' '

23 de nov de 2009

O Casamento do Pato Donald será publicado nos EUA

Por José Rivaldo Ribeiro & E. Rodrigues
Publicado originalmente em 21/11/9.
Atualizado com comentários do roteirista do Casamento, Júlio de Andrade.


A HQ brasileira O Casamento do Pato Donald será publicada no especial de capa dura Walt Disney's Valentine's Classics, da Boom! Studios, agora em janeiro. A notícia é um evento: antes disso, só Canini tinha tido a honra de figurar num gibi americano com personagens clássicos (leia mais aqui, e vide nota de rodapé neste post).


A edição trará ainda histórias de Floyd Gottfredson, Carl Barks, Romano Scarpa, Daan Jippes e Al Taliaferro. Ou seja, a HQ brasileira estará orgulhosamente em excelente companhia.


O Casamento foi especialmente criado para abrir a Série Ouro Disney, em jul/87, com argumento de Izomar C. Guilherme, roteiro de Júlio de Andrade e desenhos de Euclides K. Miyaura, Irineu Soares Rodrigues, Luiz Podavin e Roberto O. Fukue. A imprensa, na época, noticiou que a Disney havia feito algumas exigências para autorizar sua publicação (mais informações em nosso post sobre a Morte do Tio Patinhas). A história também foi publicada em 1988 na Itália e na França, com direito a capa exclusiva.


A edição americana, aparentemente, não trará a HQ na íntegra. Serão suprimidos os trechos desenhados por Luiz Podavin (Parte II — Os Preparativos) e por Roberto Fukue (trecho da Parte IV: as cinco páginas que relatam o que ocorre depois de "vários meses de casado").


Um quadrinho da trama ainda foi usado pela Boom! para ilustrar o editorial (acima).

Nota: além do Casamento e de Canini, outras três HQs brasileiras já saíram nos EUA. Em 1998, a revista Disney Adventures — que por aqui teve em Disney Explora sua similar — publicou produções nacionais estreladas por Mulan. A primeira delas foi até capa, comemorativa da 100ª edição. No Brasil, essas histórias saíram no gibi Mulan Novas Aventuras.


Fonte de indexação: Inducks


Acrescentamos:

Nosso post A Polêmica Ilustração de Don Rosa, de abril, referiu-se ao Casamento assim:

Esse zelo pode ser muito bem ilustrado pelo caso O Casamento do Pato Donald (Série Ouro Disney #1, de 1987), amplamente divulgado nos jornais da época. Os estúdios da Editora Abril somente obtiveram aprovação da Disney para sua produção e publicação quando aceitou as regras do jogo: a HQ não só teria que deixar bem claro que tudo se tratava de um sonho, como teria que incluir recursos gráficos para que o leitor não se esquecesse disso durante a história: as bordas das páginas eram coloridas e o estilo de desenho mudava drasticamente entre os capítulos!


O roteirista de O Casamento do Pato Donald, Júlio de Andrade, comentou hoje este post (e a Série Ouro Disney, de forma geral), no fórum GibiHouse:

Puxa, nossa história sendo publicada ao lado de material do Barks, Gottfredson e outros gênios é bom demais da conta!

E o que o post comenta sobre as exigências da Disney para que pudéssemos publicar é a pura verdade. Nossa ideia era mudar radicalmente o universo Disney, uma espécie de "universo paralelo" onde o Donald estivesse casado, o Pateta ficasse inteligente, o Zé ficasse milionário, o Peninha entrasse na política e por aí afora. O sonho era termos uma série de revistas onde essas histórias fossem publicadas, ao lado de revistas com o material "convencional". Seria mais um exercício de criatividade, onde as regras fossem mudadas — inclusive em termos de traço, não apenas de roteiros.

Tentamos algo parecido na revista experimental Quac, que durou apenas meia dúzia de números...

A Série Ouro foi a antecessora de Quac em termos de "espírito". E na verdade não era para ser o "Pateta Rambo"... ele seria um sujeito mega inteligente, tipo um Gilberto adulto. Mas a Disney não aprovou, então refiz a história com ele como astro de cinema, onde estrelaria várias sátiras - sendo Rambo uma delas. Mas o pessoal da Disney de então perturbou tanto que desisti e só ficou o Rombo, mesmo...

(Quac) Foi uma das séries que mais gostei de editar, e a equipe se sentia bastante motivada porque fugia dos padrões tradicionais e valia "quase tudo". A vice-presidente editorial da Disney na época (1992) colocou nossas revistas com destaque num show-room que era mantido no quartel-general em Los Angeles, se não estou enganado, como exemplo de inovação.

O problema é que nem a distribuidora e nem os jornaleiros sabiam muito bem como expor a revista nas bancas: se era quadrinhos (ficando ao lado do Pato Donald ou Mônica); se era revista de atividades; ou se era revista adulta (ficando ao lado de Superinteressante, por exemplo).

E nem os leitores gostaram da proposta, porque fugia do padrão ao "desvirtuar" o universo Disney com o qual estavam acostumados. O humor mais ácido, a ironia e a irreverência não foram muito bem aceitos pelos leitores (a Disney, ao contrário, gostava) e a revista morreu na edição 6...


Vejam também o post Uncle Scrooge #385, tratando da publicação de outro artista brasileiro, o desenhista Carlos Mota, em gibi americano.

13 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Sim!Tomare que a editora Abril esteja vendo isso!!!:O

    ResponderExcluir
  3. Acho que essa história nunca chegou a ser republicada no Brasil... Ou estou enganado?

    ResponderExcluir
  4. Acho que o Planeta Gibi se esqueceu de comentar colocar no post que houve uma reedição em 1998.
    E vc precisa conhecer uma pouco mais este site Érico.
    http://coa.inducks.org/country.php?c=br
    É bem legal.
    http://coa.inducks.org/issue.php?c=br%2FSODR++++2

    ResponderExcluir
  5. hello... hapi blogging... have a nice day! just visiting here....

    ResponderExcluir
  6. Lembro vagamente de ter visto uma ou outra dessas nas bancas na época.
    Pra mim, praticamente passou em brancas nuvens. Nunca li uma sequer.

    ResponderExcluir
  7. Já a Série Ouro Disney é genial. A edição do Donald é a melhor delas.

    Essa capa aí eu nunca vi. Ela existiu? Foi uma coletânea das 5 edições?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma página de propaganda.

      O"

      Excluir
    2. É a capa do encadernado das edições #2 a 5.

      Abs.

      Edenilson

      Excluir
  8. Paulo Roberto25/11/2009 01:08

    Vários desenhistas brasileiros já foram publicados nos EUA. Isso não é novidade. Sempre saíram histórias na Disney Adventures (que eu comprava quando morava lá) e em outras revistas. Hoje sai INCREDIBLES e CARS com desenhistas brasileiros, se não estou errado.

    ResponderExcluir
  9. Paulo, em Uncle Scrooge, por exemplo, está sendo publicada uma saga onde um dos capítulos é desenhado por Carlos Mota.

    O evento, a que nos referimos, é o de uma HQ produzida nos Estúdios Abril ser publicada nos EUA.

    ResponderExcluir
  10. Paulo Roberto25/11/2009 18:56

    Entendi. Mas vou pesquisar, porque acho que anteriormente algo daqui já saiu lá também. Vou ver o que acho (para ajudar!). Obrigado.

    ResponderExcluir
  11. Havendo cortes da obra original, já perdeu o respeito.

    O"

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR, POR FAVOR, LEIA:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de quem os escreve e não refletem necessariamente a opinião do Planeta Gibi.

Não publicamos comentários que:
• Incluam quaisquer e-mails ou links;
• Mencionem outro estabelecimento que comercialize quadrinhos;
• Incluam ofensas e palavrões; fujam do tema em questão.

Atenção:
Os comentários aqui postados podem ser encaminhados para os editores que, eventualmente, poderão publicá-los nas revistas; caso não concorde com isso, explicite sua negativa no próprio comentário. Obrigado.