' '

27 de jan de 2011

Luluzinha clássica está de volta. E em gibi, mesmo!

Por E. Rodrigues & José Rivaldo Ribeiro

Em breve, leitores e colecionadores terão o prazer de reencontrar nas bancas de jornais uma turma que dali se ausentou por mais de 15 anos: Luluzinha, Bolinha e seus amigos estarão de volta aos gibis, via Ediouro/Pixel —que hoje produz e publica a versão teen da turma. A editora fechou contrato com a Classic Media para utilizar o material que a Dark Horse atualmente reedita nos EUA em formato livro. O novo gibi brasileiro de Luluzinha, porém, será totalmente recolorido aqui. Aposta-se, assim, na conquista de novos leitores, sobretudo os jovens, além da volta do público antes fiel.


O Planeta Gibi calcula que existam mais de 9.700 páginas de quadrinhos de Lulu & Bolinha produzidas nos EUA. A publicação dessas histórias em gibis de lá começaram em 1945 e foram até o início de 1984 (há material inédito produzido para duas edições finais de Little Lulu, publicadas, se muito, em fanzines).

A Dark Horse vem reeditando em ordem cronológica todas essas HQs, publicadas originalmente não só no gibi da menina, como também no título do Bolinha, Tubby, e nos especiais. No Brasil, a Devir chegou a reproduzir quatro desses livros, divididos em oito volumes —todos em preto & branco.

A PRODUÇÃO BRASILEIRA
Em forma de gibi, apenas duas editoras até agora tinham levado Lulu e sua turma às bancas: a pioneira O Cruzeiro, de julho de 1955 a 1973, e a Editora Abril, de julho de 1974 a julho de 1995.

Quando na Abril, Luluzinha e Bolinha figuraram por bom tempo entre as revistas (de qualquer tipo; não só de quadrinhos, note-se) mais vendidas do país. Não à toa, os estúdios da editora paulistana produziram (nos cálculos do Planeta Gibi, de novo) mais de 1.300 páginas de quadrinhos da turma —tudo para suprir a escassez de HQs inéditas norte-americanas e reduzir as republicações que aumentavam a cada edição.

OS PERSONAGENS
Luluzinha foi criada por Marjorie Henderson Buell, a Marge, e estreou em 23 de fevereiro de 1935 numa gag publicada no jornal The Saturday Evening Post. A nova criação entrava no lugar de Pinduca (ou Carequinha; ou Henry, em inglês —de Carl Anderson), que passara a ser distribuído pela King Features Syndicate.

Em junho de 1945, ganhou seu primeiro gibi: a edição #74 de Dell Four Color, com roteiros e desenhos de John Stanley —que logo faria parceria com Irving Tripp. A dupla foi a responsável pelo desenvolvimento da personalidade da turma e, consequentemente, de sua popularização.



Luluzinha deve voltar em março pela Ediouro / Pixel, com 52 páginas, seu letreiro clássico e aquelas histórias formidáveis de John Stanley e Irving Tripp. E Bolinha...


Ilustração: Napoleão Figueiredo

8 comentários:

  1. Caras vocês são foda!!
    Desulpa, mas não tem outra.

    continuem assim com este trabalhos maravulhoso e só Deus sabe como vocês conseguem informações tão preciosas em primeira mão.

    Isso é um privilégio de poucos!

    Parabens!!

    E que venha Luluzinha!

    ResponderExcluir
  2. Ah que noticia legal,irei comprar...não é caso para se contar,mais como são amigos do planeta gibi..quero dizer que ganhei hj as edições de N°17 a 20(quatro revistas),graças a parceiria que tenho de divulgação no meu blog com para a revista(grato a Karen Moraes):)

    ResponderExcluir
  3. Adorei,já sabem quanto vai custar? adoro a lulu irei comprar :)

    ResponderExcluir
  4. Gostei também de saber. Vou tentar colecionar. Abs. Paulo

    ResponderExcluir
  5. Olá, boa noite! Eu gostava mais dos gibis do Bolinha do que da lulu, mas ambos tinham minha simpatia e um dia fiquei muito triste ao constatar que eles havia sumido.
    Eu me lembro da série de especial Lulu e Bolinha que era simplesmente 10 aqueles arcos em torno de um tema só.
    Quando estará nas bancas?

    Abraços. FabianoCaldeira.

    ResponderExcluir
  6. Fabiano, a americana Dark Horse está reeditando todas as HQs de Lulu e Bolinha em ordem cronológica (em formato livro; há um post aqui sobre esses conteúdos, que estamos atualizando para manter fixo na barra lateral, em breve).

    Os últimos livros já chegaram na fase das HQs que saíram nos especiais. Como a Ediouro pretende lançar aqui todo o material recuperado, a publicação no Brasil das histórias que v. cita dependerão, a meu ver, do sucesso do gibi nas bancas (no qual acreditamos, a propósito).

    E.Rodrigues

    ResponderExcluir
  7. E como deverá sair tudo isso? Re-reproduzir as edições americanas ou as brasileiras?

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.