' '

5 de jun de 2015

65 Anos Bem Contados: 1981-1990 (Parte 1 de 4)

Nossa série chega aos anos 1980... A revista do papagaio completa 20 anos em jan/1981, mas só ganha comemoração em junho, com seu primeiro gibi com lombada quadrada (e que não teve nenhum anúncio nas páginas de PATO ou )... E ainda: surgem os almanaques Disney, a Abril faz campanha para divulgar as HQs Disney produzidas no Brasil, a estreia da DC, o avanço da Marvel, o gibi dos SMURFS, as figurinhas do Snoopy, CEBOLINHA #100, SCUBIDU, o nascimento do Biquinho, A TURMA DO LAMBE-LAMBE e muito mais. Veja. 


DIÁRIO ESCOLAR DA MÔNICA precede a AGENDA DISNEY (ambos em linha semelhante, com tiras de jornais). Há um DIÁRIO para 1976, enquanto que a publicação Disney é para 1977 (como vimos no capítulo dos anos 1970). Acima, o DIÁRIO para 1981, anunciado em PATO DONALD #1530 (27/fev/1981)

Clique para ampliar

CEBOLINHA #100 (de verdade) foi a primeira edição com lombada quadrada do personagem. Ah, sim: e essas cadernetas de poupança quebraram todas, deixando os incautos a ver navios... Acima, frente e verso do cartão (avulso) distribuído com ZÉ CARIOCA #1541 (15/mai/1981)


Essa é uma das coleções mais difíceis da Hanna-Barbera pela Abril. E olha que só durou 6 números! Todos raríssimos. Calhau em ZC #1545 (12/06/1981)


Peninha foi o primeiríssimo personagem Disney a ganhar um almanaque, em ago/1981, supostamente dentro da SÉRIE ALMANAQUE (não há anúncio dele em PD ou ZC). Nessa primeira fase, foram mais comuns as edições temáticas, como CARNAVAL e SUPER-HERÓIS. Aqueles que ganharam uma chance na segunda série de almanaques Disney, como o próprio Peninha e Superpateta (anúncio em ZC #1559, 11/set/1981), tiveram a numeração reiniciada, exceto... (já, já veremos)


Publicado em ZÉ CARIOCA #1563 (11/set/1981), o anúncio homenageando o Dia das Crianças serve para contextualizar as publicações de quadrinhos da Abril na época


CAPITÃO AMÉRICA, a primeira publicação Marvel da Abril, ganhava distinção em out/1981, quando passou a ter 84 páginas e lombada quadrada (e um prefixo Almanaque). Anúncio em ZC #1565 (dia 30)


A Abril decidiu expor para todos os leitores aquilo que os aficcionados já sabiam há muito tempo (visto em PD #1570, de 4/dez/1981)

Curiosidades extras: a Abril já informava o código de suas produções desde a década de 1960, com código então iniciado por "EA". No início dos anos 1970, os códigos de produção originais (de qualquer país) começaram a ser publicados na primeira página das histórias. Exatamente em 27/set/1974 chegou às bancas o primeiro gibi brasileiro também com o código da própria revista complementando o código de produção: O PATO DONALD #1194


Repare que o cupom chama essa revista de TIO PATINHAS EXTRA — precursora do título TIO PATINHAS ESPECIALsaiba mais sobre ela aqui. (Anúncio em ZC #1571, de 11/dez/1981)


Voltando aos títulos Disney (supostamente) dentro da SÉRIE ALMANAQUE, Superpato ganhou o seu em jan/1982 (propaganda em ZC #1577, do dia 22). E foi o único que avançou até a segunda série com a numeração continuada, sabe-se lá por quê. Os almanaques de personagens Disney ganharam uma terceira série a partir do final de 2010



Repare na propaganda acima (em ZC #1583, 5/mar/1982): a coleção PATETA FAZ HISTÓRIA teria 5 volumes. Oito meses depois de concluída, porém, um número 6 chegou às bancas. Em 2012, a Editora Abril compilou todos os episódios produzidos, sendo mais da metade deles então inéditos no Brasil, numa coleção em 20 volumes cujos textos de apresentação foram escritos, em sua maioria, pelo Planeta Gibi. Clique aqui e entenda a origem e veja todas as revistas que publicaram a série no Brasil


Cupom em PATO DONALD #1584 (12/mar/1982). O nascimento do Biquinho foi um evento. Depois de escolhido o nome do personagem, o concurso acima visava a escolher suas cores. A estreia nos quadrinhos ocorreu em TIO PATINHAS #202 (abr/1982) com O Furacão Branco e Preto — HQ que usa muito a metalinguagem e que até hoje aguarda republicação

clique para ampliar

A TURMA DO LAMBE-LAMBE, de Daniel Azulay, parecia não se encaixar no padrão dos gibis Abril da época. E por isso mesmo é que foi bacana vê-la na banca com a árvore da editora na capa: diversificação. Infelizmente, durou menos de dois anos. Em abr/2015, a Coquetel lançou uma edição comemorativa de 40 anos da turma, com passatempos caprichados e poucas páginas de quadrinhos (veja aqui)


Uma lacuna (não houve anúncio nas páginas de PD ou ZC): quem vai hoje às bancas e até se confunde com a numerosa família de revistas de Mauricio de Sousa talvez não acredite: reza a lenda que a Abril teve um trabalho danado para convencer o cartunista a lançar CASCÃO e CHICO BENTO (num rodízio similar a PATO DONALD e ZÉ CARIOCA, uma semana de cada). Mauricio teria dito que os novos títulos iriam diminuir a circulação dos clássicos MÔNICA e CEBOLINHA. Os lançamentos acabaram ocorrendo, enfim, em ago/1982. Todos esses gibis, mais MAGALI (título já criado na fase Editora Globo), circulam até hoje, como se sabe. Na mudança de editora, Mauricio declarou à imprensa exatamente o contrário: que a Abril impedia seus planos de diversificação de títulos, cabe registrar. O Planeta Gibi, por fonte muito mais do que confiável, intimamente ligada ao diretor da Abril da época, guarda uma versão totalmente diferente da motivação e da maneira como se deu a saída da MSP da Abril — mas guardada ela permanecerá, pois não queremos correr o risco de ser processados



Certamente, quando do lançamento de CASCÃO e CHICO BENTO (ago/1982), a Abril já havia decidido colocar PENINHA e PATETA em esquema semelhante. O discreto anúncio acima saiu em ZC #1611 (17/set/1982)


Cada vez que a Disney anunciava um lançamento de uma nova animação para "breve", os gibis da Abril eram inundados por teasers e propagandas diversas. Antes da propaganda-quadrinhos acima ser publicada em ZÉ CARIOCA #1617 (29/out/1982), o cartaz do filme já havia saído diversas vezes nas páginas das revistas Disney. O 24º Clássico Disney, O Cão e a Raposa, estreara em 10 de julho do ano anterior nos Estado Unidos e havia chegado aos cinemas brasileiros em setembro seguinte. Antes dele, houve Bernardo e Bianca (1977); depois, O Caldeirão Mágico (1985). A longa distância entre uma animação e outra possibilitava que o título fosse explorado por muito tempo, como vemos aqui


 A quadrinização foi anunciada em ZC #1625 (23/dez/1982). Com desenhos de Pete Alvarado, a edição teve formato quase americano. O Cão e a Raposa pertence a uma fase muito irregular das animações Disney, que foi da morte do próprio Walt, em 1966, até A Pequena Sereia (1989). Ainda assim, é muito difícil conter as lágrimas no clímax da cena da cachoeira, quando o cão se interpõe entre o rifle de seu dono e a raposa desfalecida, antes sua melhor amiga


O sucesso de OS SMURFS na televisão levou a Abril a lançar esse gibi (anúncio em ZC #1633, 18/fev/1983). Durou apenas 6 números (entre dez/1982 e jul/1983), em formato um pouco maior do que o convencional da editora. Em meados de 2010, O Estado de S.Paulo noticiou que os personagens voltariam aos quadrinhos pela On Line (o que acabou não ocorrendo), e informamos aqui, juntamente com a capa da edição de estreia deles pela Vecchi, em 1975, quando foram chamados de OS DUENDES STRUNFS.  Em 2013, a Coquetel lançou-os numa revista de quadrinhos e atividades que durou algumas edições (veja aqui)


Depois da experiência catastrófica na Bloch (a Marvel teria dito que nunca uma editora tratara tão mal sua produção), a passagem da Casa das Ideias pela RGE tampouco foi lá muito feliz (com a cronologia sendo mandada ao espaço). A Abril vinha bem com HERÓIS DA TV e CAPITÃO AMÉRICA e acabou assumindo os direitos sobre todos os demais personagens. As estreias de HOMEM-ARANHA e INCRÍVEL HULK foram assim anunciadas em PD #1656 (29/jul/1983)


TIO PATINHAS ESPECIAL durou 16 anos (mais dois, digamos assim, retroativos, como vimos aqui). E a estreia do título independente anual do velho muquirana foi assim divulgada em ZC #1675 (8/dez/1983)


Depois de décadas na Ebal, a DC Comics estreou na Abril em jul/1984 (anúncio em ZC #1707, do dia 20). E os gibis Marvel e DC seriam divulgados cada vez menos nas páginas das revistas Disney porque a editora atrelaria os heróis ao mercado das publicações destinadas ao público menos infantil — inaugurado pela própria Abril, em larga escala, com o lançamento de O CAVALEIRO DAS TREVAS (abr/1987) e subsequentes, que cruzariam a década. Já falamos sobre isso aqui


Donald, o personagem, completou 50 anos em 1984.  E teve uma série em sua homenagem (toda composta por HQs de Carl Barks), As Faces do Pato Donald (PD #1714 a 1728), cuja primeira página de apresentação vemos acima (de PD #1714, 7/set/1984), e...


...ganhou um kit comemorativo (ausente de anúncios nas páginas de PD ou ) que incluía um álbum, cujas figurinhas vinham na dobra da capa dos gibis Disney (como acima, em PD #1720, 19/out/1984). Veja imagens do kit aqui


Entre as edições #377 (fev/1984) e 388 (jan/1985), MICKEY virou uma espécie de TOPOLINO, com textos e notícias entremeando os quadrinhos. Ideia que não tinha dado certo com CLUBE DO MICKEY. E tampouco deu certo aqui. E nem em PATO DONALD (da edição #1751, jan/1985, até a #1764, de jun/1986). Aí parece que a Abril desistiu desse tipo de mix. O anúncio acima saiu em ZC #1721 (26/out/1984)


Coleçãozinha difícil de completar é essa DISNEY ESPECIALÍSSIMO. Acima, anúncio do volume 2, ainda com capa dura e venda somente por reembolso postal, publicado em ZC #1737 (15/fev/1985). O título merece um post à parte, até porque nunca vimos em lugar nenhum da internet lista ou informações que deem conta dele. Há edições não numeradas, há edições de mesmo número cujo conteúdo é diferente...


Peanuts nunca teve quadrinhos publicados pela Editora Abril. Acima, um álbum de figurinhas, anunciado em ZÉ CARIOCA #1739 (de 1/mar/1985)


Duas curiosidades: o anúncio da coleção de chaveiros Marvel e DC (num espaço que depois apresentaria gags) e uma nota técnica: esta foi a primeiríssima vez que o gibi do ZÉ CARIOCA teve um expediente vertical, igual a um gibi "normal" da Abril: foi na edição #1743, de 29/mar/1985 (O PATO DONALD já havia publicado o expediente nessa posição na Edição Comemorativa de 25 Anos, #1234, em 4/jul/1975)

Na continuação desta série, avançaremos até 1986
  

Por E. Rodrigues & Rivaldo Ribeiro
Publicado originalmente em 16/jan/2011




18 comentários:

  1. 'Nota: ficamos felizes com o sucesso desta série'

    Realmente é a melhor do ano e dos que passaram deste BLOG,que continuem,parabéns ao Planeta Gibi Blog!:D

    ResponderExcluir
  2. 1) Agora, sim, chegamos à década em que eu me lembro de vários dos anúncios tendo-os comprado na banca, ao invés de achado no armário do meu pai! hehehehe

    2) Eu me lembro do comercial do Cebolinha para a Haspa na TV, mas o que me marcou da Haspa eram os cofrinhos de plástico em forma de casinhas. Eu tinha vários. Meu pai fazia uma caderneta de poupança para mim e para o meu irmão (felizmente, o dinheiro foi todo sacado antes da quebra, sei lá por quê) e sempre aparecia com casinhas novas. Não tinham nada de especial, e havia muitas repetidas, mas nós usávamos para brincar com nossos carrinhos Matchbox. Meu pai até comprou uma grande tábua, onde colou tiras de madeira balsa, montando "quarteirões", tudo pintadinho, muito legal. Não por acaso, chamávamos de "Cidade Haspa". Fazia um grande sucesso na vizinhança.

    3) Uma pena que os códigos das revistas atuais não tragam mais a informação de quando elas são repetidas. Ao menos quando a história é brasileira dá para saber o ano em que ela foi publicada. Faz MUITA falta nas republicações.

    4) Eu adorava a Turma do Lambe-Lambe na TV, mas nos quadrinhos não vi graça. Agora, por que será que o hífen foi abolido no título da revista?

    5) Meu pai começou a me "iniciar" nas coleções de quadrinhos com a revista do Peninha, já a partir do número 1. Ele comprava o Peninha para mim e o Pateta para o meu irmão, incentivando-nos a manter a coleção. Foi ali que eu percebi que as revistas tinham números. Eu tinha seis anos. Pouco mais tarde, ele começou a comprar o Mickey para mim e o Tio Patinhas para o meu irmão. O Mickey, se não me engano, comecei no número 352. Quando ele percebeu que eu estava levando a sério, passou para mim as edições do Mickey que ele tinha guardado nos anos anteriores (cheias de buracos na numeração, pois ou ele não comprava sempre ou só guardara algumas). Mais tarde ainda, meu primo de segundo grau deu para mim a coleção dele, que envolvia mais ou menos do número 200 ao número 300, com um ou outro buraco. E depois meu pai passou para mim as encadernações de Mickey que ele tinha, englobando dos números 100 ao 200.

    6) Disney Especialíssimo era uma bela forma de se livrar dos encalhes. E a encadernação e o refile eram péssimos! O refile especialmente. Eu tinha uma em que as páginas estavam quase na diagonal.

    7) Creio ser dessa época, mas não tenho certeza, um anúncio do Disney Especial Os Músicos (reedição, creio), que tinha várias notas musicais no texto, que terminava com algo assim: "Compre essa rev-SI-ta. Ops, que desafinada!" Esse anúncio me marcou bastante.

    ResponderExcluir
  3. O que me fascinava na Turma do Lambe Lambe (tinha hífen? não me lembro...) era ver o Daniel Azulay desenhando. Aliás, qualquer um desenhando me fascina. Não sei se o pessoal aqui viu o vídeo do Don Rosa fazendo o Tio Patinhas ao lado da Maga. Genial.
    E.Rodrigues

    ResponderExcluir
  4. No próprio anúncio acima é escrito com hífen na chamada, mas sem hífen no logo.

    ResponderExcluir
  5. "Não sei se o pessoal aqui viu o vídeo do Don Rosa fazendo o Tio Patinhas ao lado da Maga. Genial."

    Eu vi, e também achei genial. É fascinante.

    Matheus

    ResponderExcluir
  6. Poxá não vi,quero ver,cadê o tal video??,quem postar ficarei grato!:p

    ResponderExcluir
  7. Eita!

    pensei que o espaço fosse para elogios ou criticas sobre as postagens.

    Mas parece que baboseiras do orkut (nada a ver) e recados já estão chegando aqui.

    abram o olho pessoal do planeta!

    ResponderExcluir
  8. Eu me lembro do Biquinho quando ele não tinha nome, nem cor. Gosto muito desse personagem e fico contente quando ele aparece nas histórias, como nesse recente Almanaque do Peninha. Parabéns pela excelente matéria. Abs. Paulo

    ResponderExcluir
  9. O anúncio do Tio Patinhas Extra (# 188) falava em capa plastificada, fui conferir e meu exemplar tem capa normal...

    ResponderExcluir
  10. É verdade. Foi a primeira coisa que comentamos ao escanear esse anúncio, e acabamos nos esquecendo de falar dessa "propaganda enganosa". De fato, esse tipo de texto você não conclui, abandona... senão fica a vida inteira lembrando de coisas e escrevendo... Sem falar da quantidade de páginas que escaneamos e decidimos deixar de fora.
    Abraço.
    E.Rodrigues

    ResponderExcluir
  11. [Scooby-Doo! só foi bensucedido na Abril como revista cult. É curioso, porque o personagem era tão ou mais popular naquela época do que hoje.]

    Os personagens da Hanna-Barbera não se encaixam no formato de hq, penso eu. Talvez porque todo mundo só consiga associá-los aos seus badalados cartoons. Que graça tem ler o Fred ou o Scooby-doo quando se tem ótimos desenhos com igualmente ótimas dublagens nacionais.

    [O nascimento de Biquinho foi um evento.]

    Tenho uma dúvida sobre o personagem: quando ele mostrava lagartos e sapos para a Margarida ou a Glória como se fôssem cândidos animaizinhos de estimação ele estava sendo sonso? Ou ele não sabia que tais bichos costumam causar repulsas em mulheres?

    [Até onde sabemos, esta foi a única publicação de Peanuts pela Editora Abril: um álbum de figurinhas.]

    Este álbum é ótimo! Achei muito por acaso no Mercado Livre.

    ResponderExcluir
  12. [(1) Agora, sim, chegamos à década em que eu me lembro de vários dos anúncios (...)]
    Nunca li tanto gibi na minha vida como nesta maravilhosa década. Ganhava dos meus pais e de um primo mais velhor, que comprava gibis usados e me emprestava.
    (2) Os gibis da década foram marcados pelos anúncios bem humorados e cheios de detalhes, além das ótimas histórias feitas por artistas estrangeiros e brasileiros.
    (3) Não sei porque o Planeta Gibi implicou com os gibis do Mickey e do Donald que continham matérias em seu miolo. Eu adorava. Cheguei a ganhar alguns de minha mãe, como o Mickey que trazia matéria sobre Jacques Costeau (a do Michael só tive depois de adulto!) e o Pato Donald com reportagens sobre a Copa 86.
    (4) Como tantos, sinto muita falta daquela energia que os anúncios traziam nos gibis dos anos 80. Era uma diversão a parte: junto com as histórias e até o expediente!
    (5) Valeu Planeta Gibi: a viagem foi incrível!!

    ResponderExcluir
  13. algumas observações sobre este capítulo desta ESPETACULAR Série:
    -Eu tive esse gibi do Scubidu.Não me peçam o exemplar! Eu o perdi em alguma estante empoeirada do tempo...Vale lembrar que neste período boa parte das HQs da Hanna-Barbera eram feitas aqui no Brasil,pelo Estúdio Ely Barbosa,Criador da Turma Da Fofura,Patrícia,Gordo e Os Incríveis Amendoins entre outros.

    -Esse lance dos cupons nas chamadas das revistas... Dificilmente a Abril faria algo assim nos dias de hoje!! Eu me lembro que isso fazia parte de uma campanha dos gibis da abril que circulava não nas pubicações infanto-juvenis mas nas revistas voltadas para o público adulto: Claudia,Playboy,Veja...A Campanha se chamava:"MÃE/PAI,CADÊ AS NOSSAS REVISTAS"?,que incentivava os pais a comprarem gibis para os filhos.Eu me lembro que as bancas mais luxuosas ostentavam uma faixa onde se lia "mamãe e papai,nossas revistas estão aqui."

    -o Álbum de Figurinhas de Peanuts NÂO Foi a única publicação da Abril com os personagens.A Editora também publicou revistas para colorir e de passatempos,além de edicões das revistas RISCA E APARECE(alguém aí se lembra?)e DESTAQUE E BRINQUE.
    -Uma Curiosidade sobre o gibi da Turma do Lambe-Lambe: A Capa dos dois primeiros números era feita do mesmo papel do miolo.Apenas a partir do terceiro número é que a capa passou a ser de papel couché.

    -Pateta Faz História é uma serie que merecia ganhar versão em capa dura!

    ResponderExcluir
  14. Dyel, o texto de Peanuts foi alterado, considerando seu relato.

    Quanto à Turma do Lambe-Lambe: um belo dia postaremos aqui mais informações sobre essa passagem pela Abril, incluindo as capas e mais.

    Abs.

    E. Rodrigues

    ResponderExcluir
  15. Scooby-Doo! pela Panini é infinitamente anoz luz melhor. Dá impressão de estar vendo o desenho mesmo. Mas é aquela coisa: sem divulgação e esforço da própria editora em fazer o título emplacar, fica difícil mesmo. Tenho as minhas edições, mas era difícil achar nas bancas. Publicações de Abril chegavam em Junho. Uma coisa de doido que desanimava qualquer um. Assim não tem título que emplaque mesmo.


    ResponderExcluir
  16. E essas capas de Pateta Faz Historia são infinitamente melhores do que as capas da coleção relançada, pois essas do passado são bem mais alegres e atraentes. Não é uma crítica, só uma observação.

    E como os desenhos da turma da Mônica dessa época eram bem superiores aos de hoje. Desde os fiozinhos do cabelo, os dentes, até os pés. Uma pena constatar isso. Tempo que não voltam mais.

    ResponderExcluir
  17. Há algumas, poucas é verdade, informações sobre a coleção do DISNEY ESPECIALÍSSIMO, no site inducks coa.

    ResponderExcluir
  18. Quando formos postar aqui também enviaremos para o Arthur cadastrar lá.

    Abs.

    E. Rodrigues

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos.
• Incluam ofensas e palavrões;

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.