' '

8 de dez de 2011

PATETA FAZ HISTÓRIA #19— dez/11

Por E. Rodrigues & Rivaldo Ribeiro

Com esta edição, completa-se no Brasil a publicação de todas as 38 HQs de 44 páginas produzidas da série PATETA FAZ HISTÓRIA. Antes, somente a Alemanha havia compilado essa obra. A Volta ao Mundo em 80 Dias, que abre o volume, coloca o leitor na torcida para que nossos amigos atinjam seu objetivo. Assim, além do humor mordaz e do abundante nonsense nas soluções, somos envolvidos pela aventura. Já Mickey Aladim foi a última produção da 1ª fase da série, com três tiras por página e  mais apelo visual.


PATETA FAZ HISTÓRIA em A Volta ao Mundo em 80 Dias
Por Planeta Gibi. A grande diversão do leitor da coleção Pateta Faz História é ser surpreendido por piadas e situações que subvertem a lógica, a cronologia e a natureza dos fatos satirizados.

Pois em A Volta ao Mundo em 80 Dias é curioso notar que, antes de tudo, ficamos torcendo para que Pateta e Mickey sejam bem sucedidos em seu objetivo e ganhem a aposta que fizeram com os membros de um clube londrino.

Não que os elementos que fazem a fama desses episódios estejam ausentes: eles comparecem, e em quantidade tão numerosa e conjunturas tão absurdas como nos mais inspirados momentos da série. Prevalecerá, porém, o desejo de ver Pateta se dar bem.

Ingênuo e otimista como nunca, o personagem quase põe tudo a perder em certos momentos (quando insiste em dar uma de turista no Egito, por exemplo, logo no início da longa viagem), mas também ajuda Mickey na recuperação de terreno perdido, além de manter-se fiel ao amigo mesmo nas situações mais improváveis.

Sucessivos problemas com os meios de locomoção, no entanto, põem o leitor naquela expectativa que só bons roteiros conseguem provocar.

No livro de Júlio Verne, o protagonista é o nobre inglês Phileas Fogg, que parte em viagem com seu fiel criado, Passepartout. Na HQ, esses papéis são trocados, sendo Pateta Fog um reles empregado do Clube de Cavalheiros, e Mickey um dos membros.

A história segue até certo ponto o roteiro proposto pelo livro (Londres, Dover, Suez, Bombaim, Calcutá, Hong Kong, Yokohama, São Francisco, Nova York e Londres). Seus meios de transporte são, de início, semelhantes aos do romance (trens e navios). Mas vão se tornando mais e mais absurdos até o limite do nonsense — mas deixemos que o leitor se surpreenda!

Por fim, é curioso que à odisseia dos ingleses seja constantemente relacionado um balão — inexistente em ambos livro e HQ. A melhor explicação, talvez, seja a popularidade alcançada pela superprodução homônima do cinema americano, de 1956, onde não só um balão é utilizado, como é ainda destaque no cartaz do filme. Essa adaptação, que contou com pequenas participações de dezenas de estrelas da época, acabou inspirando outras produções, inclusive desenhos animados, o que acabou por fixar no senso comum a presença do artefato faltante na obra de Verne. Há alguns anos, a própria Disney produziu um remake daquela obra.

PATETA FAZ HISTÓRIA na Volta ao Mundo em 80 Dias
Roteiro: (possivelmente de) Greg Crosby (Inducks não confirma isso)
Desenhos: Hector Adolfo de Urtiága
Arte-Final: Adalberto Rubén Torreiro
Publicada primeiro em 1978

PATETA FAZ HISTÓRIA como o gênio de Aladim
Por Planeta Gibi. Aladim é um caso especial dentro da série Pateta Faz História. Mickey faz o personagem título e, finalmente, recebe todos os holofotes. Pateta só aparece do meio da história para frente, como o gênio da lâmpada maravilhosa. E João Bafo-de-Onça faz um Ali Babá vilanesco, um mágico que é chefe dos famigerados 40 Ladrões — na única vez em que um mesmo personagem tem papel de destaque em duas diferentes HQs da coleção (Ali Babá foi vivido pelo próprio Pateta, no volume 14).

Essas particularidades, contudo, nunca encobrem as características comuns às histórias desta série. Já no quadro de abertura, o leitor poderá ater-se aos detalhes, divertindo-se com as piadinhas de segundo plano e a variedade de citações ao Oriente e suas lendas (como um absurdo tapete voador gigante, fazendo as vezes de um avião, com comissários, aeromoças e tudo).

Quando Bafo aborda Mickey, por um instante pensamos que esteja regenerado. Mas aos poucos o velhaco vai mostrando seu lado autoritário até, enfim, revelar-nos sua personalidade bandoleira de sempre (um detalhe engraçado: só nos são mostrados dois ladrões, porque — o narrador nos informa — o desenhista se recusou a desenhar os demais!).

E Pateta faz um gênio na medida, divertido e um tantinho atrapalhado. É interessante notar que Mickey tem um comportamento um tanto ingênuo, o que é bastante incomum em sua carreira. É possível, por isso, imaginar que seu papel poderia ter sido perfeitamente trocado com o de Pateta, sem prejuízo da narrativa ou de suas piadas. Enfim, o camundongo parece ter recebido um prêmio de consolação após tanto reclamar de suas funções secundárias em Pateta Faz História.

Os quadrinistas foram, até certo ponto, bastante fiéis ao conto milenar. De fato, assim como mostrado na HQ, Aladim é abordado por um mágico (que de início lhe parece ser boa gente) que o leva a um local ermo, onde uma grande pedra pode ser removida por uma argola, dando acesso a uma caverna secreta onde se encontra a lâmpada maravilhosa.

E, para ficar em somente mais um exemplo, outra citação explícita à lenda ocorre mais à frente, quando os ladrões reclamam de terem sido atingidos por água gelada: Pateta não perde a piada, informando que eles deveriam se dar por satisfeitos, pois no conto original (de Ali Babá), os ladrões são mergulhados em óleo fervente! De fato.

Vale lembrar que uma das mais prósperas produções dos Estúdios Disney foi igualmente inspirada pelas Mil e Uma Noites. Em 1992, o longa-metragem animado Aladdin combinou a história da lâmpada maravilhosa com a aventura de Ali Babá e foi aclamado por público e crítica ao mostrar ótimas canções, personagens memoráveis e uma atuação vigorosa de Robin Williams, dando voz ao imprevisível gênio da lâmpada.

PATETA FAZ HISTÓRIA com Mickey Aladim
Roteiro: Cal Howard
Desenhos: Hector Adolfo de Urtiága
Arte-Final: Adalberto Rubén Torreiro
Publicada primeiro em 1986




Editora Abril, coleção em 20 volumes semanais
100 páginas cor, formato 14,7 x 20,7 cm, capa cartonada, lombada quadrada, miolo offset, R$ 9,95
Editor: Paulo Maffia
Biografias: Júlio de Andrade, Filho
Introduções das HQs: Rivaldo Ribeiro





5 comentários:

  1. Tenho os 16 primeiros volumes, mas o tempo está meio escasso, só li 2... quem sabe nas férias, rsrs. Mas a coleção e o texto são sensacionais.

    ResponderExcluir
  2. Só espero que a próxima coleção não seja semanal...

    ResponderExcluir
  3. Pateta Faz História é excelente. Espero que em 2012 tenhamos mais coleções como essa, nesse formato e periodicidade.

    ResponderExcluir
  4. Hehehe...é Celso,agora com as revistas almentando em 2012,vai ficar um pouco dificil mesmo,afinal queremos todo tipo de coleção dos Quadrinhos Disney!!!:D

    Ei,pessoal do PGb pq parou com os posteris individuais com as edições mensais/férias/extras apresentando a seleção de HQs e mostrando as capas originais de cada?...gostava tanto quando tinha!!:(

    ResponderExcluir
  5. Não paramos, apenmas mudamos o formato, colocando 2 meses de cada vez. As revistas de dezembro e janeiro serão divulgadas aqui nos próximos dias.
    Abs.
    E.Rodrigues

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.