mesmo tempo em que mostra o velho sovina perdendo aos poucos sua fortuna, talvez não porque a sorte o tenha abandonado, mas porque ele se entrega à depressão e deixa de cuidar dos negócios. 



Editora Abril, coleção em 20 volumes semanais, 100 páginas cor, formato 14,7 x 20,7 cm, R$ 10,00
Editor: Paulo Maffia
Introduções das HQs: Júlio de Andrade, Filho / Rivaldo Ribeiro

Desde que surgiram, nos anos 1930, os quadrinhos Disney foram sendo construídos com personagens e situações marcantes que imprimiram lembranças indeléveis em nossa memória. Formou-se em torno de cada um deles – Mickey, Donald, Patinhas e tantos outros – uma mitologia tão rica e complexa que ela passou a ser automaticamente reconhecida aos olhos do mundo. Com o passar do tempo, tornou-se desnecessário explicar a quem quer que fosse que Mickey namora a Minnie, que seu melhor amigo é o Pateta e que ele tem embates colossais com dois vilões que amamos odiar: Mancha Negra e João Bafo-de-Onça. Igualmente dispensável tornou-se apresentar Donald – sujeito irritado, azarado, que não consegue manter um emprego – ou o Tio Patinhas, sempre acossado pelos terríveis Irmãos Metralha, pelo milionário rival Patacôncio e, principalmente, pela Maga Patalójika, determinada a roubar a primeira moeda do velho muquirana para fazer com ela um amuleto e transformar-se assim na bruxa mais poderosa do mundo. Nesta nova grande coleção da Editora Abril, reunimos os assuntos prediletos que orbitam o universo Disney. Assim, ao se deparar com títulos como Tio Patinhas versus Maga Patalójika, Os Problemas Domésticos do Pateta e Os Infinitos Azares do Pato Donald, você sabe exatamente o que esperar: histórias que mostram a natureza dos personagens, os hábitos, o comportamento recorrente, as brigas, as rixas, os desafios, os laços de família e amizade. A cada volume, um novo tema. Em cada tema, uma formidável compilação de histórias em quadrinhos, clássicas e inéditas, que, acreditamos, serão tão preciosas para você quanto a Número Um é para o Tio Patinhas ou o 313 para o Pato Donald. Mais que preciosas, essenciais. 

A COLEÇÃO:
#1 — 9/mar: Tio Patinhas Versus Maga Patalójika
#2 — 9/mar: Donald e seus Sobrinhos
#3 — 16/mar: Os Problemas Domésticos do Pateta
#4 — 23/mar: Tio Patinhas e a Moeda Número Um 
#5 — 30/mar: Mickey e Minnie
#6 — 6/abr: Donald e seus Primos
#7 — 13/abr: Mickey Versus Mancha Negra
#8 — 20/abr: As Grandes Aventuras do Superpateta
#9 — 27/abr: Tio Patinhas Versus Irmãos Metralha
#10 — 4/mai: Mickey Versus João Bafo-de-Onça
#11 — 11/mai: Donald e Margarida
#12 — 18/mai: Os Passatempos Malucos do Pateta
#13 — 25/mai: As Grandes Viagens do Tio Patinhas
#14 — 1/jun: Mickey e Pluto
#15 — 8/jun: Os Infinitos Azares do Pato Donald
#16 — 15/jun: Pateta e seus Antepassados
#17 — 22/jun: Tio Patinhas Versus Patacôncio
#18 — 29/jun: Donald e seu Carro 313
#19 — 6/jul: O Detetive Mickey
#20 — 13/jul: Donald e seus Empregos que Não Duram







17 comentários:

  1. Estes é um dos mais esperados volumes de Essencial Disney para mim.

    ResponderExcluir
  2. ja garanti minha atualizaçao dos primeiros 5 volumes da coleçao graças ao pg..agora e so esperar chegar pra devorar.

    ResponderExcluir
  3. Li os dois primeiros volumes e achei excelentes!! A do Pateta eu vou passar, mas essa do Patinhas eu quero.

    ResponderExcluir
  4. Desculpe se estiver errada, mas na sessão de novidades da loja há uma capa errada para a revista do Chico Bento 63 [apaguem este post após conferir]. Procede?

    ResponderExcluir
  5. Foi replicada a capa do #62. Já vamos arrumar. Abs.

    ResponderExcluir
  6. Só falei porque achei importante pra vcs...

    ResponderExcluir
  7. Achei essa legalzinha. A #2 também.

    Eu sei que posso estar me precipitando, mas tem mais alguém achando essa coleção bem mediana até agora ou sou só eu?

    ResponderExcluir
  8. Olha André, concordo contigo...

    ResponderExcluir
  9. A exemplo da primeira edição com uma HQ do Cavazanno de 71, pelo menos se publicará, desta vez na íntegra, outra história interessante.

    Infelizmente, essa "regalia" é mais frequente com as histórias dos patos. As edições do Mickey vão deixar a desejar.

    ResponderExcluir
  10. Não gostei da coleção, mas estou comprando mesmo assim. Diante das duas primeiras fica bem abaixo. A qualidade de algumas histórias é de arrepiar Mesmo diante do fato de serem inéditas. É preciso mais critérios na seleção das mesmas. Ai, eu mim pergunto por que não republicar o Mistério dos Signos alegando que a historia é fraca se coisa muito pior ainda é publicada?
    Porque (alguém me explica), a Abril não publica edições de luxo com encadernação e papel especial, se os antigos leitores que hoje trabalha e tem salário (e não mesada) podem pagar. Pesquisa feita nos EUA confirma que os leitores mais velhos em relação aos novos são os que mais consomem gibis. Até quando vamos importar edições e coleções gringas . Acorda Abril!
    A propósito cadê Disney Jumbo dois?

    ResponderExcluir
  11. Assino em baixo o que o colega João Vicente disse. Com pontos e vírgulas.

    A Abril precisa olha para os colecionadores que podem pagar por albuns de luxo. Bem selecionados, claro, e colocar nas livrarias produtos

    A Abril deveria colocar gente pra atender

    E...
    Ô Planeta Gibi! Vocês agora estão admintindo bisbilhoteiros até em vossa loja virtual?

    Você são de fato muito educados, mesmo com gente que costuma vez ou outra dá cacetadas pesadas somente com com o intíuito de desgraçar vossa reputação.

    Vocês ficam dando trela pra essa gente, daqui a pouco eles vão querer controlar até... seus posts... seus baners... seus estoques... sua vitrine de ofertas... seus preços...

    Ouçam um homem vivido!!!!!!

    virge!!!
    É o fim dapicada.

    PS: Por favor Abril, responda um de meus emails, o último que mandei foi dia 14/02/12.

    ResponderExcluir
  12. Prezado Vinícius,

    "essa gente" tem nome e chama-se FABIANO. E "essa gente" não quer controlar nada porque esse negócio não é meu.

    Eu fui na loja, como vou todos os dias, porque gosto de ficar namorando as revistas que lá estão. Gosto do layout, das colunas, das revistas, enfim... cada louco com sua loucura e, se o local é público, penso que tenho esse direito!!

    Antes de referi-se a minha pessoa com ressentimentos, procure antes não julgar o próximo pelas aparências e tomar mais cuidado quando aponta o dedo de forma leviana como vem fazendo comigo, e já não é a primeira vez que assim o faz.

    Se eu quisesse prejudicar alguém, com certeza eu faria muito mais do que ficar dizendo coisas desagradáveis, críticas ao site e a algumas coisas que uma vez ou outra vi aqui. Tenho tempo e condições suficientes para isso, pois também tenho meu próprio serviço e sou o senhor do meu tempo. Por isso eu sei que, quando há alguma coisa inesperada, o melhor a fazer é comunicar ao site. Se deve haver uma atenção ou correção, quem decidirá são as pessoas do site. Eu apenas fiz minha parte de avisar.

    Se você tivesse um pingo de sensibilidade, veria que todas as coisas desagradáveis que já falei não tinham objetivo de prejudicar e nem difamar e, mesmo em momentos os quais fui duramente criticado por ter feito isso, jamais saí falando por aí difamações sobre a loja. Muito pelo contrário: eu sempre, SEMPRE, afirmei que o Planeta Gibi é uma loja excelente nas vendas de gibis. Assim o faço aqui, no ORKUT, no Facebook, no Twitter e aonde mais eu passo.

    Eu poderia muito bem, em alguns momentos "delicados" ter feito exatamente o contrário e simplesmente ficar detonando o Planeta Gibi por aí, mas durante esse tempo todo que conheço a loja, as críticas que fiz foram sempre pontuais e sempre buscando o bem do negócio. Eu não conheço o pessoal do site pessoalmente, logo, não tenho nem porque motivos fazer ataques pessoais. E mesmo que tivesse, não é de minha índole.

    Você sabe o que é índole? Índole não é ser legal ou ser chato. Não é escrever ou falar coisas legais e agradáveis ou deixar o fulano furioso por algumas linhas ruins. Índole é você ser uma pessoa do bem que, mesmo sendo chato e desagradável, às vezes, assim o é porque acredita estar ajudando em alguma coisa. Índole é agir com sinceridade e elogiar quando sente que deve e não ter receio de puxar a orelha ou meter o pau em alguns momentos porque uma amizade incondicional, ainda que não saia do meio virtual, penso que deve assim.

    Eu sinto muito se pessoas como você não gostam do meu jeito de ser. Talvez nem as pessoas daqui deste site gostam ou me entendam. Quem sabe?? Mas eu já tenho meus 34 anos, família e amigos reais e não vou mudar por causa da Internet porque o sucesso de minha vida pessoal REAL me faz ter orgulho de ser quem eu sou. E muito aprendo, a cada dia, com tais acontecimentos, sejam eles aonde forem, principalmente na Internet.

    Sites como o Planeta Gibi não são raridades na Internet. Eu conheço vários. Mas por algum motivo, é aqui que gosto de visitar, ficar, olhar e namorar tudo. Fiquei um bom tempo sem comentar, mas sempre passei aqui quase todo os dias e isso nunca foi segredo para ninguém, pois quem frequenta fóruns e orkut já leu minhas declarações sobre isso.

    Eu tenho muito receio do tipo de pessoa que fica só dizendo palavras bonitas e de apoio. Essas pessoas não falam com o coração porque a única preocupação que têm são em mostrarem-se prefeitas e envaidecerem-se diante dos outros por algum motivo que desconheço, mas acredito ser um caso de distúrbio mental ou solidão. Esse tipo de pessoa, sim, é que deve-se prestar atenção porque cedo ou tarde essa máscara cai e o que vemos é tão feio que pode nos atingir (ou não) e jamais esqueceremos disso.

    Passe bem.

    Fabiano Caldeira ("essa gente")

    ResponderExcluir
  13. Caro.
    Vc não precisa escrever um jornal para dizer o que precisa ser dito.

    Eu nunca lhe tratei com leviandades, aliás, leviano, eu não sou mesmo... nem nunca usei termos como: "tome mais cuidado".
    OK?

    Você adora criticar, critica tudo, todos, mas quando é criticado... saiam todos de baixo.

    Você é um cara inteligente pacas, deveria entender também que pode receber críticas e aceitá-las numa boa (não falo só de hoje).
    De tudo você se defende!

    Critiquei. E vejam só senhores o tablóide...

    Fique a vontade pra escrever outro jornal, não vou entrar no seu jogo, senão isso aqui vai ficar igual ao esgoto do Orkut.

    Pra finalizar:
    Eu não o agredi, apenas usei o termo 'bisbilhoteiro'.

    SEGUNDO O DICIONÁRIO:

    Bisbilhotar - Conjugar
    (talvez do italiano bisbigliare, sussurrar)
    v. intr.
    v. intr.
    1. Procurar ou comentar factos.fatos privados da vida de outros.
    2. Ver o que se passa para o ir contar.
    3. Meter-se no que não é da sua conta. = INTROMETER-SE
    4. Difundir boatos.

    ResponderExcluir
  14. "E...
    Ô Planeta Gibi! Vocês agora estão admintindo bisbilhoteiros até em vossa loja virtual?

    Você são de fato muito educados, mesmo com gente que costuma vez ou outra dá cacetadas pesadas somente com com o intíuito de desgraçar vossa reputação.

    Vocês ficam dando trela pra essa gente, daqui a pouco eles vão querer controlar até... seus posts... seus baners... seus estoques... sua vitrine de ofertas... seus preços...

    Ouçam um homem vivido!!!!!!

    virge!!!
    É o fim dapicada."


    Suas palavras acima já dizem por si só.
    Realmente, eu nem perco mais tempo escrevendo "livros" para pessoas, mas desta vez senti que devia isso... não a você, mas talvez a outros, por causa de outras épocas. O mal de propaga facilmente e na Internet não é diferente.

    Sem mais...

    ResponderExcluir
  15. Puxa vida, uma coleção tão legal como Essencial Disney nas bancas. Esta edição nº 4 com uma hq tão incrível como "Os Amuletos Alternativos" desenhada por Luciano Gatto na abertura, e as outras histórias todas inéditas, e ...

    ResponderExcluir
  16. "e as outras histórias todas inéditas, e ..."

    continuando(da minha parte,Paulo)e...

    Tudo setorizado,saco do 'garaio', kkk

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.