' '

8 de jan de 2011

Pato Donald #2390 — jan/11

Por José Rivaldo Ribeiro

O brasileiro Carlos Mota desenha a HQ que fecha mais esta edição espetacular de Pato Donald, A Saga do Capitão Trambolhão, cheia de referências (leia mais abaixo). Além da origem de Oona, o gibi traz duas histórias desenhadas por William van Horn que, apesar de produzidas num intervalo de tempo nem tão grande assim, revelam uma sensível diferença no traço do americano. A Batalha dos Abelhudos, que tem roteiro de seu filho Noel, traz mais um dos tragicômicos confrontos Donald x Silva. E em fevereiro... conheça a arte de como se dar bem com seu vizinho (adivinhe com quem!).


Pato Donald #2390
52 páginas, formatinho 13,4 X 19 cm, edição 1754, R$ 2,95




A Origem da Princesa Oona
Argumento de Stefan Printz-Påhlson, roteiro de Unn Printz-Påhlson, desenhos de Vicar
D93505, 12 páginas. A Pata das Cavernas Oona, criação dinamarquesa de 1995, apareceu até hoje em duas dúzias de histórias. No Brasil, estreou com sua segunda, em Tio Patinhas #384 (jul/97). Uma lacuna é preenchida com a publicação aqui, pela primeira vez, de sua HQ de origem.




A Batalha dos Abelhudos
Roteiro de Noel van Horn, desenhos de William van Horn
D97482. 10 páginas. Donald e Silva de novo às turras. Um traço mais antigo de William van Horn, com o pato mais pescoçudo e, portanto, mais clássico. Inédita.



Inverno Quente
Por William van Horn
D2003-132. 10 páginas. Outra de van Horn, nem tão mais nova assim do que a anterior, mas repare só na diferença do traço. Aqui, Donald e sobrinhos vão esquiar... à beira da cratera de um vulcão! Inédita no Brasil, esta HQ foi publicada no mundo todo, inclusive Rússia e EUA.



A Saga do Capitão Trambolhão
Roteiro de Geoffrey Blum, desenhos de Carlos Mota
D/D2001-020, 14 páginas. Outra inédita, com várias referências a Carl Barks, particularmente a Perdidos nos Andes. O artista já foi homenageado várias vezes por diversos artistas, algumas vezes com nariz de cachorro, outras com silhueta humana. Pois seja como estrela da HQ ou apenas numa aparição de relance, num único quadrinho, todo leitor, ao reconhecer o Homem dos Patos, solta logo um "olha o Barks!". Esta HQ difere de outras que mostram o artista por, justamente, tratá-lo com um personagem outro, uma espécie de Barks num universo paralelo. Aqui, "Cao Baques" vive recluso há vinte annos e é famoso por sua principal criação, o Capitão Trambolhão (cuja tradução literal seria Capitão Patópolis). Imperdível.




Fonte adicional de indexação: Inducks
Editor: Paulo Maffia
Capa original: desenho de Michel Nadorp, publicada primeiro em Donald Duck #1998-20 (Holanda, 15/mai/98). Imagem: Outducks


 
E EM FEVEREIRO...
...conheça a arte de como se dar bem com seu vizinho, estrelando Donald e Silva!

3 comentários:

  1. "E EM FEVEREIRO...
    ...conheça a arte de como se dar bem com seu vizinho, estrelando Donald e Silva!"

    Como vcs sabem isso antes de todos???:o

    Hehehe..abraço deste amigo!:D

    AleXandro.

    ResponderExcluir
  2. Espetacular é a palavra para definir essa edição, em especial a história com o Barks, desenhada de forma magistral pelo artista Carlos Mota. Sou super fã do Barks e a cena da cadeira é memorável. Uma pena que não mantiveram o título original, ficaria muito mais bacana "Capitão Patópolis". Parabéns a vocês mais uma vez pela excelente divulgação.

    ResponderExcluir
  3. A melhor história - claro que me refiro a última da revista - soa como uma delicada mensagem do Maffia aos chatos de plantão que somente criticam o seu trabalho na frente das revistas na Abril.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.